Comentando o Primeiro Episódio de Suki-Tte Ii Na Yo。ou “Say I Love You。”

As Personagens Masculinas Tipo dos Shoujo Mangá: (Mais) um Esboço

Quais são os tipos de garotos mais comuns nos shoujo mangá? Que tal fazer uma lista?

Irene Adler é a grande injustiçada nas recentes adaptações de Sherlock Holmes

Irene Adler, a mulher que enganou Sherlock Holmes, ganhou uma nova roupagem no século XXI. Infelizmente, ela parecia muito melhor no séculos XIX...

Comentando “Detona, Ralph!” (Wreck-It, Ralph)

A Disney revisitou os vídeo games dos anos 1980 em um filme muito divertido e bem executado.

As Personagens Femininas Tipo dos Shoujo Mangá: um Esboço

Personagens centrais nos shoujo mangá, assim como na vida real, as meninas não são todas iguais, mas podemos tentar organizá-las em tipos. Vamos tentar?

Histórias em Quadrinhos: um Levantamento Bibliográfico

Uma ajudinha para quem está começando a pesquisar sobre quadrinhos.

sábado, 30 de maio de 2015

Shoujo Mangá Autobiográfico do final dos anos 1950 relançado no Japão


Legal quando a gente desconfia eu alguma notícia vale a pena, abre, traduz (*daquela forma sem vergonha que eu faço*) e encontra um tesouro.  Enfim, não me lembro de ter ouvido falar de Toshiko Ueda (1917-2008), mas trata-se de uma shoujo mangá-ka pioneira, que começou a desenhar mangás depois do fim da Segunda Guerra, quando estava prisioneira na Manchúria (*sorte dela ter ficado só prisioneira...*), onde ela tinha passado parte da infância e adolescência.  Ueda tinha voltado para a região em 1942 para trabalhar primeiro na Manchuria Railroad e, depois, o Harbin Daily Newspaper.  Pois bem, a obra que conta sua experiência como prisioneira na Manchúria, Fuichin-san  (フイチンさん), foi publicado na revista Shoujo Club entre 1957 e 1962, rendendo-lhe o 5º Prêmio da Associação de Cartunistas Japoneses (1959) e o Shogakukan Award em 1960. 

Segundo o Comic Natalie, o primeiro volume de Fuichin-san foi lançado este mês com páginas em cores e outros extras que parecem ser muito interessantes.  Não entendi direito, mas um dos acréscimos são ensaios escritos por Murakami Motoka, autor de Fuichin Saiken!  (フイチン再見!), que é uma série sobre uma moça que deseja ser mangá-ka na década de 1930...   Falei dela aqui e, agora, eu sei que é um mangá biográfico sobre Toshiko Ueda.  A capa do quinto volume está aí embaixo.


É muito interessante tropeçar nessa notícia, primeiro, porque ela mostra que havia muito mais mulheres fazendo (shoujo) mangá do que a gente pensa antes de meados dos anos 1960; segundo, porque parece que a Segunda Guerra me persegue esses dias... Ah, sim!  Fuichin-san  teve longa animado em 2004.  Seria interessante conseguir dar uma olhada nisso.  Amei a capa, muito fofinho.  Acho que vou comprar este volume.

Bandai lança miniaturas de Sailor Moon



Você gostaria de ter o material escolar da Usagi?  Seu livros?  Seu bentô até? E  o da Ami?  Gostaria de ter um kit da visita ao templo da Rei?  Lanchar com Makoto?  A bolsa de Minako com itens que ela comprou depois de sair da escola?  Tudo isso pode ser seu.


A Bandai lançou vários kits com miniaturas de objetos que as personagens usam ou poderiam usar no seriado.  O preço é 600 ienes e estarão sendo vendidos a partir do dia 27 de julho. A notícia estava no Rocket News 24 e as informações estão no site oficial dos 20 anos de Sailor Moon (セーラームーン).

Falar de tudo o que lançam de Sailor Moon é impossível, mas, às vezes, dá gosto comentar sobre uma ou outra coisinha.  Queria todos esses kits para mim.

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Yoshiko Kawashima: princesa chinesa, espiã japonesa e crossdresser


Pensei em publicar este post no meu blog de História, mas achei que ficaria melhor aqui, afinal, não consigo pensar em Yoshiko Kawashima (川島 芳子), nascida  Aisin Gioro Xianyu (愛新覺羅·顯玗), princesa da disnastia Qing, que governava a China desde o século XVII, sem pensar em Teatro Takarazuka e shoujo mangá.

Yoshiko Kawashima nasceu em 1907, foi adotada por uma poderosa família japonesa quando a Dinastia Qing foi destronada. Seu pai adotivo, o espião japonês Naniwa Kawashima, proporcionou-lhe uma educação extremamente liberal para a época com um currículo que envolvia dança, judô e esgrima.  Aos 20 anos, ela foi casada com um príncipe chinês, mas separou-se dele dois anos depois.  Teve envolvimentos amorosos com homens e mulheres e terminou por entrar para o serviço de espionagem japonês, atuando na China, graças aos seus múltiplos contatos. 


