terça-feira, 31 de dezembro de 2019

Quer saber qual personagem de anime divide o aniversário com você? Este site pode lhe ajudar!


O  Rocket News 24 trouxe informações sobre um site  japonês (*sim, alguma informação romanizada, mas basicamente é em japonês mesmo*) com um arquivo de mais de 10 mil aniversários de personagens de anime.  Agora é fácil saber quem faz aniversário no mesmo dia que você. :) Enfim, é divertido dar uma olhada nele e há personagens clássicas, também, porque Oscar (A Rosa de Versalhes) está junto com o Levi (Shingeki no Kyojin) e a Mei Tachibana (Suki-tte Ii na yo) em 25 de dezembro... E tem muito mais personagem de anime que faz aniversário nesta data.  Vale a pena dar uma olhadinha, é divertido. :)  O endereço é este aqui.  

Percebi que tem gente perdida sem conseguir achar o caminho.  Desculpem, a coisa não é realmente auto-explicativa.  Enfim, se você clicar direto aqui, vão aparecer os meses em seqüência, a mesma nossa, claro.  Eu nasci em fevereiro, então, procuro o mês dois.  Chegando lá, clico no dia 5.  Os nomes das personagens e séries estão romanizados, assim como as séries.  É fácil.

POST ORIGINALMENTE DE 26/06/2015.

quarta-feira, 31 de julho de 2019

Para quem quiser ouvir o Shoujocast


Lá em 2009, eu decidi criar um podcast.  Começou de forma bem precária.  Aí, o amigo Anderson sugeriu um nome "Shoujocast".  Vieram companheiras, a Lina Inverse, depois a Tanko e, por fim, a Tabby e, bem, fizemos 52 programas.  Pouco, eu sei, mas as agendas desencontraram.  Sempre penso em voltar, mas ainda não houve como.  Bem, eu queria disponibilizar os programas, mas descobri que não tinha todos. Perguntei se a Lina tinha.  Ela organizou tudinho e disponibilizou para download (*AQUI*).  Tudinho, não, faltou o programa 52, então, coloquei no Youtube.



Eu parei para escutar um dos meus programas favoritos o duplo sobre Orgulho & Preconceito e foi um prazer muito grande ouvir a voz das amigas queridas e da convidada especial, a Adriana Salles.  Que conversa legal foi aquela.  Enfim, se você quiser relembrar, ou conhecer o Shoujocast, esta é a oportunidade.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Divulgando uma Vaquinha: Cirurgia de uma Gatinha


Pessoal, estou utilizando o espaço do Shoujo Café para divulgar a Vaquinha de um amigo.  Ele, que me deu duas das minhas gatinhas anos atrás (*Sookie e Yuripe*), tem uma gatinha de mais ou menos seis meses, a Fênix, e ela sofreu um acidente.  Enfim, ele achou que a bichinha tinha entrado embaixo do automóvel, mas ela estava dentro do motor, ou sobre o pneu (*quando resgatamos o Kalil ele tinha se agarrado dessa maneira ao nosso carro*) e acabou sofrendo uma fratura.  Ele já gastou mais de mil reais (*na página da Vaquinha ele dá o valor*) só com o primeiro atendimento.  Tudo em Brasília é caro e os atendimentos públicos, ou de faculdades de veterinária, são disputadíssimos.  

Enfim, a gatinha precisa de uma cirurgia e ele precisa levantar R$ 3.800,00.  Sugeri que abrisse uma vaquinha e eu ajudaria a divulgar. Ele não tem experiência nessas coisas, eu colocaria a foto da gatinha, por exemplo, e está envergonhado. Fiz minha doação (*ela entra na segunda-feira*), meu marido fez outra, certamente outros amigos irão colaborar, mas se você quiser dar alguma ajuda, seremos muito gratos.  E se for de Brasília, quem sabe, indicar um lugar onde ele possa levar a Fênix e os preços não sejam absurdos, a gente agradece MUITO.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Japonesas escolhem o seu "homem ideal" dos mangás


O Livedoor publicou os resultados de uma pesquisa feita com 326 mulheres da adolescência até a casa dos 30 anos.  Achei curioso é que a pesquisa parece ser de 2013, mas publicaram no dia 10 de janeiro desse ano (*fui checar a data*).  Imagino que o 2013 esteja errado, enfim.  Mas por qual motivo a Valéria está publicando?  Simples! O top 9 está lindo e me faz acreditar que perguntaram para essas mulheres qual o homem ideal de shoujo mangá, porque nunca iria dar um resultado desses se não fosse.  Fiquei feliz, também, do Naoki Irie (Itazura na Kiss), não estar na lista.  Parece um milagre.  E outra coisa, a maioria deveria estar nos 30 anos, as adolescentes devem ser minoria.  Vamos então para a lista linda. 😊


