domingo, 28 de abril de 2019

Por que as comics shops estão fechando quando os super-heróis fazem tanto dinheiro? (Artigo Traduzido)


Tropecei nesse artigo do The Guardian enquanto estava escrevendo minha resenha de Vingadores: Ultimato, como as coisas estão interligadas, decidi traduzir e postar.  Enfim, apesar dos contraditórios, parece que as comic shops estão agonizando.  O texto foca somente dos custos de uma loja de rua, aprofunda pouco a questão de que o formato americano tradicional se tornou menos atraente em nossos dias, não fala que as comic shops ao longo do tempo afastaram o público feminino (*e isso é sabido de muito tempo*), ou coisas do gênero.  De qualquer forma, é interessante ver que o sucesso no cinema não catapultou as vendas das lojas de rua, ainda que as vendas dos quadrinhos de super-herói continuem indo bem.


Por que as comics shops estão fechando quando os super-heróis fazem tanto dinheiro?

O mais recente filme dos Vingadores deve arrecadar US$ 1 bilhão em sua semana de estreia, mas as lojas que são o lar original desses personagens estão lutando para permanecer no mercado.

David Barnett

Avengers: Ultimato está programado para quebrar recordes de bilheteria – está previsto que ele fature US$ 1 bilhão em sua primeira semana – parece que o negócio de super-heróis realmente aquele em que alguém deve estar. Pelo menos em Hollywood.  Mas o que vem acontecendo no meio em que o super-herói se originou - o gibi – e com os fornecedores das centenas de quadrinhos que são lançados todo mês? As ruas não são tão à prova de balas quanto os multiplexes, e as revistas de quadrinhos estão passando por momentos difíceis.

Dezenas de fechamentos de comic shops foram relatados em todo o Reino Unido e nos EUA nos últimos meses - incluindo, em janeiro, o final da St Mark’s Comics, uma vez que foi uma das instituições mais admiradas de Nova York. (Até apareceu em Sex and the City.) No ano passado, o site de quadrinhos Bleeding Cool documentou o fechamento de 50 lojas de quadrinhos no ano anterior, nos EUA e no Reino Unido. E desde junho de 2018, pelo menos 21 lojas nos Estados Unidos e 11 no Reino Unido - incluindo lojas em Nottingham, Ramsgate e Tooting - fecharam, com outras provavelmente não sendo informadas.

Embora os super-heróis nunca tenham estado tão em alta, a diferença entre o cinema e os quadrinhos nunca foi tão grande. Os dias em que você poderia comprar a última edição do Homem-Aranha ou do Batman nas prateleiras da banca de jornal já não existem mais. Na semana passada, o escritor de quadrinhos Ron Marz twittou que, durante uma apresentação em uma aula da escola, uma garota levantou a mão e perguntou-lhe onde realmente poderia comprar quadrinhos.

Então, por que tantos estão saindo do negócio? Assim como outros varejistas de rua, os quadrinhos devem levar em conta os aluguéis, as taxas de negócios, os salários dos funcionários, os seguros – mas as margens de lucro dos quadrinhos são muito estreitas a ponto de tornar isso tudo um equilíbrio muito delicado.

"Não há um grande lucro no negócio de quadrinhos e graphic novels", diz Jared Myland, da OK Comics, em Leeds. “Ninguém entra no varejo de quadrinhos para ser um milionário. Nós fazemos isso porque amamos quadrinhos. Infelizmente, os fechamentos são um tema cada vez mais comum em ambos os lados do negócio. A maioria das lojas de quadrinhos tem suficiente para sobreviver se fizerem cortes, mas alguns varejistas dependem da generosidade da família e dos amigos para ajudar a apoiar a loja ”.

Um dos desafios únicos dos quadrinhos é a aposta mensal no que vai vender. Quadrinhos lançados a cada poucas semanas, ao contrário das edições coletadas disponíveis nas livrarias ou na Amazon, não são retornáveis; com 600 a 1.000 desses itens publicados todos os meses, as lojas devem fazer suposições ou ficar presas a seus erros. Na OK Comics, 90% do que a Myland recebe são pré-encomendas, com o restante colocado nas prateleiras para clientes casuais. “Os varejistas inteligentes preferem pedir a menos do que a mais”, diz ele.

Apesar do lançamento de aplicativos de histórias em quadrinhos como Comixology da Amazon ou o Marvel's Unlimited, os quadrinhos resistiram melhor aos desafios digitais do que outras mídias impressas, de acordo com Rich Johnston, da Bleeding Cool, com compras digitais representando apenas 15% do total de vendas. Apesar de reportar regularmente o fechamento de lojas, ele está otimista sobre seu futuro: “Desde os anos 1990 tem havido um declínio, mas acho que temos tantas histórias sobre lojas abrindo quanto fechando.”

A velha imagem das histórias em quadrinhos como lugares clichês e hostis onde os não iniciados não são bem-vindos – ou, como Johnston coloca, "o tipo de caverna em um porão com homens de 50 anos com a cintura do mesmo tamanho" – também está desaparecendo. As comic shop sobreviventes reconheceram que precisam diversificar, adicionando jogos de tabuleiro e comida ao mix, enquanto muitos dos negócios fechados acabam se tornando online. Mike Holman, gerente de vendas e marketing da distribuidora gigante de quadrinhos Diamond, diz que, embora a indústria tenha mudado muito, "as vendas são tão fortes quanto foram por 20 anos" devido à internet, com quadrinhos de 6 milhões deixando seu hub em Runcorn, Cheshire, toda semana.

Mas mesmo aqueles do lado de dentro estão preocupados com o futuro. Lisa Wood, uma artista da Marvel e da DC com o nome de Tula Lotay, também é diretora da Traveling Man comic shop, depois de trabalhar pela primeira vez em sua filial em Leeds nos anos 1990. Ela diz que ser incapaz de retornar os quadrinhos leva a arriscar menos com nomes desconhecidos: “As coisas da Marvel e da DC sempre vão bem, mas para um varejista, quando o dinheiro é escasso, arriscar um novo trabalho de criadores desconhecidos pode ser dispendioso."

Wood acrescenta: “Os super-heróis nunca estiveram tão a vista do público, mas as pessoas não saem do cinema depois de assistir ao último filme da Marvel e vão para a loja de quadrinhos. Eles vão para a internet e compram graphic novels a preços que as lojas não podem competir. Eu acho que, no futuro, a indústria se afastará completamente dos quadrinhos mensais, e apenas produzirá graphic novels. Mas dado que o mercado mensal de quadrinhos é tão importante para a sobrevivência dos varejistas físicos, é preocupante ”.

GOSTOU?

1 pessoas comentaram:

O mundo dos comics infelizmente negligenciou o público feminino e parte do público masculino. Inclusive os mangás tem vendido mais que DC e Marvel dentro dos EUA.

Dúvida... como é a situação cine-mangá no Japão ?

Related Posts with Thumbnails