domingo, 24 de maio de 2020

O caso "Bel para Meninas", ou criança só tem mãe, não é mesmo?


Esta semana passada, entrei no Twitter e o nome do apresentador Luiz Bacci, do programa sensacionalista Cidade Alerta, da Rede Record, estava em evidência no Twitter.  Ele teria repercutido suspeitas de que uma menina Youtuber de 13 anos estaria sendo submetida a abusos por sua mãe e que isso ficava evidente nos vídeos.  Eu não acompanho o canal Bel para Meninas, mas sei que minha filha já assistiu alguns vídeos de lá.  Acho justo que se preocupem com a menina, mas acredito que é importante atentar para outras questões, falarei de duas.

A primeira, que me incomodou bastante, seria a de que a mãe não deixaria que a menina crescesse.  A protagonista do canal começou com seis anos e com treze parece ainda muito infantil.  Esse pessoal frequenta escola de ensino fundamental e já observou como adolescentes nessa faixa etária têm diferentes corpos, aparência, desenvolvimento afetivo e intelectual?  Não sei. O curioso é que comparam a menina com outras youtubers mirins que cresceram diante das câmeras e, agora, falam de cabelo, maquiagem, namorados.  Coisas da idade.  Percebem que isso parece uma forminha em que todo mundo precisa se encaixar?  Pois é...

Se Bel estivesse falando de maquiagem e
coisas "de mocinha" estaria tudo certo, não é?
Há meninas que gostam de outras coisas, ainda que possam gostar, também, de maquiagem.  Outras nem ligam para essas "coisas de mocinha" e, talvez, nunca venham a se importar.  Meninas podem gostar de esportes diversos, de video game, de seriados, de livros de todos os tipos, de política, de ciências etc.  Será que todas as meninas são iguais, ou precisam ser, porque, se não forem, estarão sendo forçadas a continuar na infância?  Vamos refletir um pouquinho sobre isso?

A segunda questão é a mais interessante ao meus olhos.  Se há algum problema, a culpa é da mãe e somente dela.  A mãe precisa se explicar.  A mãe... a mãe... a mãe... a mãe... É aquilo, não é?  Se alguém é um canalha, qual o xingamento padrão?  "Filho/a da puta!".  Porque, sim, a mãe do sujeito é culpada de todos os males que ele comete e de seus comportamentos ruins.  Ora, trata-se de uma família tradicional com pai, mãe e filhas. Aquele modelinho que é igual o meu daqui de casa, só que com uma menininha só.  O pai de Bel participa de tudo por trás das câmeras, é sócio do projeto e lucra com ele, mas é como se a menina só tivesse a mãe "malvada" e o pai nada tivesse a ver com a história. 

Vamos colocar todo mundo dentro de forminhas.
Não vi uma página progressista, youtuber desconstruído pontuando que, bem, a menina, se está sendo abusada e explorada, tem pai, que é é cúmplice e que tem que se explicar, também. "Ai, você tem que cobrar de todo mundo!".  Tenho, não!  Dos assumidamente machistas, dos misóginos, dos que têm uma visão idealizada da maternidade, eu não espero NADA.  Eu gostaria de ver reflexão pelo menos entre os que parecem refletir sobre questões de gênero, isto é, papéis ditos masculinos e femininos na sociedade e como eles podem ser opressivos e injustos, falando o que precisa ser falado.   

Parece que somente dias depois, o pai se manifestou, mas sem que ele tivesse sendo cobrado para fazê-lo. E foi na mesma linha da esposa de que as acusações seriam fruto de inveja e difamação.  Agora, vi que há um vídeo, o coloquei mais no final.  Mas vamos continuar queimando somente as mulheres na fogueira. E não pensem que estou defendendo a mãe, nem a estou acusando de nada, tampouco, estou só mostrando como o machismo opera e está em todo lugar.