1. Shouta Kazehaya (Kimi ni Todoke) - Ele é o namorado ideal para as adolescentes, segundo os comentários da pesquisa.


2. Chiaki Shinichi (Nodame Cantabile) - Segundo os comentários, ele seria o homem estável, que consegue servir deporto seguro para uma mulher que viva nas nuvens.  Sei, não, mas, enfim... 


3. Yuu Matsuura (Marmalade Boy) - Parece que ele é o sujeito misterioso e um tanto frio que fascina as mulheres.  


4. Tsukasa Doumyouji (Hana Yori Dango) - OK, ele é orgulhoso.  Ele é fascinante.  Ele é um tanto egoísta.  Mas elas gostam dele. 


5. Masumi Hayami (Glass Mask) - "Ele parece frio, mas na verdade é apaixonado e fascina as adolescentes.", foi um dos comentários.  Ele parece insensível, mas lhe apoia sem que você saiba.", disse outra.  Mr. Darcy é a personagem mais próxima dele, na minha opinião.


6. Tuxedo Mask (Sailor Moon) - A maioria falou que ele é o sujeito que solta as frases galantes quando você precisa e ainda lhe joga uma rosa vermelha.  OK, é mais ou menos isso que ele faz na série mesmo. 


7. Shun Makabe (Tokimeki Tonight) - Gentil e que sempre ajuda em caso de emergência.  Mesmo que você tenha se metido na encrenca, feito algo errado, ele vai lhe estender a mão.


8. Shinobu Morita (Honey & Clover) - O sujeito esquisito e fascinante, ousado e que irá desafiar  o seu bom senso.  É isso aí mesmo.

9. André Grandier (Rosa de Versalhes) - O homem que continua amando, mesmo que a mulher não o note, cujos sentimentos são sólidos e indestrutíveis.  "Ele escolheu proteger Oscar, ao invés da sua própria vida...", disse uma mulher de mais de 30 anos. 

P.S.: Essa última imagem do André é um fanart de uma pessoa que assina como Kodemari (*eu acho*).  Ela dominou o traço clássico da Ikeda  na Rosa de Versalhes e o reproduz melhor que a própria autora.

Riyoko Ikeda desenha imagens de propaganda do filme Yuki no Hana


Yuki no Hana (雪の華) é um dos filmes mais esperados do Japão e estreará em tempo para o Dia dos Namorados (*14 de Fevereiro*), a história tem como protagonista uma jovem, Miyuki Hirai (Ayami Nakajo), que sempre teve uma saúde frágil desde a infância.  Sentindo que seus dias estão contados, ela renova as esperanças de poder realizar um sonho, viajar até a Finlândia e ver as "Luzes do Norte", a Aurora Boreal.  Um dia, ela é assaltada e termina sendo acudida por Yusuke Watabiki (Hiroomi Tosaka), um jovem um tanto abrupto e direto, cujo sonho é ser  um artesão especializado em gelo. 


O filme será  lançado no dia 1 de fevereiro e Riyoko Ikeda foi convidada para desenhar ilustrações de propaganda do filme.  É o traço atual dela, bem distante do que era no tempo da Rosa de Versalhes (ベルサイユのばら).  Não sei se haverá um mangá baseado no filme e se Ikeda irá desenhá-lo.


O diretor do filme é Kojiro Hashimoto (Orange) e o filme foi inspirado em uma música de  Mika Nakashima lançada no ano passado.  A artista compôs a música do filme,também.

Atualização sobre o caso da Idol atacada


A Tati Evangelista me enviou uma mensagem comentando o caso da Idol Maho Yamaguchi.  Como não sou especialista em idols e coisas do gênero, pedi para publicar a mensagem que ela me mandou elucidando alguns aspectos do caso.  Segue a mensagem:

"Oi, Valéria. Tudo bem?

