terça-feira, 31 de julho de 2018

Para quem quiser ouvir o Shoujocast


Lá em 2009, eu decidi criar um podcast.  Começou de forma bem precária.  Aí, o amigo Anderson sugeriu um nome "Shoujocast".  Vieram companheiras, a Lina Inverse, depois a Tanko e, por fim, a Tabby e, bem, fizemos 52 programas.  Pouco, eu sei, mas as agendas desencontraram.  Sempre penso em voltar, mas ainda não houve como.  Bem, eu queria disponibilizar os programas, mas descobri que não tinha todos. Perguntei se a Lina tinha.  Ela organizou tudinho e disponibilizou para download (*AQUI*).  Tudinho, não, faltou o programa 52, então, coloquei no Youtube.



Eu parei para escutar um dos meus programas favoritos o duplo sobre Orgulho & Preconceito e foi um prazer muito grande ouvir a voz das amigas queridas e da convidada especial, a Adriana Salles.  Que conversa legal foi aquela.  Enfim, se você quiser relembrar, ou conhecer o Shoujocast, esta é a oportunidade.

domingo, 17 de junho de 2018

31 Dias de Desafio Shoujo: Vamos ver se eu consigo vencer!



Na impossibilidade de fazer um post por dia por enquanto, vou deixar no topo este desafio que vi circulando no Twitter e vou acrescentando dia a dia as informações.  Tem um número repetido, o três, como é um mês de 31 dias, vou contar em sequência até 31.



DIA 1 - Primeiro Shoujo que você leu: Acho que foi Fushigi Yuugi (ふしぎ遊戯) que era publicado em capítulos na revista Animerica.  Será que estou me confundindo? Consegui comprar uns números.  X (エックス), da CLAMP, era publicado lá, também.   Isso é certeza.  Eu sei que comprei um volume americano de Vampire Princess Myu (吸血姫美夕- Kyuuketsuki Miyu) antes, mas não vou considerar que li essa edição que estava bem no meio da história.



DIA 2 - Shoujo Mangá Favorito de Todos os Tempos: Difícil isso... Vou colocar um shoujo que eu adoro, gosto em todos os sentidos, Waltz wa Shiroi Dress de  (円舞曲は白いドレスで) e suas continuações Lilac Nocturne (紫丁香夜想曲) e Magnolia Waltz  (白木蘭円舞曲).  Chiho Saito no seu melhor, urdiu uma bela trama, construiu personagens interessantes e nos ofereceu uma protagonista contestadora que toma nas mãos o seu destino e não fica com o primeiro cara por quem se apaixonou... nem com o segundo... ^_^  Tem resenha aqui.



DIA 3 - "Ultimate shoujo hero crush" (*Como eu traduzo isso mesmo?! O meu crush herói de shoujo definitivo?  Fica melhor em inglês...*): Complicado, mas vamos de Masaomi de Waltz wa Shiroi Dress de (円舞曲は白いドレスで). Que começa como um oresama guy (*Não sabe o que é isso?  Clique AQUI*) semi-detestável, é largado pela mocinha (*que foge com outro na noite de núpcias dos dois*), amadurece e se torna digno dela.  E ele é o personagem masculino favorito da própria Chiho Saito. 



DIA 3/Parte B - Meu shoujo Anime Favorito de Todos os Tempos: Ace Wo Nerae! (エースをねらえ!), nem vou pensar duas vezes, ainda que eu tenha várias séries do coração.  Ace wo Nerae!, a primeira temporada, capturou a atmosfera do mangá e criou sequências eletrizantes com poucos recursos tecnológicos. O uso da cor, especialmente.  Além disso, temos a música... E, sim, tinha muito drama, sangue, suor, lágrimas, akogare, incesto não consumado e uma torre na escola, porque o Osamu Dezaki gostava dessas coisas e colocou em Ace wo Nerae e, depois, no anime de Oniisama E...  (おにいさまへ…), também.
DIA 4 - Heroína Shoujo Favorita: Há várias heroínas de shoujo mangá que eu gosto bastante, falei duas vezes de Waltz, por exemplo, gosto da Koto.  Gosto da Hiromi de Ace wo Nerae!.  Da Yuuri de Anatolia Story (天は赤い河のほとり). Da Kira de Mars (マース ).  Da Tsukushi Makino de Hana Yori Dango (花より男子).  De Utena... Só que a minha heroína de shoujo mangá favorita é Oscar da Rosa de Versalhes  (ベルサイユのばら) e friso bem: a do mangá.  A personagem que vemos amadurecer, que nunca se arrepende de ser um soldado, que tem senso de humor, que ama, que se mostra frágil e forte, que amadurece, que enfrenta o patriarcado, sim, que toma as decisões trágicas e se responsabiliza por elas. Que bom que esta Oscar, a que Ikeda inventou, será conhecida no Brasil em breve.



