quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Falando das personagens negras de Éramos seis no Dia da Consciência Negra


Faz tempo que eu queria comentar a novela Éramos Seis, fiz um primeiro texto falando somente do primeiro capítulo, pois bem, não tenho tempo nesse momento para um texto mais extenso, mas vou aproveitar o Dia da Consciência Negra e falar das personagens negras e como elas aparecem nessa novela.  Uma das características da atual versão de Éramos Seis, a terceira baseada no roteiro de Sílvio de Abreu e Rubens Ewald Filho feito para a Rede Tupi em 1977, é tentar colocar maior representatividade racial dentro da trama.  Está funcionando?  Vamos lá!

 Comecemos recorrendo ao maior especialista na questão dos negros nas telenovelas, Joel Zito Araújo.  O autor defendeu sua tese de doutorado na ECA/USP e dela resultou o documentário A Negação do Brasil (2000) (*assista no Youtube*).  No livro (*esgotado*) e no documentário, ele analisa a forma como os negros são usualmente representados na ficção e temos o seguinte, normalmente, as personagens são subalternas, raramente estão em posição de poder, ou de destaque intelectual.  Se são artistas, elas estão sempre associados à aspectos pitorescos e estereotipados da cultura negra.  Não raro são um elemento cômico, ou estão atreladas a esse núcleo na jovela. Por exemplo, as personagens negras de maior destaque de Desejo Proibido, uma novela que eu gosto muito, são exatamente isso, um alívio cômico, a empregadinha intrometida, que não conhece o seu lugar, e o policial atrapalhado.  

Durvalina não tem família, amigos, vida para além
da sua relação com os protagonistas brancos.
Outro aspecto muito importante, no geral,  as personagens não tem família, laços comunitários e orbitam as personagens brancas da trama.  As personagens negras não tem uma história própria são tributários da narrativas alheias, e nossos dias, mesmo quando há uma família negra, provavelmente, ela será a única.  O porteiro, a empregada e, mais recentemente, a diretora da escola, o delegado, o médico, são lugares sociais, mais do que personagens, de qualquer forma, eventualmente, podem dialogar, ou mesmo serem amigos de alguma personagem importante da trama.   Até discordo do Joel Zito Araújo em alguns pontos, mas esse quadro de características gerais é perfeito.  Vamos agora para Éramos Seis.

No livro de Maria José Dupré e nas adaptações mais recentes (1977 e 1994) havia somente duas personagens identificadas como negras.  Durvalina (Virgínia Rosa), a empregada da casa dos Lemos, e o menino Raio Negro, amigo de Alfredo (Pedro Sol). Começaremos pelo menino, que aliás, é apontado como uma péssima influência (*Por ser menino que vivia na rua?  Por ser negro?*), uma espécie de delinquente, ainda que nesta última versão esse aspecto tenha sido atenuado.  Logo de início, o nome da personagem, que vem do livro, foi mudado.  Na verdade, ele ganhou um nome, chama-se Tião (Sebastião).  Lipinho Costa o interpretou quando criança e Guilherme Ferraz será Tião adulto.  A personagem, que era muito próxima de Alfredo, desapareceu da primeira fase indo morar em outro bairro e ainda não voltou.  

Raio Negro virou Tião.
Manteve-se na novela a trama do grupo de moleques liderado por Raio Negro, agora Tião, mas os outros meninos, se não estou me confundindo, eram todos brancos.  No livro, os meninos eram mais velhos que Alfredo, e ficou até engraçado a D. Lola (Glória Pires) dizendo isso, pois o garoto nessa versão é adolescente, Pedro Sol parecia mais velho que a maioria dos outros garotos.  Enfim, Tião saiu precocemente da primeira fase, mas ele se enquadra perfeitamente daquele modelo descrito pelo Joel Zito Araújo: sem família visível, sem laços comunitários, dependente das personagens brancas, isto é, sem história própria.

Já Durvalina (Virgínia Rosa) é a típica empregada fiel, é como gente da família, mas não é e vocês que assistiram as novelas anteriores, logo descobrirão.  Nessa versão, esse aspecto é bem reforçado.  Ela é mais uma amiga da Lola, estando em uma relação quase horizontal com patroa, e alguns maus tratos de Júlio foram cortados.  Colocaram, no entanto, e isso ficou feio, Isabel (Maju Lima) criança acusando a empregada de estar mentindo.  De qualquer forma, ainda que não rompa com os estereótipos, Durvalina é uma personagem bem mais ativa e participativa nessa versão.  Ela age de certa forma como o sétimo membro da família, o que pode também ser lido como uma atitude intrometida, logo, não há ruptura com as tradições da teledramaturgia brasileira.

Tia Emília, na versão de 1994, era profundamente racista.

