quinta-feira, 7 de agosto de 2008

O que ando fazendo esses dias: Comentando Jane Eyre (1983), mas não é uma resenha



Sei que quem visita o blog com regularidade, deve estar achando as coisas meio devagar. E estão mesmo, em parte por falta de notícias, mas, também, porque estou tentando compensar as duas semanas de corre-corre com o gato, estou tendo que colocar em dia o meu trabalho. A volta às aulas também tem me ocupado e estou muito cansada. Espero poder regularizar tudo em breve.

Sei que quando conseguir minha alforria, que espero ser breve (*imprimi pela primeira vez a tese, ainda incompleta e vi que estava betendo 200 páginas... Acho que ainda devem entrar umas 60 pelo menos. Não sei se fico feliz ou me desespero*) vou mergulhar em uma orgia de mangá, anime, literatura e cinema. Tenho uma pilha de livros aqui para ler, romances de clássicos ao trash, livros que nada tem a ver com meu trabalho; os mangás nem vou contar,a pilha parece infinita. Até minha leitura de Nodame atrasou.

De filmes, estou juntando tudo que encontro do Colin Firth. Quando começar, acho qeu vou ter com que me deliciar por muito tempo. Até filme com temática gay com o ele e o Kenneth Branagh eu encontrei. Dos que baixei só assisti A Hora do Porco, excelente filme medieval, bem realista, bem sujo, com umas cenas de sexo e o Colin Firth pelado. Se sair em DVD por aqui, eu compro. Acho que poderei usar para dar aula. O que não termina mesmo é a versão de Dama das Camélias que ele fez bem novinho. Ninguém parece ter o arquivo completo no E-Mule e aqui no brasil, se saiu foi em VHS.




Outra coisa que estou baixando é a versão de Jane Eyre da BBC de 1983. É com o Timothy Dalton, que foi 007. Eu não tinha grandes idéias sobre ele até que o vi novinho em O Leão no Inverno contracenando de igual para igual com o Peter O'Toole, coisa que não é para qualquer um. Bem, o Mr. Rochester dele me parece o melhor que já vi, além do homem estar lindo de morrer. O último, Toby Stephens, pode ser mais sensual, mas o do Timothy Dalton está em outro nível de discussão. E ele fica realmente destroçado depois do incêndio e não só meio "machucadinho" como na versão de 2006. Fiquei realmente surpresa e gostei tanto que já encomendei os DVDs no Amazon. Não terminei de baixar, mas não fizeram as mudanças que estão na excelente versão de 2006.

Eu amo Jane Eyre, então, quanto mais fiel melhor. A atriz que contracena com ele, Zelah Clark, é boa, mas me passa uma impressão de fragilidade que não casa muito bem com a personagem. Prefiro a Ruth Wilson, atriz da versão de 2006, para mim a melhor jane de todos os tempos. E eu assisti quase todas as versões (1934, 1944, 1970, 1983, 1996), menos a com Charlton Heston (*vi isso no youtube, mas agora não acho*) para a TV americana e a de 1997 que é muito mal falada e tem um Rochester de bigode... Ah, sim! E não assisti a versão de 1973 da BBC, já li que esta é a melhor de todas. Mas há outras versões, a maioria menos conhecida, fora o musical que é ótimo. Só falta va encontrar um mangá para que eu ficasse ainda mais contente. Jane Eyre é um livro magnífico e muito adaptado.

Os filmes de 1944 e 1996 cortam ou diminuem o impacto uma das minhas partes preferidas do livro, que é quando Jane encontra os primos. Aliás, a versão de 1996 foi feita pelo Franco Zeffirelli, e é talvez o filme mais contido que eu vi dele, quando o homem poderia enfiar o pé no dramalhão em alto estilo, ele não fez. Decepcionante. A versão de 1944 tem o vozeirão de Orson Welles, espetacular, mas mutila o livro e oferece uma Jane (Joan Fontaine), bonita demais. Quem leu o livro, já entendeu. A versão de 2006, muda Índia por África, coloca uma cigana de verdade e não Rochester fantasiado e tem a fase da infância muito fraca, fora uma Adéle que é a mesma atriz o tempo inteiro. A versão de 1970 tem um elenco muito velho para os papéis, mas a melhor reconstituição da fase de Jane no colégio, quando assisti menina ficou grudado na minha memória. E a de 1983 até onde vi caminha perfeita, mesmo que com uma Jane fragilzinha e pequena. Não gostei da opção pelo figurino de fins dos anos 30 do século XIX, ma isso é o de menos.

É isso, acabei escrevendo demais. Se ficar uns dias sem postar, não se espantem. Estou realmente muito ocupada.

GOSTOU?

6 pessoas comentaram:

vc ainda tem o vídeo do casamento da laura e do miguel no desejo proibido... queria por causa da fala... é mto lindo.. no you tube naum esta disponivel mais

meu msn

prihhh___@hotmail.com

Me ajude se tiver

Acho que o que você quer é este vídeo. Continua no ar na minha página.

Valéria, alguma dessas versões tem o William Hurt? Agora não sei se o filme era Jane Eyre, ou era outro. Agora eu já não sei de mais nada....

Tabby, a versão com o William Hurt é a de 1996, dirigida pelo Franco Zeffirelli. Acho bem inferior às versões da BBC e mesmo a de 1970, por mais fora da idade que os protagonistas estivessem.

Obrigada! Vou tentar encontrar as outras versões que você comentou. Achei o filme legal quando vi, deve ser porque a história original é muito boa.

Olha, a última versão da BBC (2006) é fácil de baixar e tem legendas até em português. :) Eu recomendo. Você vai ter uma outra visão da obra. Ah! E eu recomendo ainda mais o livro. Deveria ser leitura obrigatória para todos os adolescentes, especialmente as meninas.

Related Posts with Thumbnails