sexta-feira, 24 de maio de 2019

200 anos do nascimento da Rainha Vitória


Não sou particularmente fã da Rainha Vitória do Reino Unido (1819-1901), mas ela teve uma importância inegável durante sua vida e depois dela.   Ela deu nome a uma Era, mulheres se casam de branco no mundo inteiro, porque a jovem rainha escolheu um vestido simples e singelo para usar em seu casamento em 1840.  Enfim, hoje, se comemoram os 200 anos de seu nascimento.  

Victoria quase uma menina.
O nascimento de Vitória está ligado a uma corrida estabelecida entre os irmãos do regente e futuro rei, George VI (1820-1830), depois da morte de sua única filha e herdeira, a Princesa Charlotte, em 1817.  A morte de Charlotte é um dos casos mais absurdos de incompetência médica em um parto que eu já li, mas o texto não é sobre ela. Como a maioria dos filhos do rei George III (1760-1820) não tinha se casado, eles foram em busca de esposas adequadas: princesas de ducados ou principados pobres da Alemanha.  A mãe de Vitória já era viúva, com atestada fertilidade, e era irmã de Leopoldo, o viúvo da princesa Charlotte.  A princesa Victoria de Saxe-Coburg-Saalfeld, mãe de Vitória, engravidou rapidamente e fez questão de trazer uma parteira de seu país natal para não correr o risco de cair nas mãos dos médicos ingleses, pois depois da morte da herdeira do trono britânico, a má fama desses profissionais correu a Europa.  O pai de Vitória era o quarto filho do Rei George III e faleceu quando ela tinha meses de idade.


Victoria e Albert, quadros de 1840.
Vitória foi criada nas sombras em relação à possibilidade de tornar-se rainha, quando descobriu sua condição, já no fim da infância, entrou em pânico.  Sua mãe e seu secretário (*e, talvez, amante*)  John Conroy a criaram dentro do chamado Kensington System inventado por eles e que tinha como objetivo transformar a jovem princesa em alguém dependente deles e uma completa idiota.  Eles falharam.  Vitória foi coroada aos 18 anos e tomou as rédeas de sua vida, ou quase, afastando Conroy, isolando sua mãe e frustrando suas ambições.  

Victoria, Alfred e alguns de seus filhos e filhas.
Quando chegou a hora de conseguir-lhe um marido, houve vários pretendentes, mas o "querido tio" Leopoldo conseguiu arrumar as coisas para que um outro sobrinho, Albert, um príncipe pobre e sem grandes perspectivas matrimoniais, conquistasse o coração de Vitória.  Por tudo que já li, não tenho dúvidas de que ela o amasse, de forma obsessiva até, já ele, não sei, mas cumpriu com seu dever , inclusive fazendo o que a maioria dos maridos da época não faria, como estar presente e apoiá-la durante seus partos, e conseguiu domesticar a esposa-rainha, apesar de sua resistência.  Na biografia  We Two: Victoria and Albert: Rulers, Partners, Rivals de Gillian Gill, a autora defende a tese de que todo o moralismo que atribuído à rainha, foi coisa do marido.

Muito da sua vida foi passada como viúva.
O fato é que Vitória e Albert tiveram nove filhos juntos e a política matrimonial calculada pelo príncipe fez com que a esposa fosse chamada de avó da Europa, semeando a hemofilia entre várias casas reais do continente.  Curiosamente, todos os seus filhos sobreviveram, inclusive seu filho Leopold, cuja hemofilia foi escondida de todos.  Vitória chocou e enfrentou autoridades religiosas de sua época quando decidiu aceitar o uso de anestesia em seus partos, algo revolucionário na época.  Só que Albert morreu cedo com 42 anos, em 1861, deixando a esposa inconsolável.  Ela passou a vestir luto e teve grande influencia sobre a morbidez que de uma certa forma marcou o resto do seu reinado. 

A rainha viveu o suficiente para ver seus bisnetos.
Durante seu reinado, e que ninguém pense que ela era somente um adereço, pois ela se reunia com seus ministros regularmente e interferia em vários assuntos, a Inglaterra firmou-se como a maior potência militar e econômica de seu tempo.  Foi no seu governo que se fez a Segunda Revolução Industrial e Vitória tornou-se imperatriz da Índia em 1876.  Ela foi a mulher mais influente de sua época e, bem, ela viveu bastante.  Seu jubileu de Diamante em 22 de junho de 1897 foi uma grande celebração.  Só que a atual rainha, Elizabeth II, bateu todos os seus recordes de tempo, enfim... 

Judi Dench em Victoria & Abdul.
Foram feitos vários filmes e séries sobre a rainha Vitória.  Uma das atrizes britânicas mais importantes de nosso tempo, Judi Dench, interpretou a rainha em dois filmes, Mrs. Brown (1997) e Victoria & Abdul (2017).  Eu não resenhei nenhum deles.  Na verdade, acredito que no blog só comentei A Jovem Rainha Vitória (2009) e falei dela quando comentei a série da BBC Edward the Seventh (1975).  Há um seriado sobre Vitória sendo produzido nesse momento.  Acredito que está na terceira temporada.  Não me interessei por assisti-lo por uma série de detalhes que eu li sobre ele. É como comentei, não sou fã da Rainha Vitória, uma das coisas que eu realmente gostaria era de ver um filme, ou série, sobre a filha dela Vitória, Vicky, e seu marido, que foi Imperador da Alemanha.  Enfim, queria marcar a data, porque 200 anos não é pouca coisa, não.  Não sei se ficou um post decente, mas precisava escrever alguma coisa.

GOSTOU?

1 pessoas comentaram:

Também acho a vida da Vicky muito interessante! Da irmã Alice também. Mas confesso que ri quando a vi duvidar do amor do Albert. Poxa, Valéria, e o romantismo, cadê? Kkkkkk A série Victoria é puro fanservice Vicbert. Acho que não ia gostar - eu gosto de fingir que é verdade =D virei fandom kkkkk

Related Posts with Thumbnails