terça-feira, 31 de dezembro de 2019

Quer saber qual personagem de anime divide o aniversário com você? Este site pode lhe ajudar!


O  Rocket News 24 trouxe informações sobre um site  japonês (*sim, alguma informação romanizada, mas basicamente é em japonês mesmo*) com um arquivo de mais de 10 mil aniversários de personagens de anime.  Agora é fácil saber quem faz aniversário no mesmo dia que você. :) Enfim, é divertido dar uma olhada nele e há personagens clássicas, também, porque Oscar (A Rosa de Versalhes) está junto com o Levi (Shingeki no Kyojin) e a Mei Tachibana (Suki-tte Ii na yo) em 25 de dezembro... E tem muito mais personagem de anime que faz aniversário nesta data.  Vale a pena dar uma olhadinha, é divertido. :)  O endereço é este aqui.  

Percebi que tem gente perdida sem conseguir achar o caminho.  Desculpem, a coisa não é realmente auto-explicativa.  Enfim, se você clicar direto aqui, vão aparecer os meses em seqüência, a mesma nossa, claro.  Eu nasci em fevereiro, então, procuro o mês dois.  Chegando lá, clico no dia 5.  Os nomes das personagens e séries estão romanizados, assim como as séries.  É fácil.

POST ORIGINALMENTE DE 26/06/2015.

quarta-feira, 31 de julho de 2019

Para quem quiser ouvir o Shoujocast


Lá em 2009, eu decidi criar um podcast.  Começou de forma bem precária.  Aí, o amigo Anderson sugeriu um nome "Shoujocast".  Vieram companheiras, a Lina Inverse, depois a Tanko e, por fim, a Tabby e, bem, fizemos 52 programas.  Pouco, eu sei, mas as agendas desencontraram.  Sempre penso em voltar, mas ainda não houve como.  Bem, eu queria disponibilizar os programas, mas descobri que não tinha todos. Perguntei se a Lina tinha.  Ela organizou tudinho e disponibilizou para download (*AQUI*).  Tudinho, não, faltou o programa 52, então, coloquei no Youtube.



Eu parei para escutar um dos meus programas favoritos o duplo sobre Orgulho & Preconceito e foi um prazer muito grande ouvir a voz das amigas queridas e da convidada especial, a Adriana Salles.  Que conversa legal foi aquela.  Enfim, se você quiser relembrar, ou conhecer o Shoujocast, esta é a oportunidade.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Divulgando uma Vaquinha: Cirurgia de uma Gatinha


Pessoal, estou utilizando o espaço do Shoujo Café para divulgar a Vaquinha de um amigo.  Ele, que me deu duas das minhas gatinhas anos atrás (*Sookie e Yuripe*), tem uma gatinha de mais ou menos seis meses, a Fênix, e ela sofreu um acidente.  Enfim, ele achou que a bichinha tinha entrado embaixo do automóvel, mas ela estava dentro do motor, ou sobre o pneu (*quando resgatamos o Kalil ele tinha se agarrado dessa maneira ao nosso carro*) e acabou sofrendo uma fratura.  Ele já gastou mais de mil reais (*na página da Vaquinha ele dá o valor*) só com o primeiro atendimento.  Tudo em Brasília é caro e os atendimentos públicos, ou de faculdades de veterinária, são disputadíssimos.  

Enfim, a gatinha precisa de uma cirurgia e ele precisa levantar R$ 3.800,00.  Sugeri que abrisse uma vaquinha e eu ajudaria a divulgar. Ele não tem experiência nessas coisas, eu colocaria a foto da gatinha, por exemplo, e está envergonhado. Fiz minha doação (*ela entra na segunda-feira*), meu marido fez outra, certamente outros amigos irão colaborar, mas se você quiser dar alguma ajuda, seremos muito gratos.  E se for de Brasília, quem sabe, indicar um lugar onde ele possa levar a Fênix e os preços não sejam absurdos, a gente agradece MUITO.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Idol é atacada por dois stalkers e agência tenta esconder o ocorrido