Reunião Ministerial e a Defesa Descarada do Turismo Sexual


Ontem me dei ao trabalho de assistir a reunião ministerial, o proibidão que foi liberado, sem as partes da China e do Paraguai, pelo ministro Celso de Mello.  "Ah, o que tem isso a ver com o Shoujo Café?".  Leia a descrição do blog, ele é pessoal, feito por uma feminista e trata de questões relacionadas às mulheres.  O post é político demais para você?  Haverá outros do seu agrado (*ou, não, vai saber?*), basta pular. Estava particularmente atenta para ver as falas de Damares no meio do lodaçal, não que ela seja a única pessoa que se afirma cristã ali, mas ele toma para si a coisa como estandarte e é a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.


O momento.
Damares tem uma fala longa lá no meio da reunião de quase duas horas.  o destaque nos grandes jornais foi o fato dela falar em prisão de governadores e prefeitos, mas havia uma série de sandices, mentiras e coisas que a gente já conhece bem.  Até avisou Teich, o ministro da Saúde cuja expressão facial durante a fala de Ricardo Salles é o melhor retrato do "caiu a ficha" e "melhor cair fora daqui" que eu já vi na vida, que o ministério dele estava cheio de feministas que só pensavam em aborto e iriam, claro, querer usar o coronavírus para defender essa bandeira.  São as obsessões da ministra, vocês sabem.  Enfim, já no final, cheguei na parte em que o Guedes fala em pagar 200, 300 reais para explorar a mão-de-obra e doutrinar meninos nos quartéis. Em seguida, ele começa a defender os cassinos, mas não é somente isso.  Dei-me ao trabalho de cortar o vídeo, ele está aí embaixo:

A fala dele é clara, não serão somente cassinos, ele quer promover turismo sexual: "Aquilo não atrapalha ninguém. Deixa cada um se foder. Ô Damares. Damares. Damares. Deixa cada um. Damares. Damares. O presidente, o presidente fala em liberdade. Deixa cada um se foder do jeito que quiser. Principalmente se o cara é maior, vacinado e bilionário. Deixa o cara se foder, pô!” O que estão omitindo nas matérias é que ele continua e diz "lá não vai entrar brasileirinho, não." E a homaiada do governo pró-família, pró-valores tradicionais toda gargalha alto e cochicha depois da fala do Guedes.  Na sala de mulheres que eu tenha visto havia somente Damares, Teresa Cristina (Agricultura), que estava de máscara (*com a sala lotada...*) e uma assessora (*acredito*) que estava sentada em um banco atrás.

E Damares diz que aceita, desde que fique certo de que não haverá lavagem de dinheiro. O projeto é prostituir as brasileiras e segregar, porque brasileirinho, adito assim nesse tom de desprezo e complacência, não vai entrar. Alguns, claro, entrarão, mas seria tipo Cuba antes da Revolução com cassinos e resorts só para gente muito especial.  Nada foi falado, mas, normalmente, o pacote jogo-prostituição envolve drogas, também, mas, enfim, se for tudo discreto e se o cara é maior, vaciando e, principalmente, bilionário, deve estar de boa.  Cabe inclusive lembrar de uma frase do ano passado, que eu comentei em um post: "O Brasil não pode ser um país do mundo gay, de turismo gay. Temos famílias. Quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade. Agora, não pode ficar conhecido como paraíso do mundo gay aqui dentro" 


O Brasil já está na rota do turismo
sexual infantil faz muito tempo.
Eu não espero nada desse pessoal, mas gostaria muito que os cristãos que me lêem reflitam se é possível continuar sendo complacente com esse tipo de coisa. Que a ministra que berrou, lá na sua grande fala, "somos um governo que se preocupa com valores", mostre tal complacência com a exploração sexual de mulheres que ela, supostamente, deveria proteger. Será que o governo pró-valores, pró-vida, vai garantir o aborto para essas mulheres (*e talvez meninas*) prostituídas?  Afinal, não vamos aborrecer os clientes que não são brasileirinhos quaisquer, mas gente muito fina e que precisa de segurança para gastar seu dinheiro aqui com essas bobagens, não é mesmo? Será que essas mulheres serão acolhidas em algum casa especialmente criadas para esse fim? De repente, teremos um belo projeto social nesse sentido.  Talvez, já esteja até em planejamento.  

