domingo, 9 de maio de 2021

Sanditon volta para mais duas temporadas e sem o mocinho

Fiquei dois dias sem postar no Shoujo Café, porque estava entupida de trabalho, o meu trabalho formal, aquele que paga minhas contas.  Daí, gente me avisou que Sanditon terá uma segunda e terceira temporada.  Eu já tinha visto, mas não tive tempo de fazer posts nem ontem, nem anteontem.  Pois bem, para quem não sabe do que se trata, Sanditon é uma obra inacabada de Jane Austen com míseros 11 capítulos, que certamente seriam lapidados, e que a ITV decidiu transformar em série em 2019 com roteiro de Andrew Davies que nos deu coisas maravilhosas (*Orgulho & Preconceito, Emma, Wives and Daughters etc.*), mas anda metendo os pés pelas mãos ultimamente

Em Sanditon,  protagonista é uma jovem chamada Charlotte Heywood, pertencente ao grupo social de todas as mocinhas de Austen, a Gentry, mas empobrecida e membro de uma grande família.  Quando o casal Parker fica hospedado em sua casa por terem sofrido um acidente na estrada, ela recebe o convite para ir até Sanditon, um balneário terapêutico que deveria ser o mais brilhante empreendimento da Inglaterra.  Mr. Parker tem um irmão chamado Sidney que é descrito como fabuloso, mas que aparece somente nas ultimas páginas do manuscrito.

Mr. Parker tem duas irmãs solteironas e um irmão caçula, todos hipocondríacos e que veem em Sanditon um lugar de cura.  Lady Denham é a patrona do empreendimento e a mulher poderosa do lugar e há outras personagens no livro, uma delas, Miss Lambe, uma herdeira vinda das Índias Ocidentais e mestiça.  O potencial dessa personagem era imenso, mas Austen morreu e o livro ficou incompleto.  Ainda que mais de uma autora, porque foram mulheres em sua maioria, tenha terminado o livro, o original é só aquilo que Austen deixou, quem quer que cismasse de terminar a obra teria que desenvolver boa parte da história.

E veio a série e ela é tão cheia de problemas que eu não só consigo ver duas coisas de positivo nela.  A primeira é a relação entre Esther Denham (Charlotte Spencer), que é abusada por seu irmão, ou o que quer que ele seja, e Lord Babington (Mark Stanley), que se apaixona por ela e consegue, enfim, ajudar a moça a sair da relação tóxica com Sir Edward Denham (Jack Fox), a história deles teve princípio, meio e fim.  A outra coisa que se salva é o jovem aspirante à arquiteto, James Stringer (Leo Suter), que é o praticamente o único homem bonito do seriado que não apareceu pelado.  Só que Stringer é dispensado pela destemida mocinha descabelada (Rose Williams) que prefere o mocinho grosso e sempre com a barba por fazer.  

Eu realmente acho que essa série Sanditon é tudo, menos Austen, começando pelos diálogos, e Sidney Parker (Theo James) desse seriado nunca sairia da pena da autora.  E quando a série termina, mesmo com oito capítulos, nada está resolvido e era evidente que eles esperavam por uma segunda temporada, mas o sucesso na Inglaterra não foi o suficiente para que a cosia se efetivasse,  Aguardavam a recepção nos Estados Unidos.

Enfim, depois de muita pressão dos fãs, abaixo-assinados, campanhas, pedidos, teremos mais duas temporadas.  Sim, em cima de um material com ONZE CAPÍTULOS.  Davies não estará a frente do projeto, mas dará suporte para Justin Young, que assinou quatro capítulos da primeira temporada. Estavam todos os fãs da série comemorando esse feito, porque, sinceramente, é um feito, quando veio outra notícia, Theo James não retornará como Sidney Parker.  O que significa isso?  Os escritores da série terão que juntar a mocinha com Stringer, ou arrumar outro par romântico para ela.  Devo dar uma olhada, minha curiosidade mórbida vai me obrigar a isso, mas esperanças, não tenho.  Sanditon é ruim e dificilmente vai melhorar.