Então... acabei de ver o seu post no blog sobre a idol. O lance da Maho, o buraco é mais embaixo:

1) os caras que atacaram NÃO SÃO FÃS DELA
2) segundo informações ainda não confirmadas, existia um 3º envolvido no dia
3) os caras que a atacaram disseram que alguém do grupo havia informado à eles a hora que ela estaria em casa, o local e tudo mais (logo, foi algo premeditado)
4) embora não se saiba quem seja(m) a(s) integrante(s) envolvida(s) com o vazamento dessas informações, a própria staff JÁ CONFIRMOU que teve envolvimento de outra(s) integrante(s).
5) ela só veio à publico falar sobre o caso porque a staff do grupo (que em uns lugares falam que ele renunciou o posto de manager, outros já falam que ele foi removido) prometeu tomar providências e nada fez
6) há um rumor de que, na época, ela deu muitos unfollows em integrantes do grupo em sua conta do twitter. Logo que o ataque veio à tona, especularam que houve alguma espécie de desentendimento entre a Maho e essas integrantes que ela deu unfollow e isso tenha motivado o tal ataque à ela
7) ela começou a falar isso num show-room (um serviço de livestream bem famoso entre artistas japoneses, principalmente idols) e acabou sendo cortada ao vivo, em apenas 4 minutos de transmissão. Devido à esse corte, ela veio ao twitter para falar sobre.
😎 Rino Sasshihara, também integrante de um dos grupos 48 e que vai graduar do grupo dentro de alguns meses, veio à publico defender a Maho e criticar a staff também (o que aconteceu com a Sasshi foi a razão de eu ter parado de acompanhar esses grupos 48: forjaram um escãndalo pra cima dela no passado e ela foi forçada a admitir, em um programa de TV de bastante audiência, que tudo o que estava no tablóide,  que é o oposto da sua autobiografia publicada cerca de 2 anos antes, era verdade. Pela forma que ela estava na hora que admitiu essa "verdade", mostrou claramente que ela foi forçada a dizer aquilo, possivelmente para salvar a pele da staff do grupo, da editora que publica o tablóide e do jornalista, já que as penas para fake news lá são severas. Ela, eu vou acompanhar. Os grupos 48, não faço questão alguma de ouvi-las)

Acho que é só. 

Se eu lembrar de mais alguma coisa, eu te aviso 😉 

Forte abraço! o/"

Comentando Namae wo Nakushita Kikoshi (One Night with a Rake)


Esta semana minha internet estava péssima.  De férias, longe de casa, as oscilações são frequentes.  O que eu fiz?  Por conta das comemorações dos 40 anos da Harlequin no Japão, acabei tendo vontade de ler uns mangás adaptados desses romances populares, baratos, que, aqui, no Brasil, eram lançados nas bancas de jornal.  Outra coisa que me estimulou foi descobrir que alguns desses mangás já estão disponíveis na Amazon em português.  Todos os que vi são contemporâneos.  

Quando escolho um mangá Harlequin, normalmente, tenho dois critérios, tem que ser de época e a desenhista tem que ser boa.  Exceção para a Yoko Iwasaki que sempre desenha maravilhosamente bem e faz uns homens lindos.  A maioria, como já escrevi algumas vezes, não é, faz trabalho preguiçoso.  Comprei três mangás.  Um deles agradou-me tato que me fez comprar o livro, também, então, ele passou para o fim da fila.  A resenha que estou escrevendo é do segundo que li, o mais fino, porque os demais eram em dois volumes.  Vamos lá!


Sozinha com um estranho.
Com certeza, há algo de indecente nisso.
O playboy tinha perdido a memória ... A linda viúva Amanda Clare acordou em uma cama estranha, deitada ao lado de um homem desconhecido, alto, moreno e bonito! Vítimas de um acidente de diligência, eles foram resgatados e presumiu-se que eles eram casados - razão suficiente para colocá-los no mesmo quarto e na mesma cama! Amanda não sabia quem era o homem, mas, o intrigante é que ele também não! O obviamente rico senhor tinha perdido a memória e nenhum dinheiro no bolso. Agora Amanda se sentia obrigada a tomar o estranho lindo sob sua asa e continuar fingindo que eram marido e mulher.

O nome em japonês do mangá Namae wo Nakushita Kikoshi (名前をなくした貴公子)  significa mais ou menos "O Nobre que não sabia seu nome".  No original, a ênfase está no ponto de partida da história, isto é, a mocinha tomar o herói por um sujeito de caráter duvidoso, um "rake".  O termo não é mais usado nos dias de hoje e significa "homem, especialmente rico e de alta posição social, que vive de forma imoral, normalmente relacionando-se com várias mulheres".  Usei "playboy" no resumo, mas foi um uso impreciso.  Não lembrei de outro para fazer o ajuste.


