segunda-feira, 10 de julho de 2017

9 de julho de 2017: O Cais do Valongo, no Rio, vira patrimônio da Humanidade


O 21º patrimônio histórico reconhecido pela ONU no Brasil é o Cais do Valongo, na zona portuária do Rio de Janeiro.  Principal porta de entrada de africanos e africanas escravizados no Brasil por muito tempo e, por conta disso, um dos mais importantes locais de entrada nas Américas.  "É o mais importante vestígio físico da chegada dos escravos africanos ao continente americano", disse, em nota, a Unesco.  "Segundo o Iphan, o desembarque de escravos no Rio foi integralmente concentrado na região da Praia do Valongo a partir de 1774, e ali "se instalou o mercado de escravos que, além das casas de comércio, incluía um cemitério e um lazareto". O calçamento de pedra que constitui o Sítio Arqueológico do Cais do Valongo foi parte das obras de infraestrutura realizadas em 1811, "com o incremento do tráfico e o fluxo de outras mercadorias".", diz a matéria da BBC.

Escondido por décadas, seus vestígios foram localizados quando das obras do Porto Maravilha, nos preparativos para as Olimpíadas do Rio,que ocorreram  no ano passado.  O Itamaraty saudou a confirmação por parte da UNESCO com uma nota: "O Cais do Valongo é um local de memória, que remete a um dos mais graves crimes perpetrados contra a humanidade, a escravidão. Por ser o porto de desembarque dos africanos em solo americano, o Cais do Valongo representa simbolicamente a escravidão e evoca memórias dolorosas com as quais muitos brasileiros afrodescendentes podem se relacionar".  Já o ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes, se manifestou da seguinte forma:  "Que a história da Diáspora Negra seja sempre lembrada. Que as origens de nosso país, de nossa formação e de nossa cultura possam ficar marcadas. Que a violência dos homens possa ser sempre recordada para que não se repita".


O Cais do Valongo, único preservado das Américas, vem se somar com outros monumentos que tem como objetivo lembrar - não comemorar, é importante lembrar - momentos tristes e trágicos da História da Humanidade, como um memorial em Hiroshima, no Japão, e o Campo de Concentração de Auschwitz, na Polônia.  É um local de memória do sofrimento.  Segundo o El País, "Com a construção do Museu do Amanhã no píer Mauá, muitos cobraram que a Prefeitura aproveitasse a reforma da região para  também resgatar e valorizar a história dos negros que por ali passaram. Em junho deste ano, a Agência Pública lançou o aplicativo Museu do Ontem com o objetivo de revisitar este passado. Sob a gestão de Marcelo Crivella, o Executivo começou a debater neste ano a construção de um museu da escravidão em local próximo ao Valongo."

De resto, apesar de muitos tentarem, hoje, creditar a responsabilidade da escravidão, que era parte do sistema colonial e da economia de países como Brasil e Estados Unidos mesmo depois das suas independências, aos africanos, os que mais lucraram com o comércio humano foram os grandes traficantes de escravos,que cruzavam o Atlântico com seus navios negreiros, os grandes fazendeiros e os governos metropolitanos e, depois, independentes.  (*E, não, não estou negando práticas africanas escravistas, tampouco, o riquíssimo comércio de escravos para o mundo árabe-muçulmano, simplesmente, focando no tráfico Atlântico, que é o que nos toca particularmente, que alimentou o sistema colonial, o mercantilismo moderno e o capitalismo no século XIX.  Mas isso não é assunto do post.*)

GOSTOU?

0 pessoas comentaram:

Related Posts with Thumbnails