Eu falei muito da série no podcast Café com Jane Austen.  Os episódios estão disponíveis.  Os programas estão interrompidos desde o ano passado, acho que a pandemia acabou nos deixando tristes demais, mas ainda tenho esperança de retorno.  Se Sanditon vai voltar, porque não o Café com Jane Austen?

quinta-feira, 6 de maio de 2021

200 Anos de Napoleão Bonaparte e alguns mangás que falaram dele

Ontem, 5 de maio, foi aniversário de 200 anos da morte de Napoleão Bonaparte (1769-1821).   Napoleão nasceu na Córsega, foi enviado para a França aos nove anos, entrou na academia militar aos dez.  Quando explodiu a Revolução Francesa tinha seus vinte anos e era tenente de artilharia.  Napoleão adere à revolução, mas percebe quando mudar de lado, afastando-se dos jacobinos.  General aos 26 anos por mérito em um momento no qual a França estava sob ataque de potências estrangeiras, admirado por seus soldados, conhece Josephine, uma viúva da guilhotina, mais velha que ele e muito bem relacionada politicamente.  A esposa lhe apresenta as pessoas certas e Napoleão termina chegando ao governo com o Golpe de 18 de Brumário, em 9 de novembro de 1799, apoiado pela alta burguesia e pelo Exército.  

Como  cônsul, junto com outros dois companheiros, promoveu uma série de reforças que ajudaram a moldar o que é a França hoje, confirmou os direitos de propriedade da terra dos camponeses (*um dos grupos que mais passou a apoiá-lo*), fez as pazes com a Igreja Católica nas condições que bem desejou, derrotou os inimigos em terra, não conseguiu dobrar a Inglaterra nos mares, mas tentou, também, restaurar a escravidão nas colônias.  Tropas napoleônicas demoraram a ser derrotadas na França, mas levaram um pau no Haiti.  Nosso código civil deriva do Código Napoleônico, uma releitura racionalizada do direito romano que retirou muitos direitos das mulheres, para elas foi um retrocesso, além de ter reforçado o poder do pai sobre seus filhos, mesmo maiores de idade (25 anos).

Em 1804, Napoleão decide ser imperador e perde parte da sua fanbase, dentre eles, Beethoven (*acima no traço de Naoki Urasawa*), que tinha composto sua terceira sinfonia, a Eroica, em honra dele.  Em 1806, obrigou o derrotado Sacro Império Romano a se dissolver, o que alguns historiadores veem como as sementes tanto da unificação da Alemanha, quanto da 1ª Guerra Mundial.  Conseguiu com isso desagradar a Prússia, que estava neutra, porque a liga de nações alemães que se formou permaneceu independente.  Durante o império, Napoleão começou a se preocupar com sua descendência.  Josephine (*imagem abaixo*) não lhe deu filhos, ele tinha pelo menos um bastardo, decidiu se livrar dela e casar-se com uma das filhas do imperador da Áustria.  Ameaçou bombardear Viena por uma noiva e casou-se com a irmã mais velha da futura Imperatriz Leopoldina, Maria Luísa, que lhe deu o seu desejado herdeiro.  

Como imperador, Napoleão comete erros, ninguém vai me fazer dizer que não.  Um deles, o Bloqueio Continental.  O objetivo era quebrar a Inglaterra e impulsionar a indústria francesa, não deu certo.  Os ingleses apreenderam navios franceses e de aliados, fizeram contrabando e aliados da França começaram a reclamar dos problemas que estavam sofrendo.  Outro erro, foi invadir a Península Ibérica, quando já tinha os espanhóis como aliados.  A guerra na região estendeu-se por anos, rendeu excelentes pinturas e desenhos de Goya, e obrigou a Família Real Portuguesa a partir para o Brasil.  Era isso, ou perder a colônia mais importante.  Não penso em D. João como um covarde, mas como um sujeito prático que jogou com Inglaterra e França o quanto pode e levou a melhor.  

