quarta-feira, 25 de julho de 2018

Zsazsa Zaturnnah ou Os Quadrinhos Filipinos devem ser muito interessantes


Como escrevi ontem, estou no  IV Fórum Nacional de Pesquisadores em Arte Sequencial (FNPAS), hoje foi o meu trabalho e a conferência, mas não vou falar disso, vou falar de coisas que aprendi e descobri.  Assisti uma apresentação realmente muito legal sobre a super-heroína filipina chamada Zsazsa Zaturnnah.  Primeira coisa, não conhecia nada de quadrinhos filipinos e eles parecem ter uma identidade própria mesmo que sob forte influência dos comics e dos mangás.  Algumas imagens que o autor, o doutorando Lucas do Carmo Dalberto, mostrou eram bem ilustrativas disso.  Agora, o que realmente me chamou a atenção foi a história da tal Zaturnnah, porque eu fiquei doida para ler, mas, tristeza, não parece existir scanlations.

Quando olhei para a Zaturnnah, logo me veio na cabeça que se tratava de uma mulher trans, mas vamos lá, não  é tão simples assim.  Enfim, o alter-ego de Zaturnnah é um jovem chamado Ada, um rapaz homossexual com trejeitos bem “efeminados”, que é dono de um salão em Manilla. Um dia, depois de uma grande decepção amorosa, Ada decide se mudar para o interior e mudar de vida.  Ele já tinha vários traumas relacionados à homofobia do pai e outros incidentes.  Não deixaria de ser gay, mas tentaria ser menos pintoso, por assim dizer.  OK.


Ada compra um pequeno salão em uma cidadezinha e, um dia, quando está tomando banho, um meteorito cai do céu dentro do seu banheiro.  Na pedra, que é volumosa, mas não é grande, está escrito Zaturnnah.  O que o sujeito faz?  O quê?  Engole a tal pedra e se transforma na super-poderosa heroína.  Sério.  Engoliu a pedra.  Para se destransformar, precisa vomitar a pedra.  Ada gosta de ser Zaturnnah, mas se sente infeliz porque o vizinho padeiro, Dodong, se apaixona pela heroína e é incapaz de notá-lo.  

Parece que esse rolo todo, essas metamorfoses, tem garantido uma grande atenção por parte doos acadêmicos.  Parece que há um bom número de gente estudando Zaturnnah e escrevendo sobre ela e Ada.  Zaturnnah foi inspirada em uma super-heroína clássica filipina, Darna, que, por sua vez, teve a mulher maravilha como modelo.  Enfim, assim como sua antecessora, Zaturnnah virou filme para o cinema e já teve SETE musicais.  Sério, jogue o nome na internet.  


Infelizmente, a personagem criada por Carlo Vergara  só está disponível línguas faladas nas Filipinas.  É  uma pena, porque achei essa história toda muito divertida.  E é bom dizer que todo país normalmente produz pelo menos dos produtos da cultura pop, telenovela e quadrinhos.  A gente pode não conhecer, mas existe.

GOSTOU?

6 pessoas comentaram:

Obrigada por compartilhar isso. Parece uma história muito interessante mesmo. Claro que adoraria ler.

Impressão minha ou o nome da heroína é 1 alusão a Zsa Zsa Gabor ?

Há algum tempo era possível achar o filme legendado em espanhol em sites de filmes LGBTQ. Pelo que lembro era bem divertido :)

Related Posts with Thumbnails