Recobrando a memória.
O livro original de Louisie Allen está esgotado, ele é de 2003.  Não tem edição Kindle, ao que parece, e só está disponível usado.  Por conta disso e devido a precariedade da minha internet, ão consegui descobrir se a história se passa durante a Regência (1811-1820), especialidade dela, ou depois.  O fato é que a mangá-ka, Karin Miyamoto desenhou roupas femininas que, aos meus olhos, parecem mais da segunda metade dos anos 1820 para frente. Mas, como está na coleção Regência, não tenho o que discutir.  Queria saber se esse livro foi publicado no Brasil.

O desmemoriado do livro não é um "rake", mas a mocinha o julga dessa forma e ele, veremos mais tarde, tenta passar essa ideia.  Há duas tramas, uma desenvolvida de forma satisfatória, a da  viúva inocente, que é assediada pelo sobrinho e herdeiro de seu marido idoso.  O velho lhe deixou propriedades e o sobrinho se sente roubado de algo que deveria ser seu.  Ele quer se casar com ela e usa de meios violentos para isso.


Ele parte intempestivamente.
A jovem Amanda é obrigada a viajar sozinha com um homem jovem e desconhecido, o tal "rake" do título. Sua acompanhante precisou ficar com a mãe doente. Avaliando por suas roupas, ela imagina o que um cavalheiro de alta posição estaria fazendo em um coche de aluguel.   Ela o avalia por sua atitude e roupas.  Acontece um acidente, ele a protege e se atira com ela do veículo.  Daí, os dois acordam na mesma cama.  Amanda decide confirmar as conclusões da dama da estalagem para evitar um escândalo maior e confirma que são casados.

Ela se sente grata ao homem, a única coisa que lhe serve de identificação é um anel com a letra "J".  Daí, ela o chama de Jay, a leitura da letra "J" em inglês, e decide lhe oferecer um emprego em uma das suas estalagens.  Assim, poderia ajudar o moço até que se recordasse.  Ele só se lembra de uma moça loura e bela de eu passado.  Amanda sofre, porque acredita  que Jay seja casado, que tenha filhos e coisa e tal.  ao longo da trama, descobrimos que não é nada disso e teremos um final feliz.

Custava explicar melhor a história?
A outra trama envolve uma investigação de contrabando feita por gente da alta nobreza e um lorde que promove orgias.  Ele está noivo da prima adolescente de Jay e ele quer salvá-la.  Claro que Amanda e a jovem se cruzam e ela chega à  conclusões equivocadas.  A frieza de Jay, depois de retomar sua memória, parece confirmar as certezas equivocadas da heroína.  No fim das contas, essa trama de intriga e orgias fica meio mal explicada.  Com um pouco mais de páginas, talvez.

Curiosamente, apesar de ter essa trama de orgias, que é bem pesada, o mangá não tem sexo, há uma cena de semi-nudez do mocinho para sugerir que Amanda se ão é virgem, deve ser quase.  De resto, é uma história leve, romântica e censura livre.  Não há, preciso ressaltar, nada de feminista na trama.  Amanda é a típica donzela em perigo, só que inteligente, de bom coração e capaz de tomar atitudes, nem sempre acertadas.  Mas por qual motivo Jay era tão reticente?  Se ele fosse mais claro... 


A armadilha.
Um pouco de ação.
Já a prima de "J", que tem pouco de  inocente, ou talvez seja inocente e usada por homens mais velhos e pervertidos, acaba sendo punida e é um castigo bem tradicional e que reforça preconceitos sobre conventos e vida religiosa, afinal, ela é mandada para  um deles temporariamente.  Não há maiores detalhes.  Não tenho nem como comprar o livro, que foi publicado originalmente pela Mills & Boon, braço inglês da Harlequin, ou talvez até tenha, mas não sei se quero gastar com ele. 

Normalmente as japonesas que adaptam os livros não somente tem que resumir os acontecimentos por necessidade de espaço, elas não raro fazem alterações drásticas mesmo.  Inserem coisas, retiram coisas.  Se  o mocinho tem barba no livro, esteja certa que não terá no mangá.  Japonesas normalmente não veem barbas como algo atraente, ou, pelo menos, já se tornou canônico nos mangás que galãs não tenham barba.  