Por fim, quando a Rússia perdeu a paciência por causa do bloqueio continental, montou um exército gigantesco e invadiu o país.  Erro, erro muito grande!  Os russos usaram a tática de terra arrasada, atacaram os suprimentos dos franceses e esperaram o inverno e ele veio e Napoleão não conseguiu ganho nenhum.  Fora isso, perdeu o apoio dos camponeses, maior grupo social da França, que passaram a ir para as guerras depois da Revolução Francesa.  Seus filhos foram para a guerra e não voltaram, a culpa foi de Napoleão.  Veio a primeira derrota, em 1814, e o primeiro exílio na ilha de Elba, bem perto da França, com direito a uma corte e recebendo as notícias que vinham do país, inclusive a insatisfação com a restauração do absolutismo.  Decidiu tentar a sorte e fugiu para a França, montou um exército e o chamado governo dos Cem Dias.  Foi derrotado definitivamente em 1815 na batalha de Waterloo, o que nos deu a maravilhosa música do ABBA (*e no clipe no final do primeiro Mamma Mia!*), e foi mandado para um exílio bem duro em Santa Helena, na costa da África e muito longe da França.  

Segundo se conta, a última palavra que disse antes de morrer foi o nome da primeira esposa, Josephine.  O resumo ficou grande, eu sei, e acredito que todo mundo já tenha ouvido falar dele, mesmo que tenha sido somente em uma piada, ou desenho animado.  As representações de Napoleão nas animações norte-americanas, que eu me lembre, normalmente são de deboche.  Não lembro de ter assistido nada que fosse mais realista, é sempre a aquela coisa do baixinho, que ele não era, ridículo e com ego enorme.  Eu conheci Napoleão, antes mesmo de estudar na escola, por um filme chamado Desirée, o Amor de Napoleão (1954), exibido na Sessão da Tarde.

Nesse filme, o foco é na primeira noiva de Napoleão, Desirée Clary (Jean Simmons) que teria sido abandonada por ele por um casamento politicamente vantajoso com Josephine (Merle Oberon).  Desirée se tornou, mais tarde, rainha da Suécia. Sim, ela fez um casamentobem vantajoso, também.  Já Napoleão tinha a embalagem de Marlon Brando quando ele estava no auge da sua beleza e sexy appeal.  Neste filme, Napoleão nunca amou Josephine e nunca superou sua paixão por Desirée.

Pois bem, fui tentar rastrear as representações de Napoleão nos mangás. Achei menos do que esperava.  Falo de mangás sobre ele, ou nos quais ele tenha papel fundamental.  Certamente, perdi muita coisa, mas foi o que eu consegui.  Napoleão deve aparecer em muitos mangás, começando pela Rosa de Versalhes (ベルサイユのばら), quando Oscar conhece o jovem Napoleão e prevê que ele terá um futuro brilhante.  Sem largar Riyoko Ikeda, ela fez um mangá biográfico sobre Napoleão chamado Eikou no Napoleon ~Eroica ~The Glory of Napoleon (栄光のナポレオン - エロイカ) publicado entre maio de 1986 e janeiro de 1995.  A série tem 14 volumes no original e foi republicada em uma versão bunko com 12 volumes.  Não sei se houve outras edições.  

Eikou no Napoleon segue a vida de Napoleão a partir da reação termidoriana de 1794, quando os jacobinos são derrubados do poder, e conta com a participação de personagens da Rosa de Versalhes, como Rosalie, Bernard e Alain.  É um mangá de Riyoko Ikeda que eu não tenho em casa.  Foi publicado na Itália, mas já era época de Real desvalorizado e eu não comprei.  Gostaria de ter esse mangá na minha coleção, ainda que já seja o traço de Ikeda que não me agrada muito.  Detalhe, este mangá foi publicado em uma revista feminina chamada Fujin Koron, cuja primeira edição saiu em 1916 e continuou sendo publicada de forma irregular, mas, ao que parece, até o século XXI.

Ainda nos mangás femininos, temos Bara no Josephine (薔薇のジョゼフィーヌ) de Ochiai Kaoru (roteiro) e Yumiko Igarashi.  A série tem quatro volumes e foi publicada na revista Princess Gold, que era o templo dos mangás históricos, em 2011.  Como é uma biografia de Josephine, tem que ter Napoleão.  O mangá foi publicado na França e está saindo na Itália neste momento, eu acho. 