Quanto à pergunta do início do parágrafo anterior, sim, a maioria dos ditos cristãos continuará em silêncio. Eu sou do meio, eu tenho parentes que não vão sequer atentar para esses "detalhes", mas se tiver um casalzinho LGBTQ+ em uma novela, ah... Aliás, esta parte da reunião nem chamou tanta atenção dsa mídia.  Quem se importa com as mulheres?  Desde que não seja para falar de aborto, está liberado.  Eu estou nauseada, mas, enfim, eu já estava antes, não faz diferença alguma.



P.S.: Acabei de ler um falso inocente dizendo que o "se foder" era metáfora para perder no jogo, que nada tem a ver com prostituição. Está bom, a gente acredita...  Fora que existe a fala de Bolsonaro do ano passado e as risadinhas que deveriam ser pensando nas formas de "se foder" com uma roleta, ou máquina de caça níqueis. 💗

sábado, 23 de maio de 2020

Ranking da Oricon: Sim! Vamos postar de novo!


Postar o ranking dos mais vendidos no Japão é importante para saber o que está, ou não está, fazendo muito sucesso, porque, bem, para aparecer no top 30 é necessário vender muito em um país que lança centenas de quadrinhos todas as semanas.  OK, quero saber, também se semana que vem teremos o último volume de Mangá-ka to Yakuza aparecendo na semana que vem.  Será que estará?  

De qualquer forma, e esse foi um dos motivos pelos quais não voltei a postar antes é a monotonia.  Kimetsu no Yaiba está com todos os seus volumes no top 30.  Isso faz com que sobre praticamente nada para outros títulos.  Um josei, ou shoujo, para entrar no ranking precisa vir com muita força.  Caso, por exemplo, de Chihahafuru.  Postei as três semanas que pegam o mês de maio, na semana de 04-10/05, não tem shoujo, nem josei, para além do top 10, então, não tenho o que ver nas outras posições.  Lembrando, posto o top 10 completo e, a partir daí, só me preocupo em traduzir o que for shoujo, josei, BL e, a depender, yuri.  Abro exceção para Gekkan Shoujo Nozaki-kun.


1. Kimetsu no Yaiba #18
2. Kimetsu no Yaiba #19
3. Kimetsu no Yaiba #17
4. Kimetsu no Yaiba #11
5. Kimetsu no Yaiba #12
6. Kimetsu no Yaiba #14
7. Kimetsu no Yaiba #13
8. Kimetsu no Yaiba #15
9. Kimetsu no Yaiba #16
10. Kimetsu no Yaiba #10
24. Honey Lemon Soda #13
27. Ashi Girl #14


1. Arslan Senki #13
2. Kimetsu no Yaiba #16
3. Kimetsu no Yaiba #13
4. Kimetsu no Yaiba #15
5. Kimetsu no Yaiba #14
6. Kimetsu no Yaiba #12
7. Kimetsu no Yaiba #11
8. Kimetsu no Yaiba #6
9. Kimetsu no Yaiba #5
10. Kimetsu no Yaiba #10


1. Kimetsu no Yaiba #20
2. Kimetsu no Yaiba #20 Special Edition with Postcard Set
3. Haikyu !! #43
4. SPY × FAMILY #4
5. Rurouni Kenshin: Meiji Kenkaku Romantan: Hokkaidou Hen #4
6. Dungeon Meshi #9
7. Nanatsu no Taizai #41
8. Chihayafuru #44
9. BORUTO ~NARUTO NEXT GENERATIONS~ #11
10. ACT-AGE #11
22. Haru Matsu Bokura #14

sexta-feira, 22 de maio de 2020

Site de scanlations para quem quiser ler mangás josei eróticos


Procurando o site de scanlations onde eu estava lendo Manga-ka to Yakuza (漫画家とヤクザ)  em espanhol, acabei encontrando este site aqui.  Acredito que seja um agregador, ou algo do gênero, e não tem somente josei erótico, mas BL, shoujo e quadrinho coreano.  Acredito que nem tudo seja erótico-pornográfico. 