DIA 5 - Melhor Cena de Beijo em Shoujo: Achei difícil esse dia, porque beijo, especialmente, primeiros beijos em muitos shoujo não são bem consensuais.  Mas lembrei de Ōoku (大奥) e da bela sequência na qual Emonnosuke, camareiro-mor da shogun Tsunayoshi finalmente se declara para a sua senhora e morre depois de, pela primeira vez, fazer amor por amor e, não, por dever e para procriação.  Emonnosuke nunca tinha sido amante da shogun, porque não queria dividi-la com outros, mas fazia amor com Tsunayoshi através dos homens que lhe apresentava.  No volume #6, já velho, ele é capaz de romper o protocolo de beijar e fazer amor com Tsunayoshi.  Lembro que, na época, chorei muito com essa sequência, e já reli várias vezes.  Um dos pontos altos da série.



DIA 6 - Clichê Favorito: Um... há dois que eu gosto bastante, mas vou escolher o de roteiro, a inimiga que se torna amiga, ou aliada.  O fato das autoras japonesas favorecerem alianças entre as mulheres e, não, que se autodestruam por um homem.  Temos, por exemplo, Tsukushi e Sakurako, em Hana Yori Dango (花より男子).  A Sakurako nunca deixará de ser sinistra e uma figura meio perigosa, mas uma vez que se torna amiga da protagonista,torna-se uma aliada preciosa.



DIA 7 - Casal mais Fofo: Coisa complicada... Escolher somente um?  Kira e Rei de Mars (マース).  Gosto da forma como a relação dos dois se constrói, como ambos se beneficiam com ela, como Kira se empodera (*quem leu o mangá sabe que, neste caso, o termo é realmente adequado*), como ele cura suas feridas.  Um dos melhore shoujo que eu já li.  



DIA 8 - Shoujo Mangá com a Arte mais Bela: Qualquer um da Chiho Saito.  A mulher não deixa a peteca cair nem quando faz mangá Harlequin. ❤  A imagem acima é de séries mais antigas dela e ela só faz melhorar.



DIA 9 - Ship Impopular que Você Apoiou: Realmente, tenho que passar... Acho que nunca shippei nenhum casal de shoujo mangá que não fosse aquele que a autora quisesse que a gente torcesse.  Acho que nem em Hot Gimmick (ホットギミック), mas não cheguei a torcer realmente  para que o Azusa, que parecia super boa gente em comparação com o babaca do Hiroki, ficasse com a protagonista... Nem precisou da sequência doentia em que, para se vingar do pai da menina (*que nem era culpado daquilo que o garoto achava que ele tinha feito*), o cara entrega Hatsumi para ser estuprada por uma gangue de marginais.  Sim.  Hot Gimmick é tenso.  Mas acho que não cheguei a torcer nem pelos protagonistas.  Lia pelos coadjuvantes mesmo.



DIA 10 - A Pior Série Shoujo que Você Já Leu:  Olha, quando eu considero um mangá ruim, normalmente, eu largo.  Agora, já fiz leitura dinâmica de algumas coisas bem lamentáveis.  Acredito que o mais forte candidato a pior shoujo que eu li foi Uwasa no Midori-kun!! (うわさの翠くん!!), da Go Ikeyamada.  Era tão sem pé nem cabeça e com muito fanservice e mensagens absurdas que me fez tomar ranço da autora.  É ruim, mas é ruim mesmo e eu fiz uma pequena resenha.  Agora, já que ontem falei de Miki Aihara, há dois dela que me dão nervoso.  So Bad! , que tem como protagonista uma garota brilhante, aluna com grande potencial, mas é filha de uma doméstica.  É tradição na sua família servir à Casa dos Renjo.  Os três filhos dos patrões de sua mãe, que pagam os estudos da heroína, adoram pisar nela.  Um dia, sua mãe tem um enfarto e fica impossibilitada de trabalhar e EXIGE que a garota coloque seus sonhos e estudos de lado para ocupar o lugar da mãe de empregada particular da família Renjo, com os três moleques atormentando a menina.  Só o começo da história já me dá nervoso. Ainda de Miki Aihara, temos Sensei no Okiniiri!  (先生のお気に入り!), ou Teacher's Pet.  A mocinha é professora, é feliz com o noivo, mas, um dia, vê alguém molestando no trem ou metrô (*faz tempo que li*) o que ela pensa ser uma de suas alunas... Na verdade, era um aluno e o irmão caçula do noivo da moça.  O garoto fica se sentindo humilhado e só para mostrar que é macho, violenta a professora.  Não, não considero que tenha sido consensual.  Só que ela acaba "gostando" (*clichê do gênero*) e eles começam um "relacionamento" secreto.  Obviamente, problemas irão acontecer, mas, para a autora, o importante são as situações sexuais da história... 

sábado, 26 de maio de 2018

“Kimi ni, Kuttsuke!” : A Propaganda de Cola Japonesa que é um Shoujo Anime


Ainda nas comemorações do dia do Beijo no Japão (23 de maio), o Sora News publicou a propaganda da Aron Alpha, uma cola instantânea fabricada pela empresa Toagosei. Em um minuto e meio, eles conseguiram reunir boa parte dos (bons) clichês do shoujo mangá escolar em uma historinha muito simpática.