Para quem reconheceu o nome Yumiko Igarashi, ela é a desenhista de CandyCandy (キャンディ♥キャンディ).  Nas capas e em algfuns quadros, Josephine parece com todas as meninas louras que ela desenhou na vida, especialmente, Georgie.  E Joséphine não era loura, não vejo sentido nessas ilustrações de uma personagem histórica super conhecida com o cabelo com a cor trocada.

Saindo do shoujo e josei mangá, encontrei três séries.  Marengo ~Napoleon ga Aishita Uma~ (MARENGO ナポレオンが愛した馬) de 2004, foi publicada na revista Super Jump  com dois volumes.  Pelo resumo que achei da série de Hiromi Yamasaki, o protagonista da história é um garoto egípcio que acompanha Napoleão depois da passagem dele pelo seu país.  O menino apareceria em um quadro real, não descobri qual quadro e seu nome seria Marengo.  Eu pensei que o mangá seria sobre a Batalha de Marengo na Itália, quando Napoleão derrota os austríacos.  E na única imagem boa que achei de mangá, Napoleão  ficou lindo, mas o menino protagonista parece ser genérico.

Outro mangá, e esse parece que muito importante, porque está junto com o de Ikeda no verbete japonês da Wikipedia sobre Napoleão é  Napoleon ~Shishi no Jidai~ (ナポレオン 獅子の時代) de Tetsuya Hasegawa.  A série, pelo que eu entendi, mostra a ascensão de Napoleão, chamado no título de "leão".  O verbete da Wikipedia desta série, diz que o autor usou um estilo de arte que lembrava o de Hokuto no Ken  (北斗の拳) e bebia diretamente na série de Riyoko Ikeda a ponto de apresentar sequências e acontecimentos que foram inventados por ela para o seu mangá, ou seja, não era vida de Napoleão.  Resumindo, parece que ele usou Riyoko Ikeda como sua fonte histórica.  A imagem acima, deve ser de Robespierre por causa da casaca listrada.

Shishi no Jidai teve 16 volumes e foi publicado entre 2003 e 2011 na revista  Young King Ours.   E essa série tem uma continuação em andamento chamada Napoleon ~Hadou Shingeki~ (ナポレオン~覇道進撃), que continua a história de Napoleão a partir de 1800 e já tem 20 volumes, ou seja, o cara gastou 16 volumes de mangá contando a trajetória de Napoleão até o início do Consulado.  Eu estou perplexa.  Eu já vi imagens desses mangás do Hasegawa e ele tem aquele visual bem modernoso, incorporando elementos contemporâneos à indumentária da época, enfim, é visualmente interessante. Abaixo, outro Robespierre.

Enfim, se você conhece outro mangá sobre Napoleão, ou que o tenha como personagem relevante e quiser colocar nos comentários, eu agradeço. 

quarta-feira, 5 de maio de 2021

As muitas tragédias do início de maio. Quantas mães ainda terão que chorar?

Ontem foi um dia triste e trágico, para além dos três mil mortos que se tornaram usuais, que a pouca gente parecem incomodar, e eu não queria fazer post sobre nada disso, mas é necessário, enfim.  Comecemos por mais um atentado em uma escola.  Um adolescente de 18 anos, estou usando o termo para marcar a juventude do criminoso, invadiu uma creche na cidade de Saudades no interior de Santa Catarina.  Portando explosivos de pequeno impacto e duas armas brancas, uma delas foi anunciada como um facão, mas já se fala que era uma katana, uma espada japonesa, ele matou três bebês (Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses, Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses e Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses), uma professora de 30 anos (Keli Adriane Aniecevski) e uma agente de educação de 20 anos (Mirla Renner).  Um bebê sobreviveu e está internado.