Se tudo correr como nas outras versões da novela, Durvalina terminará como empregada de Seu Afonso (Cassio Gabus Mendes), pois, depois da morte de Júlio (Antonio Calloni), a família fica em péssimas condições econômicas e acaba tendo que demitir a funcionária, que, nesse ponto da história, deveria ter mais de cinquenta anos.  Lola sente-se responsável por Durvalina  e não pode abandoná-la.  Trata-se de uma relação paternalista e cabe lembrar que empregadas domésticas não tinham direitos trabalhistas, Getúlio Vargas não se preocupou com elas, porque são mulheres em sua maioria.

Nas outras versões, Lola apelava primeiro para a tia rica,  Emília (Susana Vieira), que recusava contratar Durvalina e assumia seu racismo.  Não contratava negros. A cena da novela de 1994 está no Youtube, e incorporei ao texto. A nova Emília continua um tanto esnobe quanto, mas racista não é.  Qual será a desculpa para recusar o pedido da sobrinha?  Aliás, algo curioso nessa nova versão é que, até o momento, a autora tentou ignorar qualquer discussão sobre racismo, é como se ele não existisse e a cor da pele não tivesse importância na São Paulo dos anos 1920 e 1930.  Não teria, hoje?

Higino é uma tem destaque, mas não tem uma
trama própria, sua história é totalmente atrelada à das patroas.
Entrando nas personagens negras inventadas para esta novela específica, o destaque até o momento entre as personagens negras é Higino, o mordomo de Emília.  Thiago Justino, o ator, está muito bem.  Ele é o mordomo de Emília, alguém que goza de sua máxima confiança, a patroa, volta e meia, se abre com ele.  A intimidade dos dois na primeira fase, com a patroa até pedindo a opinião dele sobre a filha, me espantou, se Higino fosse branco, seria igualmente estranho, mas, enfim, exageros à parte, Higino tem tido cenas excelentes com Suzana Vieira e Justina  (Julia Stockler).  Cenas isoladas tem valor, eu sempre defenderei isso, mas não tornam o conjunto geral de uma novela bom de verdade.

Dentro das suas limitações, Higino faz as vezes de pai afetivo da moça que tem algum distúrbio mental.  Não sei como a autora irá conduzir a trama de Justina, mas em uma cena de um capítulo recente é dito que Higino chegou depois da primeira crise da moça, logo, talvez ele não saiba o que a deixou como ela é, ou, se sabe, é discreto como todo mordomo precisa ser.  Só que, mais uma vez, temos uma personagem sem uma história própria.  Não sabemos quem é Higino, sua vida passada, se tem parentes, amigos, ele é um apêndice da história de Emília e Justina.  De qualquer forma, esse mordomo negro está tendo mais destaque na trama do que os brancos que ocuparam o posto antes dele.  É positivo até certo ponto e o ator está brilhando nas cenas que tem.

A relação de Higino com Justina é quase de pai.
Antes de seguir para as duas mulheres tornadas negras nessa nova versão, Shirley (Barbara Reis) e Inês (Gabriella Saraivah), passemos para Marcelo (Guilherme Ferraz), o amigo de Carlos. Ele não existe nos livros, foi criado para a novela de 1977 e estava em 1994. Sabe quando você tem uma personagem sem muito destaque em uma trama, mas que é uma de suas favoritas?  Pois é, em Éramos Seis, o meu era o Marcelo.  Estudante de medicina, amigo de Carlos (Danilo Mesquita) e sempre lhe dando bons conselhos (*inclusive para esquecer a namorada de infância*), órfão de pai e mãe, ele gosta muito da família do amigo.  Apesar de ter uma situação financeira muito mais cômoda que a dos Lemos, ele nunca teve uma família grande e amorosa.  

Vi a cena com Marcelo comentando o quanto gosta da família de Carlos na versão de 1977 e na de 1994, elas são diferentes, mas a fala da personagem é a mesma.  Enfim, nessas idas na casa de Carlos, ele se apaixona por Lili (Triz Pariz), que ainda era uma adolescente.  Vendo que Julinho (André Luiz Frambach) maltrata a moça (*e nessa versão ele parece bem mais cafajeste que na de 1994, não sei na de 1977*), ele fica na expectativa, dando-lha apoio e conselho, mas sempre discreto, até que a moça, que o via como um sujeito velho demais, percebe que ele merece seu amor.  Eles se casam e Lili é feliz.  Ele se torna bom marido e é um genro de ouro, por assim dizer.