A campanha “Kimi ni, Kuttsuke!” (君に、くっつけ!/Grudado em Você!), que eu acho que brinca dom o título do mangpa Kimi ni Todoke  (君に届け), conta a história de Tsukuno Imasugu, uma aluna do segundo ano que tem como hobby plastimodelismo.  (Esta é a parte não-clichê.)  Para colar suas maquetes, ela usa a cola Aron Alpha.  Ela muitas vezes fica absorvida pelo seu hobby, mesmo entre os intervalos entre as aulas.  Um dia, o garoto mais popular da escola, Tsuyoshi Kuttsu, vem falar com ela e comenta sobre seus modelos.  Me pareceu que fazendo algum gracejo.  Ela o adverte de que não quer conversa com ele e que ele deveria deixa-la em paz.  O rapaz, que estava acostumado a ter qualquer garota, insiste, obviamente.  E eles acabam virando um casal.


Só que aí aparece a ex-namorada do mal, Shunka Hayasugi, a menina mais popular da escola e que detesta perder qualquer coisa... Ela ainda gosta de Kuttsu e quer o sujeito de volta.  Daí, tome bullying para cima de nossa heroína e suas maquetes acabam sendo vitimadas pela fúria de Hayasugi e suas amigas.  E haja cola para consertar... E há ainda Tarou Hagashi, o estudante perfeito, mais inteligente, mais premiado, mas tímido, e que é apaixonado por Tsukuno.  Será que ela ainda irá olhar para ele?  O vídeo está aí embaixo:


No SN há ainda versões mais curtas da propaganda e imagens das personagens, suas fichas e o nome dos dubladores responsáveis pelas vozes.  Ficou legalzinho mesmo.

Novo trailer do OAV de Asago to Kazae-san。


O OAV de Asago to Kazae-san。(あさがおと加瀬さん。) será lançado no dia 9 de junho.  O Comic Natalie publicou um vídeo com senas do anime.    

O anime é baseado na série de Hiromi Takashima que conta o romance de Yamada, uma menina tímida e um tanto desajeitada, que ama flores, especialmente, as dos jardins de sua casa.  Um dia, a atenção da garota é despertada por Kase-san, uma colega de outra classe, uma atleta, muito diferente de Yamada, que termina descobrindo uma nova forma de beleza.  Parece ser fofinho.

Art Book celebra os 15 anos de Carreira da autora de Akatsuki no Yona


Mizuho Kusanagi, que ficou bastante conhecida por causa de seu sucesso Akatsuki no Yona (暁のヨナ), está completando 15 anos de carreira.  Por conta disso, a última edição da revista Hana to Yume, esta da capinha aí embaixo,   trouxe um art book lindinho e de graça da autora.  Sim, é brinde!


O site 漫言空間 (*não tem nome transliterado, não*) publicou imagens do art book.  Como a dona pede que a gente não copie as imagens, afinal, o trabalho foi dela, estou colocando só algumas.  Se você quiser, visite o site.



De qualquer forma, acho que para os fãs da autora, ou do mangá, vale a pena gastar alguns dinheiros e encomendar a HanaYume que vem com o art book.  Visite o CD Japan, ou, de repente, encomende na Fonomag.

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Notícia triste do Dia: Revista Betsuhana é cancelada

A última capa.
Uma pessoa postou assustada no Facebook esta notícia: a Hana to Yume foi cancelada.  Eu não tinha visto no Comic Natalie ainda.  Calma.  É notícia TRISTE, sim, mas foi a Bessatsu Hana to Yume, uma edição irmã da Hanayume original.   O fato é que o mercado japonês está mudando e as antologias, o processo é mais rápido entre as revistas josei e shoujo, estão migrando apra formato digital.  O chato é quando a revista acaba mesmo, caso da Betsuhana.  O volume que saiu no dia 26 de maio (*já é 26 no Japão*) foi o último.  E o que acontecem com as séries?  Como o My Anime List explicou, vou utilizar o texto deles como base.