O mundo dos idol no Japão, aqueles artistas (*normalmente*) jovens, que cantam, dançam, atuam, e tem sua vida controlada por agências e empresários não exerce fascínio sobre mim.  No geral, eu associo o “negócio” à exploração de mão-de-obra infantil, ou juvenil, machismo e outras práticas que de fascinantes nada tem.  Cada passo desses jovens é controlado de perto, nada pode gerar ofensa aos fãs, ou prejuízo para a companhia. Imagino que para cada idol bem-sucedido temos várias histórias de depressão, humilhações, suicídio e comércio sexual que raramente se tornam públicos. Pois bem, às vezes as coisas se tornam públicas e, em alguns casos, acabam atingindo os adultos que controlar a vida desses jovens.

O Sora News publicou o caso da idol Maho Yamaguchi, integrante de 23 anos do grupo NGT48 que vem causando comoção no Japão.  Em dezembro passado, a jovem foi atacada por dois fãs quando chegava em sua casa depois de uma apresentação.  Eles a agrediram e tentaram entrar em sua casa.  A moça conseguiu escapar sem maiores danos, mas ficou traumatizada.  Um mês de silêncio, nada foi divulgado, até que a moça veio a público em seu Twitter contar sua história.  A história pode ser lida, também, no site Arama Japan.

Sofrendo de stress pós-traumático, ela questionou publicamente o fato dos dois agressores terem sido levados para a delegacia e liberados sem que nenhuma queixa fosse registrada contra eles.  A agência, a AKS, permaneceu em silêncio, mesmo após a moça ter se desculpado (!!!!!) com seu público por ter gerado uma comoção desnecessária.  Parece que os fãs e a imprensa não ficaram satisfeitos, na verdade, isso gerou ainda mais comoção e cobrança de explicações.  O ataque foi em 8 de dezembro e em 14 deste mês, a agência se pronunciou finalmente.



Takumi Matsumura, uma espécie de porta-voz da AKS, junto com os executivos Maiko Hayakawa e Tsuyoshi Okada, fizeram uma conferência de imprensa parasse desculpar por não terem sido capazes de proteger Yamaguchi.  Além disso, o empresário do grupo desde sua formação, em 2015, Etsuro Imamura, entregou seu cargo, demitindo-se.  Maiko Hayakawa, que exerceu a mesma função semelhante em outros grupos (AKB48, SKE48 e STU48) assumiu o cargo.

O fato é que o que os executivos queriam esconder, sacrificando a saúde mental de Maho Yamaguchi, é que seu endereço foi revelado aos fãs por outros membros do grupo.  Sabe enredo pronto de novela?  Intrigas, inveja, rivalidade... Os fãs começaram a aventar que as evolvidas são Marina Nishigata e Ayaka Tano, ambas deixaram de seguir Yamaguchi no Twitter logo após o ataque.  Nishigata teve que entregar o seu celular para a polícia.  A AKS se comprometeu a aumentar a segurança do grupo e proteger as moças de situações semelhantes.  

A idol e o empresário.
Enfim, todo o sistema que explora essas meninas e meninos é terrível.  Esse não é o primeiro caso de violência por parte de fãs fanáticos, em alguns casos doentes, mas em outros, simplesmente criminosos tarados, contra essas meninas.  Também não é o primeiro caso, nem será o último, em que as moças são tratadas como um investimento e submetidas à humilhações para manter o seu valor em um mercado muito competitivo.  Meninos também são explorados, mas meninas são mais vulneráveis.  

