quinta-feira, 8 de dezembro de 2022

Anunciado um musical coreano da Rosa de Versalhes

O Berusayu no Bara Doukou-kai, grupo do Facbook, postou o link postou o link sobre o anúncio de um musical baseado no mangá Rosa de Versalhes que será produzido na Coreia do Sul e estreará no longínquo mês de dezembro de 2023.  A produção será da EMK Musical Company.  Os nomes que aparecem envolvidos na produção até o momento são a atriz Uhm Hyun-kyung, o ator Lee Seung-joon e o diretor Wang Yong-beom.  As apresentações serão no LG Art Center Seoul LG Signature Hall.  O artigo faz referência ao espetáculo do Takarazuka, que estreou em 1974, é possível que o usem como referência para além do mangá original, pois será um musical.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2022

Inuki Kanako no Daikyoufu! : a JBC tinha anunciado um shoujo de terror e eu não tinha visto!

Nos comentários do último Shoujocast, o Matheus G. me avisou que a JBC havia anunciado outro mangá shoujo este ano, Inuki Kanako no Daikyoufu! (犬木加奈子の大恐怖!) de Kanako Inuki, uma autora especializada em terror, por isso mesmo, deixo bem evidente que não é um lançamento olhando para quem quer shoujo, mas para os fãs do gênero, por outro lado, se a editora marcasse a demografia, o que ela não faz, ajudaria as pessoas a entenderem que o shoujo abarca muitos gêneros de histórias.  Enfim, trata-se de uma coletânea com seis pequenas histórias de uma autora que foi apelidada de "rainha do terror".  Em português, o título desse volume seria "Tenha muito medo de Inuki Kanako!", o título da JBC será Contos Macabros de Kanako Inuki.  Esses contos foram publicados originalmente em v[arias revistas shoujo diferentes, o ano de referência no Bakaupdates é 1997.  A previsão de lançamento é dezembro de 2022, segundo a editora, procurei no Amazon com o título nacional e só achei a edição espanhola.

terça-feira, 6 de dezembro de 2022

Novo Shoujocast no Ar! JBC, Panini e Mythos anunciam novos mangás shoujo e josei no último fim de semana. #CCXP


A CCXP, maior feira geek/nerd/otaku do Brasil aconteceu no último final de semana (1-4/12) e a Panini e a JBC fizeram seus anúncios de novos mangás, já a Mythos, optou pelas redes sociais e nos surpreendeu com um mangá josei. Este programa é para comentar esses anúncios. Era para ter saído ontem (05/12), mas atrasou um pouquinho. Espero que vocês gostem.  Se eu pareço um pouco triste no vídeo, é porque eu estava mesmo, mas vai passar.  De resto, para quem não segue o canal, um convite.  Eu sempre esqueço de colocar aquelas mensagens "dê like" "siga o canal"  "se gostou, passe o vídeo adiante".

SUMÁRIO
00:00 Introdução
00:19 JBC
03:48 Panini
09:01 Mythos
13:57 E Ladybug?
16:54 Conclusão

domingo, 4 de dezembro de 2022

Azami no Shiro no Majo: E a Mithos também anunciou um mangá josei!

O Matt acabou de me avisar que a editota Mithos anunciou ontem um mangá josei nas suas redes sociais.  Eu realmente não sigo a Mithos e não vi ninguém comentando, desatenção minha.  O fato é que Azami no Shiro no Majo (アザミの城の魔女), que aqui se chamará A Feiticeira do Castelo, será lançado amanhã, dia 05.  Olhei no Amazon e não encontrei listado.  Como é que a gente vai poder comprar o mangá? Parece que a pré-venda é somente no site da editora (AQUI).  Enfim, o resumo no site da editora é o seguinte:  A bruxa Marie Blackwood é incumbida pela igreja de uma missão um tanto ingrata: tutelar o jovem de 13 anos Theo Edison no mundo da magia. Theo é portador do Sangue da Justa Indignação, um poder fantástico que o torna extremamente ligado aos espíritos que emprestam suas forças aos magos do mundo. Com esse poder, Theo é alguém pode trazer muito perigo ao mundo, e caberá a Marie lhe mostrar que o que todos veem como uma maldição pode muito mais ser uma bênção. Aventure-se no mundo místico e belo desta estupenda história trazida pelo selo Mythos Mangá, de mistérios, seres sobrenaturais e personagens encantadores?  