Kyuuketsuki to Yukai na Nakama-tachi entra em hiato.
Boku wa Chikyuu to Utau (ぼくは地球と歌う)de Saki Hiwatari vai apra a revista Melody e começará a ser publicado em 28 de agosto.  A Melody é bimestral.  A maioria das outras séries da revista, Wonder Honey (ワンダーハニー) de Emura, Hyakka Mangekyou (百花万華鏡) de Rei Izawa, e Momomomotto! (ももももっと!) de Hisaya Nakajo vão ser publicadas direto no aplicativo Manga Park, sem revista, no dia 26 de junho.  Outras autoras da Betsuhana (*Nanpei Yamada, Shigeru Takao, Ritsu Miyako e Banko Kuze*) serão transferidas para uma nova revista digital (*então, alguma revista vem para o lugar da Betsuhana*), a Hanamaru.  Já Nanpei Yamada, Shigeru Takao, Ritsu Miyako e Banko Kuze irão para outra nova revista digital, a que estreia no outono japonês, a Hanayume Ai. Já Kyuuketsuki to Yukai na Nakama-tachi (吸血鬼と愉快な仲間たち) de Marimo Ragawa e Narise Konohara retorna na primavera na revista Hanayume Ai, 2019, portanto... 

Imagino que Glass Mask vá para a Hanayume normal.
Resumindo, morre uma revista de papel, porque a Betsunaha, que foi lançada em julho de 1977, morreu mesmo, e entram duas novas revistas digitais.  Por qual motivo não manter a Betsuhana no mesmo formato?  Enfim, os japoneses é que sabem... Foram publicados na Betsuhana: Otomen (オトメン), além dos clássicos, Glass Massk (ガラスの仮面) e Patalliro (パタリロ!), por exemplo.

Os japoneses beijam no primeiro encontro? Eles e elas responderam.


Dia 23 de maio é o Dia do Beijo no Japão.  Pensei que a pesquisa seria o tema mais importante do post, mas indo pesquisar o motivo da data, encontrei uma informação muito legal.  Dia 23 de maio de 1946, bem naquele período mais terrível do pós-guerra, estreou o filme Hatachi no Seishun (はたちの青春), de Yasushi Sasaki.  


Este filme trazia a primeira cena de beijo do cinema japonês e o tal beijo era exatamente a primeiríssima cena do filme.  Uau!  Lembrou do impacto da primeira cena de Kaze to Ki no Uta (風と木の詩), de Keiko Takemiya, que abre com uma cena de cama, enfim... O site Iromegane, diz que foi um simples Seppun (接吻), um toque de lábios.  Bonitinho?  Eu achei... 


Mas vamos lá, o Sora News publicou os resultados de uma pesquisa com 6,510.  33% delas diz que o terceiro encontro é o momento ideal para um primeiro beijo.  O resultado geral foi o seguinte:

1. No terceiro encontro (2,127 pessoas)
2. No primeiro encontro (1,753 pessoas)
3. No Segundo encontro (1146 pessoas)
4. No quinto encontro, ou depois (910 pessoas)
5. Só no casamento (184 pessoas)

Desmembrando por sexo, o terceiro encontro é popular tanto com homens (33%), quanto mulheres (34%).  Já no primeiro encontro, 22% para eles e 24% para elas.  O SN ressalta que os resultados são semelhantes para a maioria das faixas etárias, menos para as pessoas de 30 anos, com 30% respondendo que beijar no primeiro encontro era o ideal, com 24% para o terceiro encontro.  


Bem animador, eu esperava resultados diferentes.  Afinal, em mangá, às vezes o beijo, beijo mesmo, demora horrores para sair... Agora, algo que eu não sei, não sei mesmo, é se os japoneses se beijavam, e não falo somente do beijo entre amantes, antes do contato com os Ocidentais.  Beijo, vocês sabem é prática cultural.  O fato é que em algumas culturas, o beijo é visto como ritual normal do namoro.  Em outras, pode ser uma preliminar do sexo.  Daí, muitas vezes, em um mangá o beijo demora a sair, mas quando sai, o sexo vem quase que em seguida.  Cultural, enfim, mas os japoneses dialogam com outras culturas e, como a pesquisa aponta, a relação com o beijo vem mudando.

Novo Mangá de Ichigo Takano faz a revista Manga Action esgotar


Segundo o Manga Mag, a edição de junho da revista seinen Manga Action, e que saiu em 24 de abril, esgotou-se.  A estréia de Kimi ni Nare (君になれ), nova série da autora de Orange (オレンジ), provocou uma corrida às lojas.  A revista foi lançada em 2013 e isso nunca tinha ocorrido.  O desdobramento da coisa é que a editora disponibilizou o capítulo um gratuitamente on line.  Ele pode ser acessado AQUI.  Enfim, muito sucesso para Ichigo Takano.  Muito mesmo.