A desgraça só não foi maior, porque as outras professoras e funcionárias conseguiram fechar as portas e impediram que o sujeito multiplicasse as suas vítimas.  O rapaz ainda tentou fugir, ou tirar sua vida, mas foi impedido por bombeiros.  Segundo eles, a primeira coisa que o assassino falou na ambulância foi um pedido de confirmação de que teria cometido cinco homicídios.  "Sua maior preocupação era quantas pessoas havia conseguido matar, demonstrando seu desprezo pela vida humana e a sua incapacidade de retornar, ao menos neste momento inicial e mediante as informações coletadas, ao convívio da sociedade, o que demanda seu encarceramento cautelar." (Caio Lemgruber Taborda, juiz da Comarca de Pinhalzinho) Imaginem o trauma da cidade que tem menos de 10 mil habitantes, sem delegacia, ou hospital próprio, e uma taxa de criminalidade de quase zero.

Eu me recuso a escrever o nome do assassino, suas motivações, sejam quais forem, não podem ser consideradas como mínima justificativa para um ato de violência como esse.  Eu já escrevi aqui que uma das coisas que esse tipo de celerado busca é a fama, nem que seja póstuma, por mim, esse tipo de criminoso deveria ser sepultado em túmulo anônimo, seu nome nunca enunciado na TV, ou escrito em matérias de jornal.  Felizmente, o criminoso da vez está morto e é maior de idade, o que quer dizer que terá que assumir uma pena pesada pelos crimes que cometeu.  A tragédia de Santa Catarina ainda não está esclarecida, ainda ouviremos bastante sobre o criminoso.  Ele tinha 11 mil reais guardados em casa.  Meu marido prontamente disse "Ele pretendia comprar uma arma.  Ainda veremos algum massacre com AR15, ou similares, em breve."  Sim, é possível.

Espero realmente que ele tenha sua vida devassada, porque talvez esteja ligado a algum grupo na deep web, e que seja exposto um problema de nossos dias, que é pessoas morarem dentro da mesma casa, filhos adolescentes, e os pais não terem ideia do que esse menino, porque normalmente é do sexo masculino, e mesmo quando adulto é dependente economicamente desses outros adultos, anda fazendo na internet.  Lendo as notícias, lendo mais sobre as vítimas, olhei para a jovem de vinte anos e pensei que ela poderia ser minha filha.  Pensei nos pais dela, perderam sua única filha, como a minha, uma menina esforçada e com um futuro promissor.  Pensei nos pais das criancinhas, pouco mais jovens que a minha sobrinha.  Imagino as mães nesse próximo domingo com seus braços vazios.  Na professora que foi a primeira atacada, talvez tenha deixado filhos, com certeza, deixou sonhos.  Eu estou fazendo ilações, admito, mas quem invade uma creche quer matar mulheres.  Todas as matérias falam da ação das professoras e funcionárias em proteger as crianças.  Se houvesse um homem envolvido, estaria tudo no masculino.

A outra desgraça do dia foi a morte de Paulo Gustavo, um dos mais brilhantes artistas de sua geração, de COVID-19, aos 42 anos.  Confesso que esperava esse desfecho, mas isso não me deixou menos triste.  O artista dias antes de ser internado tinha postado o seguinte "CADE A VACINA MEU DEUS? Se liga na aglomeração gente! Sair de casa apenas quem precisa TRABALHAR!".  Ele estava se cuidando, ele estava ajudando gente durante a pandemia.  Mesmo com todos os recursos possíveis, a doença o levou.  A morte de Paulo Gustavo veio no dia do início da CPI da COVID-19 na qual o ex-ministro Mandetta disse que o presidente recusou-se ONZE VEZES a comprar vacinas.  ONZE.

Eis que a morte de Paulo Gustavo gerou grande comoção, várias autoridades e políticos se pronunciaram, e o que o presidente fez?  Soltou uma nota capenga lamentando sua morte.  Ele que disse não ser coveiro e nada a fazer, expressou solidariedade pela morte do humorista que representava tudo o que os "conservadores" aliados do presidente abominam, era gay, casado e pai de dois filhos.  Era, também, um dos artistas mais amados do Brasil, inclusive por gente que (supostamente) abominaria sua orientação sexual e estilo de vida.  