Mas não comentei quem era a autora, não é?  Pois bem, trata-se de um mangá de John Tarachine, que ganhou grande projeção por ser autora de Umi ga Hashiru End Roll (海が走るエンドロール) que é sobre a senhorinha de 70 anos que descobre seu amor pelo cinema e decide virar cineasta.  Esta série de Tarachine foi a primeira colocada no guia Kono Manga ga Sugoi! 2022 e indicada para outros prêmios.  Não sei o quanto de alcance este lançamento da Mythos terá, mas espero que seja porta de entrada para a série mais importante da autora.  Azami no Shiro no Majo  tem quatro volumes e foi publicado na Comic Tantan. 

Kieta Hatsukoi é o novo shoujo da Panini

A Panini fez seus muitos anúncios da CCXP, maior evento nerd/geek/otaku do Brasil, e que está terminando hoje em São Paulo.  O único mangá feminino anunciado foi Kieta Hatsukoi (消えた初恋), série de Aruko, conhecida no Brasil por ser a desenhista Ore Monogatari!! (オレモノガタリ!!), e Hinekure Wataru.  Kieta Hatsukoi foi um grande sucesso da revista Betsuma, recebeu prêmios, teve dorama e fechou com perfeitos 9 volumes.  Eu fiz a resenha dos primeiros capítulos lá em 2020.  O mangá tem como ponto de partida uma pequena confusão, Aoki tem uma queda por Hashimoto, a garota que senta ao lado dele na sala de aula. Mas ele se desespera quando pega a borracha dela emprestada e vê que ela escreveu o nome de outro menino - Ida - nele. Para tornar as coisas mais confusas, Ida vê Aoki segurando aquela mesma borracha e pensa que Aoki tem uma queda por ele!  

Sim, é uma série bem interessante por ser um shoujo romance escolar com uma protagonista que se descobre bissexual.  é um anúncio importante, sem dúvida, mas é muito pouco para uma editora do porte da Panini, por outro lado, eu não esperava deles mais do que um único título shoujo ou josei, há outros materiais de interesse do público feminino anunciados, claro, mas eles são seinen, ou shounen.

JBC anuncia um mangá josei na CCXP

Está acontecendo em São Paulo o maio evento nerd/geek/otaku do Brasil, a CCXP.  Todas as editoras de mangá estão presentes e a JBC anunciou um mangá josei no seu painel de sexta-feira.  Já o painel da Panini será hoje.  Enfim, foi anunciado o mangá Aoi Uroko to Suna no Machi (青い鱗と砂の街) de Youko Komiro.  A série foi publicada na (finada) revista You em 2013 e tem dois volumes encadernados.  O site da JBC apresenta a série como slice of life, mas eles não costumam utilizar as demografias nas suas descrições.  Obviamente, todo mundo sabe que Cavaleiros do Zodíaco é shounen, mas a gente tem que investigar a demografia de vários outros títulos anunciados. 

O resumo da série no Bakaupates é o seguinte: "Depois que sua vida normal e feliz se desfaz, Tokiko e seu pai se mudam para uma pequena cidade litorânea para morar com sua avó no início do seu sexto ano escolar. Lá, o som das ondas traz uma lembrança distante de quando ela visitou a localidade sete anos antes, uma lembrança de quase se afogar no mar e ser salva por um tritão. Existem mesmo sereias naquele mar? Tokiko se ajusta à sua nova vida na pequena cidade enquanto mantém a esperança de encontrar mais uma vez o tritão que a salvou."  Tenho a intenção de comprar o mangá.  A previsão de lançamento é 2023.  O Twitter da autora é este aqui, ela comemorou o anúncio do seu mangá pela JBC.


Revista cultural CREA lista os seis melhores mangás para se ler no sigilo.