Em suas ações vestia-se com roupas masculinas ou femininas a depender das necessidades, sempre com grande sucesso.  Sua descrição – muito bela, educada, inteligente, capaz de se passar por uma dama perfeita ou um soldado – me lembram a imagem das atrizes do Takarazuka, ou a garota-príncipe dos shoujo mangá.  Apelidada de Dongzhen, Jóia do Oriente, ela foi retratada em vários filmes (*incluindo O Último Imperador*) e me pergunto se de algum mangá.  


As diversas fontes sobre Kawashima falam que seu sonho era restaurar a dinastia Qing, algo que não interessava nem aos japoneses, nem aos senhores da guerra chineses, ao Kuomitang (partido nacionalista) ou ao Partido Comunista.  Essa agenda própria a colocou em situações de conflito, mas, ainda assim, ela chegou a comanda em Manchukuo (Estado fantoche japonês na Manchúria) seu próprio exército de foras da lei contra a resistência chinesa.  O japoneses chegaram a lhe dar o posto de General-Coronel (*não sei como traduzir isso aqui*).


Kawashima entra em conflito com os japoneses ao criticar seus métodos truculentos na China e cai em desgraça.  Capturada pelo Kuomitang em 1945, foi julgada, condenada como traidora e executada com um tiro na nuca em 1948.  Nada mais justo pelo ponto de vista chinês.   Vejo esta personagem como outras tantas que apostaram alto e perderam, ou não, porque uma vida interessante  ela teve, com certeza!  De qualquer forma, sua trajetória daria um excelente mangá, se é que ele já não existe.

P.S.: Queria escrever sobre ela, não dava para falar nas minhas aulas... Aqui, acho que cabe bem. ^_^

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Mangá sobre Babá que nunca sorri vai virar dorama

Segundo o ANN, o mangá 37.5°C no Namida (37.5℃の涙), de Chika Shiina, irá virar dorama e esréia no verão japonês.  A série, que teve três volumes originais e será retomada na revista Cheese, gira em torno de Momoko, uma jovem babá especializada em cuidar de crianças doentes ou com necessidades especiais e que, por isso, não podem freqüentar creches ou berçários comuns.  Uma das características da personagem é sua seriedade, ela nunca ri, ainda eu se esforce sempre para ver o sorriso das crianças de quem cuida.  Parece interessante e deve render um bom seriado live action.  E vejam que é mais um daqueles temas que a gente geralmente não imagina que possam se tornar um quadrinho, mas que acabam, sim, virando mangá porque são do interesse das mulheres que estão escrevendo para outras mulheres.

Edição de aniversário da revisa Cookie traz brinde de NaNa


E é só o brinde mesmo, viu?  Se entendi o Comic Natalie direito, trata-se de imãs com ilustrações de NaNa e não parece que foi coisa feita especialmente, mas ilustrações anteriores.  


Ainda nesta edição da Cookie, é possível concorrer a um dos 100 livros com cartões postais ilustrados e autografados pelas 25 autoras de maior destaque da revista (Ai Yazawa, Koi Ikeno, Ikuemi Ryou, etc.).  Se entendi bem, o livro poderá ser comprado por 1500 ienes, também.  


A revista Cookie, da editora Shueisha, está completando 15 anos em 2015.  Ela é enquadrada como shoujo, mas suas séries são feitas para aquele público do final da adolescência para além.

Shitsuji-sama no Okiniiri chega o final da revista Betsuhana


No tempo em que eu postava muito mais coisa por aqui, inclusive os rankings de vendagem certinhos, comentei várias vezes que Shitsuji-sama no Okiniiri  (執事様のお気に入り), de Tsuyama Fuyu e Rei Izawa, tinha cara de anime.  As japonesas parecem gostar de histórias com butlers (mordomos) e, bem, o traço era bem bonito.  Só que a série terminou na última Betsuhana, seu 21º volume sai no dia 18 de setembro, e nada de anime... Tiro na água desta vez. :)  De qualquer forma, a série terminou seu percurso com capa e um drama CD de brinde para as leitoras.  Outro drama CD será lançado com a edição limitada do último volume.  


Já na próxima edição, a revista traz como brinde um conjunto de dois clearfiles de Boku no Chikyuu o Mamotte  (ぼくの地球を守って) de Saki Hiwatari e mais um capítulo de Ningyoushibai  (人形芝居), um mangá incompleto de Shigeru Takao que é dos anos 1990.  A notícia está no Comic Natalie.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

23º Animator Expo adapta novo mangá de Moyoco Anno


O Animator Expo é um projeto do Studio Khara de Hideaki Anno (a principal mente por trás de Evangelion, Gunbuster, Karekano,  e outros animes memoráveis ou nem tanto) e da Dwango consistindo em uma série de curtas de animação produzidos por diretores diferentes, com estilos bem diversos.  As animações começaram a ser transmitidas por streaming em 7 de novembro de 2014 pelo site Nico Nico.  Enfim, o 23º anime é uma adaptação do novo mangá de Moyoco Anno,  Bikachou Shinshi Kaikoroku (鼻下長紳士回顧録), que parece ter recebido como nome em inglês Memoirs of Amorous Gentlemen.  É até curioso, porque a história se passa na França e, bem, os japoneses adoram títulos em francês, também.