Um rapaz dificilmente correria o risco de ser estuprado, ou morto, por duas fãs que, eventualmente, tivessem acesso ao seu endereço.  Esses são riscos que todas as mulheres correm, faz parte das regras do patriarcado se apropriar das mulheres que “não tenham dono”.  Uma moça sozinha, à noite, por exemplo, está pedindo para ser abordada. De resto, recomendo Perfect Blue, o filme animado continua sendo mais que atual em nossos dias.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Comentando Homem-Aranha: No Aranhaverso (EUA, 2018)


Quinta-feira passada, assisti Homem-Aranha: No Aranhaverso (Spider-Man: Into the Spider-Verse), comecei a escrever a resenha, mas parei diversas vezes e, por isso, o texto só saiu quase uma semana depois.  Quem acompanha o blog, sabe que não sou leitora regular de comics, mas costumo assistir a maioria dos filmes lançados no cinema.  Sabia dessa história de múltiplos universos com vários homens-aranha, porque meu marido tinha comentado, já que ele gosta da Spider-Gwen, ou, pelo menos, do visual do uniforme dela.  

Nem sabia do filme do filme do Aranhaverso até tropeçar no trailer e a Júlia (*minha filha de 5 anos*) decidiu que tinha que assistir de qualquer jeito.  Nesse meio tempo, Aranhaverso venceu o Globo de Ouro de animação, desde que comecei a resenha, o Critics' Choice Award.  Caminha com segurança para se tornaro primeiro filme de Super-Herói a receber um Oscar de Melhor Animação.  Tendo assistido ao filme, só posso afirmar que a vitória foi justa e que Aranhaverso merece toda a atenção e reconhecimento.  Wifi Ralph é fofo, mas o Aranhaverso é um filme completo.


Apenas um menino.
Resumo rápido da história é o seguinte: Miles Morales é um adolescente de classe média pressionado para atender às expectativas de seus pais, que o obrigam a estudar em um colégio interno de elite.  O menino gosta de grafitar e busca apoio no tio, Aaron.  O pai do rapaz, um policial, suspeita do Homem-Aranha e Miles termina por ser picado por um inseto radioativo em uma das suas escapadas para grafitar com o tio e ganha poderes semelhantes aos do amigo da vizinhança. 

Sem que o rapaz planeje, ele acaba cruzando com o próprio Homem-Aranha, que está tentando frustrar um dos planos do Rei do Crime que pretende esgarçar as fronteiras do espaço-tempo e ter acesso a outras dimensões.  O Homem-Aranha morre em combate, mas antes entrega para Miles um pendrive com um programa capaz de parar a máquina do Rei do Crime.  Morto o super-herói, Miles precisa se tornar o novo Homem-Aranha e salvar não somente o Brooklyn, ou a Terra, mas várias Terras.  Só que o garoto descobre que não está só, quando a arma foi acionada, vários Homens-Aranhas de dimensões paralelas terminaram vindo parar na sua linha temporal.  Eles são aliados, o tempo trabalha contra todos, e, se falharem, todos serão destruídos.


Mentor e discípulo.
Acredito nunca ter visto uma animação que dialogasse tão bem com o cinema convencional, com atores de verdade, e os quadrinhos.  Em certos momentos, parece que estamos lendo um comic book com direito às onomatopeias e balões.  Em outras sequências, a animação parece um filme live action.  Eu não vou conseguir achar a referência, mas lembro quando começou a Dreamworks, muito tempo atrás, eu sou velha, que saiu uma entrevista com Steven Spielberg na qual ele afirmava que a animação permitia que universos fossem criados e destruídos com facilidade, permitia, enfim, que você fizesse qualquer coisa com recursos mais limitados.  Aranhaverso é o melhor exemplo disso.  O resultado é realmente impactante.

Outra coisa que o filme faz muito bem é mesclar estilos de animação diferentes.  O Porco-Aranha (Peter Porker) parece saído de um desenho antigo da Warner com Patolino e Pernalonga. Há até uma piada com isso.  O que poderia tirar seriedade do filme, a existência de um ser tão irreal, não teve impacto negativo algum. Já Peni Parker e seu mecha-aranha saíram direto de um anime.  Já o Aranha Noir nos remete às tirinhas de jornais dos anos 1930, como as que eram feitas por Will Eisner.  Ele é uma referência direta ao The Spirit, na minha opinião.  Enfim, o filme do Aranhaverso nos oferece além desse deleite visual, uma história consistente, não somente a de Miles Morales, mas a da recuperação do Homem-Aranha original, no filme, um homem de 40 anos frustrado com suas escolhas.