Marcelo continua amigo de Carlos e estudante
de medicina, mas, agora, é negro e, por conta disso, pobre.
Na versão de 2019, decidiram tornar Marcelo um jovem negro, ele continua órfão, mas é sofrido e pobre.  Precisava desse combo, não, mas, OK.  Agora,ao fazer isso, a autora criou a necessidade de lidar com a questão do racismo e da questão de classe.  Um Marcelo médico, classe média muito bem acomodada era um bom partido para uma moça como Lili.  Mas o Marcelo mesmo médico continuaria sendo negro e é preciso lidar com isso.  Mas ainda é cedo para discutir o casamento de Lili, mas fiquei esperando por alguma linha de diálogo sobre racismo quando o rapaz foi ao clube.  E fui atrás de um livro de história que abordasse o tema e encontrei, o trecho a seguir veio de lá:
“Muitos Clubes em São Paulo – tanto os elitizados quanto os das “colônias” estrangeiras – não consentiam que negros fizessem parte do seu quadro de associados.  E, como havia estatutos que inscreviam cláusulas discriminatórias, é plausível assinalar que a segregação ficava regulamentada na legislação interna desses clubes.  O racismo à paulista era volátil: ora se amparava nos costumes, ora se respaldava nas normas regimentais.  Os dois métodos de segregação tinham o mesmo fim: isolar os negros e subalternizá-los hierarquicamente em relação aos brancos. (...) Mesmo nos ambientes de confraternização não se anulava a segregação costumeira.  Enfatizamos que o código de etiqueta racial paulista às vezes transcendia as contradições de classe. (...) Um argumento usado para tolher a entrada de negro era afirmar que a festa tinha um ambiente familiar, o que deveria ser entendido como exclusivo para famílias brancas.  Em 1920, o jornal A Liberdade noticiava que um salão de dança na rua Glicério proibia, expressamente, a entrada de negros (...) também nas fábricas, quando se criavam clubes recreativos para os operários, o negro era “barrado nos bailes”. (DOMINGUES, Petrônio José. Uma história não contada: negro, racismo e branqueamento em São Paulo no pós-abolição.  São Paulo: SENAC, 2019.)
Será que vão deixar de discutir racismo quando
Marcelo e Lili se tornarem um casal?
O trecho acima aponta para a política de segregação nos clubes e eventos sociais em São Paulo.  Poderia até ter reproduzido um trecho maior, porque a discussão é interessante.  E a exclusão valia para todos os negros na média, tendo dinheiro, ou não. O Marcelo de outras versões frequentava o clube inglês, estimulou Carlos a acompanhá-lo, o de 2019 dificilmente poderia fazer o mesmo.  Mas a autora, Ângela Chaves, está agindo como se a cor de pele da personagem não tivesse peso simbólico algum.  E bastaria uma fala como "Ainda bem que o Clube Inglês é liberal e não discrimina pessoas de cor.".  Resolvido o problema,  até que fosse necessário contornar outra crise.  Em uma novela realista, caso de Éramos Seis, o mínimo que eu espero é que se a autora cria uma situação como essa, ela seja trabalhada de alguma forma.  Se é para fazer esse papelão, que Marcelo continuasse branco.

Da mesma forma, ninguém falou nenhuma frase racista nessa novela até o momento, nem contra Marcelo, nem contra Shirley, nem contra Inês, é como se a sociedade paulistana fosse super inclusiva.  Sabe o que está me lembrando?  O filme O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias, que, entre outras coisas, pintou uma São Paulo sem racismos.  Agora, qual o sentido de colocar pessoas negras em uma novela de época, em um contexto no qual negros e negras eram discriminados de forma muito mais aberta, e ignorar o tema?  A representatividade morre na escalação?  Basta isso?  Ou será que é pior ainda, que o objetivo é reforçar a narrativa de que o Brasil era uma democracia racial mesmo e todo mundo era feliz?  Repito, se era para ignorar o fato de Marcelo ser negro, melhor mantê-lo branco.

A autora se esforçou para que tivéssemos alguma simpatia
por Shirley, mas alguém conseguiu?
E chegamos à Shirley e Inês, que já saem na vantagem de formar um núcleo familiar com dinâmica própria, que é muito mais do que a média das personagens negras das telenovelas tem.  Em todas as versões anteriores elas se chamavam Pepa e Carmem (Carmencita).  Pepa era uma espanhola orgulhosa e que desprezava os brasileiros, casara grávida de outro homem como nesta versão e, pelo que me lembro, os Afonsos anteriores eram menos pacientes e gentis do que o de Cássio Gabus Mendes, que é um fofo.  E ter um marido tão bom opera contra Shirley, vejam bem! Inês, na primeira fase, era atormentada e reprimida pela mãe e amada pelo pai.  