Ao que parece, a manifestação do presidente pareceu hipócrita e gerou grande indignação.  Eu diria justa indignação, hoje mesmo, ele já estava agindo como se a COVID nada fosse e mandando o povo para a rua.  Mas espero que a agonia de Paulo Gustavo tenha dado um clique na cabeça de alguns.  Uma pessoa jovem e saudável e que estava se resguardando pode contrair a doença e morrer.  Se a doença escalar, mesmo com todo o dinheiro do mundo, talvez você não se salve.  Precisamos urgentemente de vacinas e de isolamento social.

Eu lamento muito a perda de Paulo Gustavo.  Estava assistindo uma série com ele no Globoplay chamada Além da Ilha.  Aqui, no Shoujo Café, tenho resenha de três filmes com ele, se não perdi algum, Minha Mãe é Uma PeçaMinha Mãe é Uma Peça 2, nas quais ele interpretava a sua grande personagem, Dona Hermínia, homenageando sua própria mãe, e  Minha Vida em Marte.  Confesso que nem sempre me agradava do humor dele, mas que o ator era irresistível.  Assisti Minha Mãe é uma Peça 3, mas de forma fragmentada.  Talvez, fosse hora de rever e resenhar, ou mesmo o Além da Ilha, no qual a personagem de Paulo Gustavo ganha na loteria e acaba se perdendo com uns amigos e indo parar em uma ilha misteriosa.

Mas não acabou.  Quase passou despercebido, mas ontem morreu, também de COVID, a mulher que recebeu o coração da menina Eloá, morta em 2008 pelo ex-namorado, porque a polícia não fez direito o seu trabalho, talvez por interferência do governador de São Paulo à época, José Serra.  Enfim,  Maria Augusta da Silva dos Anjos, de 51 anos, não resistiu à complicações da doença.  Quantos mais terão que morrer?  Quantos mais?  Anônimos e famosos.  Velhos, jovens, crianças.  Gente que se resguardou, cuidou de si e dos outros, e gente que se lançou na vida louca estimulada pelo presidente e outras autoridades por aí.  Quantos mais?  Se a vacina viesse na hora certa, talvez, muitas dessas mortes poderiam ser evitadas.  E deixo abaixo um vídeo com Paulo Gustavo par ao programa 220 volts falando da pandemia e como sobreviver a ela.  Eu não chorei quando vi a notícia da morte, como disse, já estava preparada para ela fazia semanas, mas esse vídeo me destroçou.


P.S.: Depois de terminar o texto, na verdade, agora pela manhã (06/05), vi que o delegado já começou a rastrear elos entre o assassino da creche e Suzano.  Os assassinos da escola paulista se tornaram celebridades e eu linkei meu texto do ano passado em que falo desse culto aos assassinos e o que acho deveria ser feito.  Pois bem, outra teoria da polícia é que a escolha da creche se deveu ao fato de ser de fácil acesso e de outras escolas estarem fechadas, ou com efetivo de alunos reduzido, por causa da pandemia.  Sabe-se, também, que ele escolheu atacar na hora do almoço dos bebês, quando estariam todos no refeitório, mas o almoço atrasou e muitas vidas podem ter sido salvas.  Colegas do assassino, gente que estudou com ele, comentam que ele tinha prazer em torturar animais.  E, repito, eram mulheres e bebês. É horrível, enfim.  Outra coisa, Realengo completou DEZ ANOS, isso pode estar também ligado a esse ataque e outros que possam vir.

terça-feira, 4 de maio de 2021

Quais são os bishounen com um lado obscuro favoritos dos japoneses? Mais uma pesquisa da Gooranking.

Mais uma pesquisa da Gooranking que merece traduzida, porque tem personagens shoujo nelas.  O procedimento é o seguinte, traduzirei o ranking completo até a 15ª posição, a partir daí, só personagens de shoujo, josei e BL, caso estejam lá.  Então, se sua personagem favorita não estiver, dê uma olhada no link original e veja se não estão para além dessa posição.  Ao todo foram 1103 votantes e, como de costume, o Gooranking não coloca demografia.