Tentando encontrar a sua própria identidade.
Com a morte do Peter Parker do universo de Miles Morales, um jovem bem sucedido de 27 anos, é  o Homem-Aranha original que assume a tutoria de Miles contra a sua vontade.  O garoto, um gênio que conseguiu bolsa em uma escola de elite, um internato em plena Nova York, algo que vem a calhar para que ele possa dar suas escapadelas, já que seus pais são super protetores.  Nenhum super-herói consegue agir com pai e mãe no seu encalço.  Já o Homem-Aranha original, fora de forma e ainda apaixonado pela ex-esposa, Mary Jane, precisa redescobrir o lado bom de ser o super-herói.  Ele ajuda Miles, que se torna de fato o Homem-Aranha de seu universo, enquanto é ajudado a recomeçar sua vida.

Miles está descobrindo os seus poderes e tendo sérias dificuldades em dominá-los.  É, também,um menino.  Deve ter 15 anos, Peter Parker e Gwen temem por sua vida.  Absolutamente dependente dos pais e da sua aprovação.  Ele precisa crescer, definir que tipo de herói deseja e pode ser.  Qual o uniforme que irá utilizar.  O mesmo do Homem-Aranha original? por tudo o que vimos nesse filme, a Marvel tem em mão a possibilidade de criar muito material em cima do Arranhaverso e não somente com Miles.

Sentido de aranha.
A outra versão do Aranha que tem uma história e participação de destaque é Gwen Stacy.  Ao ser trazida para o universo de Miles, que não é o nosso, por assim dizer, há um descompasso na temporalidade.  Sua história particular é rascunhada – ela foi amiga do Peter Parker de seu universo, só que nele, foi a moça a picada pela aranha. Assim  como no universo de Miles, Peter Parker morreu e a jovem não consegue confiar integralmente em ninguém.  No entanto, ela tem plena consciência de que precisa unir forças com os demais Aranhas e impedir que o Rei do Crime (*não vou revelar os motivos*) destrua os universos para satisfazer um interesse pessoal, que não é econômico, nem tem a ver com poder.  

Em Aranhaverso, o vilão também tem um papel importante na história.  Ele é muito melhor do que a maioria dos vilões dos filmes da Marvel.  Quem acompanha minhas resenhas, sabe que eu elegi o vilão do último filmes do Homem Aranha o melhor vilão, seguido de Loki no primeiro Vingadores.  Depois, acrescentaria o vilão do Pantera Negra à lista.  Eu não assisti O Soldado Invernal, nem os filmes do Homem-Formiga, então, não tenho como avaliá-los. De qualquer forma, há mais dois vilões no Aranhaverso, o Gatuno (Prowler) e a Dr.a Octopus.  Eu não sabia que no universo de Miles, o vilão era uma mulher.  De qualquer forma, dos três vilões, ela é a menos interessante, porque é o cientista louco-malvado clichê, sem nada a acrescentar aqui.


O desejo do Rei do Crime pode levar à
destituição do universo. 
A função dos outros três Aranhas é limitada.  Alívio cômico, alguma fofura, certo ar ingênuo e, na batalha final, especialmente graças à Peni, aquele drama que enriqueceu a sequência inteira.  De qualquer forma, foi uma escolha interessante dos responsáveis pelo filme, limitarem a seis o número de Aranhas, já que há muitos mais no Aranhaverso.  Outra boa escolha, foi dar destaque maior para três deles.  Sim, outra personagem feminina de destaque é Tia May.