Dois dos mangás josei que viraram anime, o do monge, Souryo to Majiwaru Shikiyoku no Yoru ni...  (僧侶と交わる色欲の夜に…), que foi o primeiro da leva, e o da moça que tem que fazer review de camisinhas tamanho XL estão lá.  Aliás, este último, Jо̄shi no Asoko wa XL Size!? Futoi Sakippo... Haitteru...! (上司のアソコはXLサイズ!?~太い先っぽ…入ってる…!) tem uma cena hilária, a moça vai tirar o celular da bolsa bagunçada e tira um vibrador e, bem, tenta fingir que é o celular para disfarçar o indisfarçáel.


De qualquer forma, recomendo para quem quiser, para quem gostar, lembrando que é material não recomendado para menores de 16 anos, pelo menos.  E, sim, Manga-ka to Yakuza é muito bom e não estou falando das cenas de sexo, elas são  até monótonas, mas pela história, sim, ela existe, ela é consistente.  

Mangá-ka to Yakuza chega ao seu final no Japão. Por favor, lancem a série por aqui!


O último volume de Mangá-ka to Yakuza  (漫画家とヤクザ) está sendo lançado hoje, no Japão. Eis um josei erótico que eu queria MUITO que virasse anime, ou dorama. Podem amenizar as cenas de sexo, não me importo, não. A história consegue se sustentar bem, é uma série divertida.  Lembro que descobri o mangá, porque ele, um josei erótico, apareceu no ranking da Oricon.  Coisa rara.  Sim, por isso é importante postar e eu deveria voltar a fazer isso.


Assim, diferentemente de tantas séries erótico-pornográficas dessa demografia, a série da mangá-ka Koda tem outros atrativos para além das cenas de sexo, personagens simpáticas, humor e uma história consistente.  Até comentei mais cedo por aí que se a série virasse anime, ou dorama, poderiam até retirar parte do conteúdo sexual que a história se sustentaria assim mesmo.


O ponto de partida da história é o encontro entre Rui, uma mangá-ka, e um yakuza (*mafioso*) de nome Azuma.  O bandido - que é moreno, másculo, enfim, bem bonitão - bate na porta dela para cobra uma dívida de 6 milhões de ienes (*mais ou menos uns 56 mil dólares*).  Ela não fez o empréstimo, mas alguém usou seu nome e ela está devendo para a máfia.  Quem a enrolou foi um antigo crush do colegial, um traste completo.  A reação dela é de indignação, mas o mafioso entra e diz que se ela vai ter que pagar de qualquer jeito.  Se não for com dinheiro, será com sexo.  Um detalhe, Rui é virgem.


Sim, o início da história é violento, não vamos colocar panos nisso.  Há o raio shoujoficador sobre Azuma, afinal, ele poderia ser um sujeito desprovido de qualquer atrativo, além de violento, cruel, o que seja.  O sujeito efetivamente tira a virgindade de Rui, que fica assustadísisma quando vê sua tatuagem e outras coisas mais, só que ela acaba achando a experiência interessante.  A dívida não está paga.  Ele retorna outras vezes, mas um detalhe curioso, ele percebe que a moça estava muito magrinha e pálida.  O excesso de trabalho como mangá-ka faz com que ela esqueça de si mesma e se alimente mal.  Toda a vez que ele volta, traz comida para ela.  Boa comida, escolhida com carinho.


A dívida acaba, conseguem até capturar o pústula do colega que a meteu an encrenca, mas o romance dos dois continua.  Obviamente, não podemos esquecer que Azuma é um bandido e o amor dele por rui acaba, também, atrapalhando seu "trabalho", porque ele começa a dividir muito tempo da sua vida com a moça.  E há parceria entre eles, carinho, não é só sexo, aliás, com o passar do tempo, ele vira um detalhe na relação dos dois.