1. Kaworu Nagisa de Neon Genesis EVANGELION (新世紀エヴァンゲリオン) - 161 votos
2. Haku de A Viagem de Chihiro (千と千尋の神隠し) - 158 votos
3. Takashi Natsume de Natsume Yuujinchou (夏目貴志 夏目友人帳) - 82 votos
4. Kurama de Yu☆Yu☆Hakusho (幽☆遊☆白書) de 70 votos
5. Kurapika de HUNTER×HUNTER - 53 votos
6. Lelouch Lamperouge de Code Geass Lelouch of the Rebellion (コードギアス 反逆のルルーシュ) - 47 votos
7. Tokito Muichiro de Demon Slayer: Kimetsu no Yaiba (鬼滅の刃) - 46 votos
8. Shuusuke Fuji de Tennis no Oujisama (テニスの王子様) - 39 votos
9. Ciel Phantomhive de Black Butler (黒執事) - 37 votos
10. Shoto Todoroki de My Hero Academy (僕のヒーローアカデミア) - 36 votos
11. Killua Zoldyck de HUNTER×HUNTER - 35 votos
12.Seijuurou Akashi de Kuroko no Basketball (黒子のバスケ) - 33 votos
13. Shou Naruse de Orange - 28 votos
14. Tatsuya shiba de Mahou-ka Koukou no Rettousei (魔法科高校の劣等生) - 27 votos

15. Yuki Sohma de Fruits Basket (フルーツバスケット) - 26 votos
15. Taichi Mashima de Chihayafuru (ちはやふる) - 26 votos
18. Nicole Ascart de Otome Game no Hametsu Flag shika nai Akuyaku Reijou ni Tensei shite shimatta... (乙女ゲームの破滅フラグしかない悪役令嬢に転生してしまった…) - 15 votos
21. Yuri Plisetsky de Yuri!!! on ICE (ユーリ!!! on ICE) - 13 votos
22. Makoto Sunakawa de Ore Monogatari!! (俺物語!!) - 12 votos
24. Soldier Blue de Terra E... (地球へ…) - 7 votos
26. Takashi Morinozuka de Ouran Host Club (桜蘭高校ホスト部) - 4 votos
32. Kaoru Nagumo de Hakuoki (薄桜鬼) - 2 votos

segunda-feira, 3 de maio de 2021

Quais são os garotos ricos favoritos dos animes e mangás? Os japoneses respondem.

Fazia tempo que não encontrava alguma coisa no Gooranking que valesse a pena traduzir, mas eis que apareceram duas pesquisas que merecem o esforço, afinal, 40% do top 10 é shoujo.  Começarei com esta que é sobre os garotos ricos, que são tão, mas tão ricos, que só existem nos animes e mangás.  A descrição é do próprio Gooranking.  Como sempre, o site não coloca dados demográficos dos participantes, somente o total, que foi de 1334.  Segue a lista do 1 ao 15 e, depois, somente personagens de shoujo/josei, se houver.

1. Keiichi Nakagawa de Kochikame (こちら葛飾区亀有公園前派出所) - 231 votos
2. Tsukasa Doumyouji de Hana Yori Dango (花より男子) - 168 votos
3.Obochama de Obochama-kun (おぼっちゃまくん) - 145 votos
4. Kazuhiko Hanawa de Chibi Maruko Chan(ちびまる子ちゃん) - 114 votos
5. Atobe Keigo de Tennis no Oujisama (テニスの王子様) - 69 votos
6. Patalliro de Patalliro! (パタリロ!) - 58 votos
7. Suneo Honekawa de Doraemon (ドラえもん) - 56 votos
8. Shuutarou Mendou de Urusei Yatsura (うる星やつら) - 54 votos
9. Daisuke Kambe de The Millionaire Detective Balance: Unlimited (富豪刑事 Balance:UNLIMITED) - 50 votos
10. Hanazawa Rui de Hana Yori Dango (花より男子) - 41 votos