E estou acostumada a ver a tia de Peter Parker como uma velhinha fofinha.  A Tia May de Homem-Aranha de Volta para Casa, jovem e fogosa, me incomodou. Essa do Aranhaverso, transformada em uma espécie de Alfred (*Mordomo de Batman*) de um Home-Aranha rico e cheio de bugigangas, me pareceu realmente estranha.  Houve muita gente que gostou, junto com a Dr.a Octopus clichê, foi a outra coisa que me incomodou no filme.  OK, fazer o quê?  O filme tem muito mais acertos do que defeitos, muito mais!  E cumpre a Bechdel Rule consegue ser um filme no qual as mulheres são importantes e estão bem representadas.

Batalhas convincentes.
Concluindo, se você for adulto e tiver uma sala legendada perto de você, assista no original, porque o elenco de dubladores é MARAVILHOSO.  Em Brasília, eu teria como assistir o original, já no Rio... Outra coisa, há duas cenas pós-créditos, a primeira, é uma homenagem rápida à Stan Lee, que aparecem uma cena do filme, e Steve Ditko, criadores do Homem-Aranha e ambos falecidos em 2018.  A  outra cena é depois dos créditos, eu acabei saindo, e é com o Homem-Aranha 2099, ele é dublado por Oscar Isaac no original.  Enfim, por último, eu entendi a crítica que fizeram ao filme Homem-Aranha de Volta ao Lar.  Se pegaram tantos elementos de Miles Morales, por qual motivo o novo Aranha não era o próprio, um ator negro-latino.  De qualquer forma, eu gosto muito do Tom Holland e nada tenho a reclamar a respeito.

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Novo anime de Fruits Basket estreia em abril


Como a gente já desconfiava, Fruits Basket (フルーツバスケット) estreia na temporada de abril.  Pelo que descobri, a informação estava na última edição da revista NewType.  Embora não cite a revista, o site Otaku PT, que deu essa informação, usou scans da revista.

Não há nada mais parecido com um machista de direita do que um machista de esquerda


Esse vai ser um texto curto, minha conexão está horrorosa e tenho a resenha do Aranhaverso para terminar.  Enfim, apareceu, ontem, ou hoje, mais um daqueles vídeos deliciosos da ministra Damares.  Já escrevi no Facebook, não sei que aqui, também, que muitos outros vídeos irão aparecer, afinal, ela passou mais de dez anos viajando por aí com dinheiro público para pregar ódio, mentiras e tudo mais em igrejas cuja audiência parece com a dos programas do Sílvio Santos.  Sério, a qualidade dos cultos, porque, normalmente, ela está em cultos, já foi muito  mais elevada. 


Pois bem, Damares, com muito entusiasmo, estava trazendo a palavra (*o termo é esse*) em um culto que parecia ser somente para mulheres.  O vídeo está aí em cima.  Resumindo, todas as feministas são feias. Nenhuma delas arranja macho (*sério, a ideia é essa*).  Diferente das irmãs presentes.  Esse papo é antiquíssimo, dividir mulheres entre feias e bonitas para desqualificá-las é lugar comum,  e a gente deveria asistir, rir e se preparar para a guerra, porque Damares é uma profissional, ela só parece doidinha, talvez precise de acompanhamento de profissionais da saúde, sim, mas ela sabe muito bem qual é  sua audiência e como persuadi-la.  Ela não é a "ministra da cortina de fumaça", como já li por aí. Não foi escolhida para ser uma das duas mulheres do primeiro escalão do governo por pouca coisa.  Ela é "um dos caras", podem acreditar. Curiosamente, o vídeo mais importante,  que teve impacto direto nas eleições,  porque essa ideia foi usada politicamente, a de que os gays querem proibir a Bíblia , passou batida. Comentar beleza feminina é mais relevante.