Dezembro chegou e está aberta a época das listas de melhores mangás em várias categorias.  O Pro Shojo Spain traduziu a lista da revista cultural CREA para os melhores mangás femininos para o público adulto.  Como elas traduziram, deixarei o Tuite incorporado abaixo.  Mas eu fui procurar o link para a matéria que elas comentaram e encontrei outro, a premiação dos seis melhores mangás para ler tarde da noite.  Todos mangás de conteúdo erótico e 5 são josei ou TL.  Então, vou traduzir, claro! 😉

O artigo começa explicando que é cada vez maior o número de adultos interessados por mangá e que uma das maiores e-bookstores japonesas registra um pico de acessos entre as 22h e meia noite.  A matéria também traz fragmentos de entrevistas com leitores ressaltando que eles não querem somente ver cenas de sexo bem desenhadas, embora isso seja muito importante, mas que desejam desenvolvimento de personagens e que mangás muito curtos tendem a ser insatisfatórios.  Segue então a lista feita pela matéria:

1. S-friends ~Sefure no Hinkaku~ (S-friends ~セフレの品格~) de Yoriko Minato, revista Jour (josei) - Shoko é uma mulher de 36 anos, duas vezes divorciada e com uma filha no colegial.  Um dia, ela reencontra Kazuki, um amor do passado em uma reunião de colegas de escola.  Os dois passam a noite juntos e Shoko propõe que eles continuem a se encontrar sem compromisso.  Kazuki resiste, mas termina aceitando.  Shoko assa a se sentir mais feliz e satisfeita consigo mesmo por causa da nova relação. Tem scanlations.

2. Kiss de Fusaide, Bare Naide。(キスでふさいで、バレないで。) de Fudo Fudouno, revista Suki Shite? Momoiro Nikki (josei/digital) - Kaede, uma funcionária de escritório de 26 anos, está apaixonada por seu colega de trabalho, Shioya, há dois anos.  Um dia, ela perde o último trem e ele a convida para pernoitar em sua casa.  Como ele não avisou ao sujeito que divide o apartamento com ele e o sujeito chega de repente, Kaede fica envergonhada e arrasta Shioya para dentro de um armário (!!!) e, bem, as coisas acabam acontecendo.  Tem scanlations.  

3. Soredemo Ai o Chikaimasu ka?(それでも愛を誓いますか?) de Keiku Hagiwara, revista Jour (josei) - Jun Sumisu (35) e Takeyori Sumisu (39) são casados faz 8 anos e não têm filhos. Desde que parou de trabalhar, Jun vive a vida tranquila de uma dona de casa, mas agora entrando em seu quinto ano de vida sem sexo, a irritação está começando a aumentar. "Não é como se estivéssemos em condições ruins, mas eu quero voltar para quando começamos a sair." Jun decide voltar a trabalhar, começa a conhecer novas pessoas e seu marido fica inseguro.  Segundo a matéria, o mangá discute as dificuldades de uma vida sem sexo tanto para homens quanto para mulheres e que há casais japoneses que confundem abstinência sexual com contracepção. Tem scanlations.

4. Jun Waidan: Ichido Neta Dake no Onna ni Naritaku Nakatta (純猥談 一度寝ただけの女になりたくなかった) de Tomata Tagawa, revista Young Magazine (seinen/digital) - Uma coletânea de casos e experiências pessoais que deixarão o leitor dividido sobre se  deve simpatizar com eles ou não. Jun Waidan relata eventos reais sobre amor, sexo e lágrimas em formato de mangá. Cada capítulo conta uma história diferente que alguém queria compartilhar. Tem scanlations.  

5.Tonari no Seki no Hen na Senpai (隣の席の変な先輩) de Usukuchi, selo BABY G-Side (TL, digital) -   Mebuki Mayumi adora estar perto de homens bonitos, de sair com eles, enfim.  Ela acredita que é seu dia de sorte, quando é transferida para a seção de vendas, que parece reunir todos os homens mais gatos da companhia.  O problema é que o cara que senta na mesa ao lado, Asahina Akio, seu senpai, tem uma grande atração por ela e é um sujeito pegajoso, pervertido e que se comporta como um stalker.  Este aqui parece ser para quem gosta de fetiches, é algo que o artigo da CREA deixa em destaque. Tem scanlations.  