11. Metori Saiko de Saiki Kusuo no Ψ-nan (斉木楠雄のΨ難) - 38 votos
12. Shinichi Kudo de Detective Conan (名探偵コナン) - 30 votos
13. Tamaki Suoh de Ouran Host Club (桜蘭高校ホスト部) - 26 votos
13. James de Pokemon (ポケットモンスター) - 26 votos
15. Tongari de Kiteretsu Daihyakka (キテレツ大百科) - 22 votos
18. Wataru Kaidoh de Go! Princess Pretty Cure (Go! プリンセスプリキュア) - 14 votos
21. Kimimaro Ijuin de Go! Princess Pretty Cure (Go! プリンセスプリキュア) - 11 votos
26. Jinguji Ren de Uta no☆Prince-sama♪ Maji Love 1000% (うたの☆プリンスさまっ♪ マジLOVE1000%) - 6 votos
30. Ritsu Onodera de Sekai-ichi Hatsukoi (世界一初恋) - 5 votos
34. Igarashi Tora de Kaichou wa Maid-sama!(会長はメイド様!) - 4 votos
38. Masato Hijirikawa de Uta no☆Prince-sama♪ Maji Love 1000% (うたの☆プリンスさまっ♪ マジLOVE1000%) - 3 votos

domingo, 2 de maio de 2021

Café com ASPAS 16 - A história dos quadrinhos é uma história de mulheres (vídeo)

O programa foi gravado em março, mas foi ao ar ontem e é uma discussão sobre as mulheres nos quadrinhos reunindo gente que pesquisa quadrinhos e que produz quadrinhos.  Além de mim, temos a Natania Nogueira, que mediou o programa, a Nataly Costa e a Cátia Ana.  Espero que vocês gostem. Recomendo, também, o Canal da ASPAS (Associação de Pesquisadores em Arte Sequencial), se inscrevam, porque o conteúdo vale a pena.

sábado, 1 de maio de 2021

Vem aí uma biopic sobe Emily Brontë

Emily Brontë é uma das mais importantes escritoras inglesas do século XIX, lembrada, principalmente, por O Morro dos Ventos Uivantes, seu único romance.  Ela também é irmã das não menos brilhantes Charlotte (*de Jane Eyre*) e Anne (*A Inquilina de Windfell Hasll*).  O trio de irmãs teve uma vida dura e todas morreram cedo, seja de tuberculose, caso de Emily e Anne, ou, no caso de Charlotte, de problemas de saúde desencadeadas pela gravidez.  No post, vocês podem ver a primeira foto da produção chamada Emily e que será estrelada por Emma Mackey.

Agora, o detalhe interessante que temos até agora é que será a estreia como roteirista e diretora de Frances O’Connor, que foi Fanny Price em Mansfield Park de 1999.  Eu desejo sorte e quero mais fotos e detalhes.  O último filme sobre as irmãs Brontë foi um especial chamado To Walk Invisible.  A resenha está aqui.  Emily está em produção e ainda não tem data de estreia.

Edição da revista Jour com as melhores histórias de Madame Joker é lançada no Japão

Quem assistiu meu último vídeo sabe que comentei que é uma pena não termos uma coleção, ou um volume com as melhores histórias de Eroika (エロイカより愛をこめて), porque ele poderia ser lançado fora do Japão como uma espécie de apresentação da série.  O mesmo vale para Madame Joker (マダム・ジョーカー), uma série que eu comentei em 2016.  Muito bem, saiu uma edição especial da revista Jour, que publica a série de Tomoko Naka, com uma seleção de histórias que ressaltam a força da protagonista.  A série, que começou em 2003, tem 24 volumes e passa bem, o traço da autora cada vez melhor.  Mas do que se trata Madame Joker?  Segue um resumo:

Rica, bonita e liberada Ranko Gekkouji pode ser viúva, mas ela não está disposta a perder seus dias guardando luto! Abençoada com riqueza, beleza e crianças adoráveis, a inveja e o ciúme dos outros está sempre transbordando - mas isso não vai impedi-la de fazer o que ela quer. Quando ela não está horrorizando sua sogra, divertindo-se com seu namorado mais jovem, ou sendo uma mãe muito relaxada em relação aos seus filhos adolescentes, Ranko usa todas as suas capacidades para resolver casos, deixando a sua própria marca de justiça em relação aos egoístas, vaidosos e até mesmo os temíveis assassinos que se atrevem a cruzar seu caminho.