Mas eis que os esquerdomachos (*termo carinhoso que a internet inventou para os machistas de esquerda*) precisavam defender suas mulheres, ou, pelo menos, atacar a  ministra.  Imaginativos como só, afinal, eles  foram forjados no mesmo barro dos outros machistas, começaram a pegar fotos de mulheres feministas dentro dos padrões de consumo atuais e fazer montagens com Damares.   Mulheres são seus corpos, seus rostos, precisam ser jovens, ter a cor certa, estar disponíveis ao olhar masculino, o resto não importa.  Damares é somente uma velha feia e recalcada, por isso, não desejável.  Quem é ela para falar que as "nossas" feministas" não são gostosas? É preciso defendê-las!  Afinal, como fica a nossa imagem se saem por ai dizendo que "nossas" mulheres são feias?


Houve gente que disse que a atitude desses homens deu a vitória para Damares. Não sei em qual competição.  De besteirol?  De conceitos equivocados sobre as mulheres e a  felicidade?  O fato é que as esquerdas precisam ser menos complacentes com esse pessoal, mas a prioridade não é gênero, não é raça, é classe, é a revolução.  E esperem sentados pela revolução e, caso ela venha, pela igualdade entre homens e mulheres, entre pessoas cis e trans, pela igualdade racial.  Não com esse tipo de ser humano e esse tipo de homem de esquerda em especial.  Por isso,escrevo mais uma vez, é preciso educar tanto homens, quanto mulheres, para que possamos construir um mundo melhor, sem mulheres como Damares e sem homens que fiquem separando as mulheres segundo o seu gosto particular.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Bons motivos para assistir Cordel Encantado


Hoje, a Globo começa a reexibir Cordel Encantado. Nem me lembrava que ela já havia sido exibida fazia tanto tempo. Vou listar alguns motivos para você assistir Cordel Encantado,  olha só:

As autoras, Duca Rachid e Thelma Guedes  fizeram um belo trabalho mesclando literatura de cordel, história, fantasia. É uma novela que se destaca pelo texto é pela imaginação e, nesse aspecto, ela trouxe um sopro de novidade para o horário das 18h. E a direção de Amora Mautner foi mais que perfeita.


Saudades de Domingos Montagner .
Não deixam o rei malvado psicopata se criar. No primeiro capítulo, a personagem de Thiago Lacerda leva um tiro de um soldado que entende bem que precisa fazer história e se livrar do tirano.

É a estreia de Domingos Montagner na TV.  E que estreia! O Capitão Herculano, com sua beleza rústica, é uma das melhores coisas da novela. Como cangaceiro, ele não é bom, nem é mau, tenta ser justo.


O bando de cangaceiros tinha atores talentosos.
O elenco é excelente e mesmo que eu não goste da Bianca Bin nessa novela, é possível ver o quanto ela melhorou desde Cordel Encantado. Então , vale para confirmar que ela tinha talento e vem crescendo e aparecendo ao longo da carreira.

O vilão maior da trama é lixento,  uma boa surra resolveria o problema de Timóteo (Bruno Gagliasso), porém,  quem se importa com ele quando as outras tramas são tão boas?


Luiza Valdetaro era minha mocinha favorita na novela.
Há amores realmente proibidos e sofridos por motivos de classe social,  raça, enfim. E não estou falando dos protagonistas. A Açucena de Bianca Bin e o Jesuíno de Cauã Reymond são difíceis de aturar.

A trilha sonora é tudo de bom.  O figurino idem. Aliás, ele mistura várias influências e épocas diferentes, povos diferentes e o efeito é belíssimo.


O rei e sua nova rainha.
Carmo Dalla Vecchia não faz papel de psicopata na novela. Ele é um cara legal.  É lamentável que alguns atores fiquem marcados por um tipo de papel.  Cordel Encantado deu uma oportunidade para o Dalla Vechia fazer diferente.

Doralice e Felipe! Eu passei a assistir a novela por causa deles e, para mim, o melhor casal da novela é o formado pela donzela guerreira e pelo príncipe que sempre se veste de preto. 


Nathalia Dill em seu melhor papel.
Nathalia Dill  e Jayme Matarazzo estão ótimos. A novela vale por eles.