Happy End.
Já li um mangá baseado em um livro de Deborah Simmons em que a autora inseriu uma cena machista que não estava no original.  Eu li os dois.  No último livro da saga De Burgh, não havia sexo e a desenhista horrorosa (*como eu odeio terem dado para Nanao Hidaka a tarefa de desenhar essa série*), desenhou uma cena de sexo.  Enfim, é isso.  O mangá é bom.  Bonitinho.  Bem desenhado.  Agradável.  Pena que ninguém se interesse por lançar os mangás Harlequin no Brasil.  Para comprar o volume que resenhei em inglês, é só clicar aqui.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Idol é atacada por dois stalkers e agência tenta esconder o ocorrido


O mundo dos idol no Japão, aqueles artistas (*normalmente*) jovens, que cantam, dançam, atuam, e tem sua vida controlada por agências e empresários não exerce fascínio sobre mim.  No geral, eu associo o “negócio” à exploração de mão-de-obra infantil, ou juvenil, machismo e outras práticas que de fascinantes nada tem.  Cada passo desses jovens é controlado de perto, nada pode gerar ofensa aos fãs, ou prejuízo para a companhia. Imagino que para cada idol bem-sucedido temos várias histórias de depressão, humilhações, suicídio e comércio sexual que raramente se tornam públicos. Pois bem, às vezes as coisas se tornam públicas e, em alguns casos, acabam atingindo os adultos que controlar a vida desses jovens.

O Sora News publicou o caso da idol Maho Yamaguchi, integrante de 23 anos do grupo NGT48 que vem causando comoção no Japão.  Em dezembro passado, a jovem foi atacada por dois fãs quando chegava em sua casa depois de uma apresentação.  Eles a agrediram e tentaram entrar em sua casa.  A moça conseguiu escapar sem maiores danos, mas ficou traumatizada.  Um mês de silêncio, nada foi divulgado, até que a moça veio a público em seu Twitter contar sua história.  A história pode ser lida, também, no site Arama Japan.

Sofrendo de stress pós-traumático, ela questionou publicamente o fato dos dois agressores terem sido levados para a delegacia e liberados sem que nenhuma queixa fosse registrada contra eles.  A agência, a AKS, permaneceu em silêncio, mesmo após a moça ter se desculpado (!!!!!) com seu público por ter gerado uma comoção desnecessária.  Parece que os fãs e a imprensa não ficaram satisfeitos, na verdade, isso gerou ainda mais comoção e cobrança de explicações.  O ataque foi em 8 de dezembro e em 14 deste mês, a agência se pronunciou finalmente.



Takumi Matsumura, uma espécie de porta-voz da AKS, junto com os executivos Maiko Hayakawa e Tsuyoshi Okada, fizeram uma conferência de imprensa parasse desculpar por não terem sido capazes de proteger Yamaguchi.  Além disso, o empresário do grupo desde sua formação, em 2015, Etsuro Imamura, entregou seu cargo, demitindo-se.  Maiko Hayakawa, que exerceu a mesma função semelhante em outros grupos (AKB48, SKE48 e STU48) assumiu o cargo.

O fato é que o que os executivos queriam esconder, sacrificando a saúde mental de Maho Yamaguchi, é que seu endereço foi revelado aos fãs por outros membros do grupo.  Sabe enredo pronto de novela?  Intrigas, inveja, rivalidade... Os fãs começaram a aventar que as evolvidas são Marina Nishigata e Ayaka Tano, ambas deixaram de seguir Yamaguchi no Twitter logo após o ataque.  Nishigata teve que entregar o seu celular para a polícia.  A AKS se comprometeu a aumentar a segurança do grupo e proteger as moças de situações semelhantes.  

A idol e o empresário.
Enfim, todo o sistema que explora essas meninas e meninos é terrível.  Esse não é o primeiro caso de violência por parte de fãs fanáticos, em alguns casos doentes, mas em outros, simplesmente criminosos tarados, contra essas meninas.  Também não é o primeiro caso, nem será o último, em que as moças são tratadas como um investimento e submetidas à humilhações para manter o seu valor em um mercado muito competitivo.  Meninos também são explorados, mas meninas são mais vulneráveis.  

Um rapaz dificilmente correria o risco de ser estuprado, ou morto, por duas fãs que, eventualmente, tivessem acesso ao seu endereço.  Esses são riscos que todas as mulheres correm, faz parte das regras do patriarcado se apropriar das mulheres que “não tenham dono”.  Uma moça sozinha, à noite, por exemplo, está pedindo para ser abordada. De resto, recomendo Perfect Blue, o filme animado continua sendo mais que atual em nossos dias.