6. Tabe-san wa Taberaretai (田部さんは食べられたい) de Sangou Kurisaki, selo Pomme Comics (TL/digital) - Mistura de mangá erótico com gourmet.  A mocinha é uma office lady que tem dificuldades em comer em público, pelo que alguém explicou no Bato-to, a coisa tem a ver com a mãe dela, talvez alguma pressão por causa de peso, ou de etiqueta.  O mocinho fica excitado quando conseguiu vê-la comendo sozinha, mais tarde, em uma festa dos funcionáros em um restaurante, ela meio que a obriga a comer e os dois se agarram e ela foge.  Depois, ele se prostra diante dela (dogeza) se desculpando.  Não tem scanlations, mas os dois primeiros capítulos raw estão disponíveis.  O traço é muito bom, apesar das capas serem bem mais ou menos.

sábado, 3 de dezembro de 2022

Comentando 200 M Saki no Netsu: Um início promissor para um mangá cujas personagens se comunicam muito mal

Estava passando pelo Bato-to e vi a recomendação do mangá 200 M Saki no Netsu.  A protagonista com dois sujeitos e havia a tag "smut" (obsceno, lascivo) e fui ver qual era a do mangá.  Quando olhei o nome da autora,  Toumori Miyoshi, de Akuma to Love Song (悪魔とラブソング), já imaginei que essa tag estava errada, trata-se de uma autora de shoujo que não costuma enveredar por essa seara. Há sexo no mangá?  Há, sim, mas não colocarei NSFW, apesar de acreditar que é material para maiores de 16 anos, que deve ser, aliás, a média de idade do público da revista Cookie, a mesma que publicou Nana.   Enfim, não se trata de um mangá novo, ele já vai no seu 6 volume, mas só temos (*em inglês*), três capítulos em scanlations, enquanto escrevia este texto, saiu o 4.  O resumo oficial da série é o seguinte:

Kikka Tsumugu (28 anos) mora sozinha no 2º andar de um prédio de apartamentos. Kikka trabalha como "wasai" (fabricante tradicional de roupas japonesas) em casa, trabalho contratado por Mashimo, seu ex-namorado do colégio. Um dia, Kikka foi selecionada para ser membro do conselho do complexo de apartamentos em que ela mora e conhece um colega residente chamada Hirara...!? Mashimo mora a 200 metros da casa de Kikka e Hirara mora 200 metros acima. O triângulo amoroso vertical e horizontal começou!

Comecemos pela mocinha, Kikka é tímida, extremamente doce e solitária.  Seus pais morreram cedo e ela herdou o apartamento deles, antes, ela era vizinha de muro de Mashimo.  Ela optou por não ir para a universidade e cursou uma escola profissionalizante capacitando-se como artesão de kimonos.  Ela é muito competente em sua arte e vive de forma bem confortável.  Kikka mal sai de casa e Mashimo, que a estimula (*na verdade, meio que exige*) a sair e fazer mais cursos de capacitação, a chama de hikikomori.  São considerados hikikomori, pessoas que se mantém em casa por mais de seis meses sem estarem se dedicando ao cuidado com crianças ou atividades domésticas, mesmo sem estar doentes.  Bem, não sei se Kikka pode ser qualificada como tal, afinal, ela trabalha em casa, fora isso, ela se sustenta e se mantém saudável física e mentalmente.

Além de trabalhar, Kikka assiste vídeos de cachorrinhos para alegrar seu dia.  É verdade que a ligação de Kikka com o mundo é Mashimo, funcionário da empresa que compra seus kimonos.  Por acaso, ele foi seu colega de colégio, seu primeiro namorado e com quem teve uma traumática primeira vez.  A lembrança dessa relação sexual pouco compensatória volta a mente da moça constantemente.  Os dois eram namoradinhos, ela não estava preparada, tudo começou por iniciativa dele (*que estava munido de uma camisinha*), mas em dado momento, o rapaz para e sai correndo.  A partir daí, Mashimo passa a evitar Kikka, que fica sem entender nada, só reaparecendo dez anos depois para contratar seus serviços.

Mashimo reaparece bem sucedido, seguro de si e vive cercado de mulheres bonitas.  Ele é muito ambicioso e pressiona Kikka para que ela se qualifique mais e saia da sua bolha, fazendo inclusive pouco caso dele.  Na verdade, e isso se comprova no capítulo 4, ele parece desejar reatar com a moça, mas quer moldá-la ao seu gosto.  Do jeito que está, ela não lhe serve, ou essa é a mensagem que ele passa.  Mashimo acredita que Kikka e ele irão se entender e que a moça nunca terá uma opção melhor. Uma amiga fez uma comparação com o Gaston de A Bela e a Fera e eu acho que é por aí mesmo. Ele planejou milimetricamente sua vida profissional, pretende casar até os 30 anos de idade, já escolheu inclusive a escola particular de elite que seus futuros filhos irão frequentar.  E Kikka nada sabe sobre seus sentimentos, ainda que ele lhe conte seus planos.