Para quem não sabe, “Memoirs of Amorous Gentlemen” conta a história de Colette, uma prostituta que trabalha em um bordel de luxo na França.  Pelo resumo do Mangaupdates, ela não é lá muito feliz com seu trabalho, mas ela ama um sujeito chamado Leon e isso lhe dá forças para seguir atendendo os clientes... Bem, o Japanator avisa que é NSFW (Not safe for work), ou seja, cuidado ao abrir... O Crunchyroll está traduzindo o mangá, não sei se há outras scanlations rolando em inglês... Provavelmente, não.  Vi a notícia primeiro no ANN.


De qualquer forma, é uma notícia de vários dias atrás.  Estou com uma série de problemas, muito trabalho (*provas para fazer, corrigir, fazer de novo...*), trabalhando em dois turnos, às vezes, e ainda fiquei doente, mais a Júlia, claro.  Por isso, o Shoujo Café está muito parado e atrasado em relação às notícias.  Infelizmente, não há o que fazer.  Queria muito ver o novo Mad Max, mas nem isso acho que vai dar.  C’est la vie.  A gente segue como pode.

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Revelado o elenco do live action de Ore Monogatari!!


O Comic Natalie publicou um post comentando o elenco de Ore Monogatari!!  Só digo uma coisa, não gostei desse Takeo.  O escolhido foi o ator Ryohei Suzuki, um cara de trinta e dois anos e somente 1,86 m. O CN até comenta que o cara se esforçou para engoradar 30 quilos e tentar captar os sentimentos de um garoto de 15 anos... Tem condição isso?  Analisem as fotos.  Enfim... 

Já o papel da Yamato, a amada do Takeo, será da modelo Nagano Mei e Suna, melhor amigo do protagonista, será interpretado por Kentarou Sakaguchi.  Sei lá, não gostei de ninguém desse trio aí... Não parecem as personagens do mangá/anime.  Se entendi bem o CN, o filme estréia no dia 31 de outubro nos cinemas japoneses.

Lançado o último volume de Ao Haru Ride


Chegou às lojas do Japão, hoje, 25 de maio, o último volume de Ao Haru Ride (オハライド) e um artbook, o Io Sakisaka Illustrations Ao Haru Ride & Strobe Edge (咲坂伊緒イラストレーションズ アオハライド&ストロボ・エッジ).  


Já havia até falado dos volumes, mas não lembro de ter comentado que há uma mangá – imagino que seja isso – uma história curta com as personagens das duas séries que a tornaram famosa dentro e fora do Japão.  Acho que é isso que está no Comic Natalie, espero ter entendido direito.  E, só lembrando, dia 16 de junho estréia a nova série de Sakisaka na Betsuma.


Ao Haru Ride está em publicação no Brasil.  A Panini é a editora responsável e tem investido para que o mangá chegue às nossas bancas com um ótimo tratamento gráfico para os padrões nacionais, claro.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Terceiras Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos


Entre os dias 18 e 21 de agosto deste ano, estará acontecendo a 3as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos.  Trata-se de um evento acadêmico promovido pela Escola de Comunicação da USP.  Não participei das duas anteriores, a primeira edição perdi mesmo, já a segunda foi no ano da minha gravidez (2013) e já bem naquele momento no qual viajar já não é muito aconselhável.  Enfim, este ano havia a ANPUH Nacional em Florianópolis e as Jornadas... Eu iria para a reunião dos historiadores, mas eis que a minha amiga Natania conseguiu a façanha de  articular para trazer a Trina Robbins!!!!!!!!  Uma das maiores especialistas em quadrinhos, mais ainda em mulheres quadrinistas, ela mesma autora de quadrinhos e feminista.  Isso definiu a parada.  Minha inscrição foi aceita.

Hoje recebi a programação.  Não sei a data de apresentação do meu trabalho, mas fiquei sabendo que além da Trina Robbins, que irá fechar o evento, ainda teremos Paul Gravett, do livro Mangá Como o Japão Reinventou os Quadrinhos, que simplesmente escreveu o melhor capítulo geral sobre shoujo mangá que eu já li na vida.  Sem discussão agora.  Já comprei a passagem para o Rio e vou de lá para São Paulo.  Agora, é juntar meus dinheiros para o hotel... Espero não me endividar.  Fora, claro, que terei que deixar a Júlia com os avós e nunca passei mais do que algumas horas longe dela. :(

O outro convidado internacional será o  Ian Gordon, que irá falar de quadrinhos e cinema.  Para quem se interessar, a página do evento é esta aqui.  Para ir direto para a programação, clique neste outro link.