Eu encontrei poucas scanlations da série, mas ela é bem popular e faz dias que o Twitter da revista está comemorando o encerramento de Mangá-ka to Yakuza.  Eu realmente gostaria que a série fosse lançada aqui, ela está disponível em inglês com o  nome de The Artist and the Beast, mas está caro.  Sei que li as scanlations em espanhol.  Onde?  Mas achei scanlations em inglês.   Está aqui.  Há vários capítulos, preciso colocar em dia.  São só quatro volumes, pequenininho.  Se alguma editora se interessar, acho que seria um bom investimento.  Acho bem mais interessante que Game, que a Panini está lançando.  

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Disney pensa em continuação do filme de Alita


O site We got this covered anunciou que a Disney parece interessada em uma continuação de Battle Angel Alita.  (*Eles até dizem no post que a fonte é a mesma que lhes passou a informação sobre a série de TV de Percy Jackson e sobre o live action de Robin Hood.*)  Por que a Disney entrou nessa conversa?  Bem, a Fox, responsável pelo filme live action foi incorporada pela Disney.  Exatamente por isso, apesar do sucesso da película, uma continuação passou a ser uma dúvida.  Enfim, deu dinheiro, foi um sucesso, é um filme razoável, terminou em aberto. Justo.  Agora, não sei se a Disney vai enfiar a colher e, talvez, inserir ou retirar elementos da história.  Aliás, já para ir para o cinema, eu defendi isso na minha resenha, certas questões foram anuladas.  Aguardemos.  Para quem não sabe, meu marido é muito fã do mangá, e, exatamente por isso, minha filha é Júlia Alita.  Lembrando que a JBC publica o mangá no Brasil.

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Um resumo do anime Arte do capítulo 1 ao 7 (vídeo)


O Comic Natalie postou um resumo em vídeo de 9 minutos (*que eu espero que continue on line*), acredito que lançado pelo próprio estúdio, com um resumo do anime Arte (アルテ), baseado no mangá de Kei Ookubo, até o episódio 7.  


Para quem não está assistindo, e eu estou devendo uma resenha, a série se passa em Florença, Itália, no século XVI, e os desafios enfrentados pela protagonista para conseguir atingir o seu sonho, se tornar uma grande artista.  As resenhas tem sido bem positivas.  Eu fiz um pequeno texto sobre mulheres artistas quando o anime foi anunciado, ou eu descobri que tinha sido anunciado.

terça-feira, 19 de maio de 2020

Qual o anime shoujo ou josei que você queria que tivesse uma versão totalmente nova?


Uma amiga fez essa pergunta no grupo do Facebook do Shoujo Café e muita gente participou, vocês podem ver a conversa aqui.  Eu fiquei pensando que valeria a pena trazer para o blog essa discussão e a minha opinião.  Nesse momento, um novo anime de Fruits Basket (フルーツバスケット) está em exibição, mas o primeiro anime não cobriu toda a história e a opção foi refazer tudo.  Mais que certo.  Sailor Moon (美少女戦士セーラームーン) ainda está em processo de remake, mas apesar de uma maior fidelidade ao mangá, o sucesso da nova série não se compara ao da antiga.

Ouran é perfeitinho.  Eu não faria de novo.
Não acho interessante que séries consagradas e cujos animes são muito bons sejam refeitas.  Muita gente quer um remake de Ouran Host Club (桜蘭高校ホスト部), por exemplo, mas é um anime tão bom, tão bem executado e com um dos melhores finais abertos que eu já vi.  Para quê fazer de novo?  De repente, um especial, mas de novo?  


Gosto do anime de Hanadan, tem seus momentos. 
Na época, a produção teve uma qualidade de animação
abaixo da média de outros animes, assim 