Um dia, Kikka conhece um vizinho e pensa que se trata de um adolescente.  Kikka fica fascinada pela beleza do sujeito e quase cai para trás ao descobrir que ele tem 38 anos. Ele parece amaldiçoado pela eterna juventude.  E a autora, não sei por qual motivo, a autora investe na linha do "ele é muito velho para mim", fazendo com que Kikka se encolha e imagine que não pode sequer sonhar com o sujeito.  Só que sonha e o acha fofinho como os cachorrinhos dos vídeos que assiste.  Acho que as capas do mangá trazem um gato e um cachorro às vezes, porque Mashimo é o gato preto (*arisco*), enquanto Hirara é o golden retriever (*ou seja, um cachorrão bonito e dócil*)

Hirara, é um famoso compositor de trilhas sonoras e tão recluso quanto Kikka.  Sabemso somente isso sobre ele e que, claro, ele mora no apartamento mais caro do complexo, a cobertura.  Ambos se aproximam, porque são colocados à força no conselho do condomínio.  Sim, é à força mesmo, ninguém pergunta se o morador deseja e a coisa vem quase como uma intimidação.  Kikka começa a assistir filmes, séries e comerciais com músicas compostas por Hirara, fantasiar com ele e desejar que as reuniões mensais do conselho do condomínio cheguem rápido.

No fim das contas, Hirara e Kikka se beijam e o homem a convida para que sigam para seu apartamento.  Eles acabam quase transando, digo quase, porque ele descobre que ela é virgem, ou assim parece, e decide ir mais devagar.  Temos nossa mocinha mais uma vez frustrada em uma relação sexual, desta vez, uma que ela tinha desejado conscientemente.  Hirara parece não querer comprometê-la, ou tem medo de se envolver com uma mulher inexperiente, de tirar-lhe a virgindade e sugerir que deseja uma relação duradoura, o fato é que ele tenta animá-la e é gentil com ela, mas sexo não rola.  

Já Mashimo, vê os dois juntos no mercado e vê que Kikka não está sozinha como sempre e esperando (*na imaginação dele*) por um estalar de dedos dele.  O capítulo 4 é centrado nos delírios dele, nos planos de futuro que incluem a moça sem que ela seja consultada e de como ele decide tentar melar o que ele acredita ser o romance da moça com Hirara.  Enfim, já nesse comecinho de mangá, conhecemos muito de Kikka e Mashimo, mas de Hirara quase nada.  De qualquer forma, até o momento, é o vizinho da cobertura o melhor dos dois, resta saber como a protagonista irá crescer e transformar sua vida em algo mais satisfatório para ela.

Agora, o que eu realmente não entendo é esta ênfase da autora de que há uma diferença de idade (age gap) muito grande entre Kikka e Hirara.  Ambos são adultos, ele parece dormir no formol, e estão aptos a decidir com quem querem se relacionar.  Dez anos não é algo tão grande assim, aliás, é o que temos em Nigeru wa Haji da ga Yaku ni Tatsu (逃げるは恥だが役に立つ) e ninguém fica escandalizado.  Este tipo de preocupação deveria existir em materiais que tratam de relações amorosas/sexuais entre adolescentes e adultos, mas não é o caso, Kikka é uma mulher adulta. E mais, um homem controlador e machista de 28 anos não é melhor do que um cara legal (*até o momento*) de 38 anos. É o único porém que eu tenho com o mangá até o momento.

Como só encontrei quatro capítulos em inglês, não tenho muito mais o que dizer.  Tomando pelo início, não imaginei que essa história pudesse render tanto, seis volumes até o momento.  É material que tem potencial para virar dorama e não me espantaria com um anúncio futuro.  A  série tem algum  conteúdo sexual e a autora desenha muito bem, então, é preciso ter cuidado com isso.  Os mangás da autora para a Margaret eram bem menos gráficos.  De resto, recomendo 200 M Saki no Netsu e quero ler mais.