como aconteceu com Peach Girl.
Outro exemplo, eu amo Hana Yori Dango (花より男子), mas acho que um novo anime da série, lembrando que o primeiro é bem incompleto e limitado, seria meio perda de tempo.  O mangá é muito longo, cheio de barrigas (*aqueles momentos em que nada acontece de importante*), seria melhor selecionar algum arco e fazer especiais.  Afinal, é uma série tão famosa que o público japonês não ficaria perdido.  Entre um novo anime de Hanadan, cobrindo quase quarenta volumes, e um de Peach Girl (ピーチガール), que teve uma animação de baixa qualidade, também, ficaria com o segundo.  Mas há outra opção relacionada à Hanadan seria um anime da continuação da série, Hana Nochi Hare ~Hanadan Next Season~ (花のち晴れ~花男 Next Season~).  
Gekkan Shoujo Nozaki-kun tem material
suficiente para uma segunda temporada.
As eu gostaria de continuações de alguns animes.  Falei dia desses de Gekkan Shoujo Nozaki-kun (月刊少女野崎くん), a série animada cobriu muito pouco do mangá e qualquer volume que você pegue daria pelo menos um episódio comemorativo interessante.  O mangá é muito divertido e muitas personagens sequer apareceram na animação.  Outro que merecia continuação é Kuragehime (海月姫), porque a série termina de uma forma que sugere isso.  Por muito tempo, acreditei que o final deixava a indicação de outra temporada, mas ela nunca veio.

Saiunkoku Monogatari deixou tantas histórias por contar...
Eu adoraria ver uma continuação de Saiunkoku Monogatari (彩云国物语) que pegasse de onde a série parou e levasse até o final dos livros.  Não de um remake do anime original, que é muito bom, mas uma adaptação daquilo que não foi contado.  São dezoito livros, tivemos somente nove volumes de mangá e a série de TV cobre mais ou menos o que foi transformado em quadrinhos.  Só que uma coisa que um amigo disse faz muito tempo é que o anime é uma espécie de grande propaganda do mangá e de seus produtos, ele não precisa abordar tudo, não raro, é assim mesmo.  E, a depender da série, quando saiu o anime, o mangá estava em andamento.  Daí, os tais fillers, episódios inventados diretamente para a TV, porque, ou já esgotaram os capítulos disponíveis do mangá, ou a série está em hiato.  Normalmente, os fillers são de qualidade inferior.

Please Save My Earth tem uma excelente
série de OAVs, mas é muito pouco.
Quando o assunto são remakes, acredito que merecem ser refeitos animes que foram adaptações muito corridas dos mangás, ou que foram feitas sem o devido cuidado. Por exemplo, Basara (バサラ). Queria um anime que cobrisse todo o mangá e com uma animação de qualidade. Please Save My Earth (ぼくの地球を守って), que só teve seis OAVs, merecia uma longa série.   Mas percebam que nesses dois casos não bastaria esse padrão de 11, 12 episódios de hoje em dia.  Teriam que ser pelo menos 30, ou 40.  A Rosa de Versalhes (ベルサイユのばら) não merece remake do anime, ainda que eu ache que deveriam manter a trilha sonora, a série de Ikeda merece, sim, uma animação que acompanhe mais de perto o mangá. 

Amakusa 1637 de  Michiyo Akaishi, mangá histórico
com viagem no tempo, batalhas e
tudo mais, daria um anime espetacular.
Agora, há muito mangá recente que deveria e/ou poderia ser animado que não foi, nem nunca será. E isso é uma pena.  Pense que somente um mangá de Chiho Saito, Shoujo Kakumei Utena (少女革命ウテナ), teve animação (*muito boa, sem necessidade de remake, que fique claro*).  E ela faz tanta coisa legal.  Só que, ao mesmo tempo, a gente precisa pensar uma coisa, além da preferência por animarem shounen e seinen e novels, as japonesas talvez prefiram doramas e filmes.   Ōoku (大奥) nunca teve anime, nem nunca terá, mas teve dois filmes para o cinema e um dorama.  Não me surpreenderia se outro dos arcos importantes ainda terminassem adaptados com atores de carne e osso.

Furifura vai ter anime e filme para o cinema,
não duvidaria se ainda viesse mais coisa.
Não são poucas as adaptações de mangás shoujo e josei com atores de cane e osso para o cinema e TV.  Sempre está saindo muita coisa e, quando o material é muito famoso, como foi Honey & Clover (ハチミツとクローバー), ou as obras de Io Sakisaka, sai o pacote completo: anime, dorama, filme para o cinema.  Isso, claro, quando não vira peça de teatro, também.  É isso.  O que vocês acham do assunto?