Barbara Reis está muito bem na sua personagem, não tenho críticas ao desempenho da atriz, mas tenho que reclamar de quem está conduzindo a trama.  Shirley (*que nome incomum para uma nordestina nessa ápoca*) é baiana e não lhe colocaram nenhum sotaque.  Mesmo com dez anos em São Paulo, ela guardaria algo do sotaque de sua terra natal.  Bastava um pouco de atenção de quem é responsável pela parte técnica, umas aulas de prosódia e se produziria um sotaque tênue e suficiente, porque, talvez, a orgulhosa Shirley desejasse esconder suas origens.  Quiseram dar para Shirley uma história diferente da de Pepa, mais profundidade, criar certa empatia,  ainda que a mantivessem amarga, briguenta, cruel.  Ela fora seduzida ainda adolescente (*depois ficamos sabendo que foi por amor*), era empregada em uma fazenda e fora expulsa grávida, Afonso a acolheu.  Mesmo em uma sociedade machista, ele ama a esposa e a filha que foi gerada por outro.

A menina Inês foi muito bem defendida por Gabriella Saraivah.
Ninguém deve ficar com um homem por gratidão, esse princípio é importante e uma feminista não pode esquecer de apontar isso, só que o problema é que Shirley é pintada como egoísta e ressentida desde o início.  Um dos motivos, claro, é que simpatizamos com Afonso e a coisa vai em um crescendo conforme vemos a mulher abandonando o lar para voltar para o antigo amante.  Não vou comentar os brancos aqui, mas a personagem de Caco Ciocler, que tem sotaque, parece desagradável e pouco confiável desde o início e, claro, apesar de rico, membro da alta sociedade, vai atrás da mulher negra, pobre e casada que ama e tudo bem.  Será que seria tudo bem mesmo?  Custava visitar os livros de Jorge Amado, ou ler algum historiador, ou historiadora, que tratasse do tema?

A relação de Shirley com Inês, a filha adolescente é difícil.  Parte dos medos de Shirley são fundamentados em questões de gênero e comportamentos da época e que eu vi sendo expressados ainda na minha infância e adolescência: menina não brinca com menino, não fica sozinha com menino, não vai à casa de menino etc.  No afã de proteger a virtude de uma filha, um bem que poderia credenciá-la, ou não, ao casamento, qualquer relação de amizade com o sexo oposto era sexualizada.  Uma moça negra, ou mestiça, ainda por cima pobre, precisa ser mais virtuosa para ser vista como "de família", mas, de novo, a autora da novela criou uma personagem negra, para não discutir racismo.

Shirley sacrifica a filha por um amor do passado.
Interessante que, no livro, onde Inês e Shirley, ou Pepa e Carmencita, não existem, há uma passagem interessante e que aponta para esse temor.  Lola diz que Isabel é muito bonita.  Júlio, que já está meio que se despedindo do livro, concorda, mas acrescente que filha de pobre não deveria ser tão bonita.  Moças pobres, ainda mais de cor, poderiam ser alvo de sedutores, moços ricos, ou de famílias de classe média, que separavam as moças em para casar e para se divertir.  Essa preocupação de Shirley, ainda que levada aos extremos e apresentada sem maiores discussões, tem fundamento, mas a relação de Inês com Carlos é interrompida pela partida das duas.  

Para piorar, Shirley acaba sendo cúmplice do amante (*porque ela era casada com Afonso*) e priva a filha do pai afetivo (*e homem mais gentil da novela*) e do seu primeiro amor.  Uma mulher má, portanto, não há muita salvação para ela.  Se o objetivo era discutir o direito de uma mulher de escolher seu destino, o roteiro falhou e, muito provavelmente, muita gente deve ter xingado Shirley de nomes que visam desqualificar a moral sexual de uma mulher.  Tampouco, em nenhum momento alguém dentro da trama, Júlio, por exemplo, ou Dona Genu (Kelzy Ecard), lhe apontou o dedo por ser tão arrogante mesmo sendo negra, é como se não houvesse qualquer julgamento a respeito.  De repente, se ela tivesse pele azul e cabelo rosa, daria no mesmo.

Shirley deve ser uma vampira, a atriz era jovem na primeira
fase e parece mais jovem ainda na segunda.
A Inês menina também tinha uma interprete muito boa e ela transmitia uma força e delicadeza à personagem que a tornaram muito mais interessante que a de versão que eu assisti em 1994.  Ainda assim, considero certas reações da personagem, a forma como ela enfrentava a mãe e a chamava de "você", meio inaceitáveis para a época, fora da curva, mas a primeira fase já foi.  Espero que alguma coisa mais consistente seja discutida através de Inês.   Ela volta para a trama na semana que vem e formou-se enfermeira.  Vai descobrir que foi enganada e que Afonso e Carlos ainda se lembram dela, que a amam.  

Espero que a personagem tenha uma trajetória diferente da Carmencita de 1994, que acabou com o namoro de Carlos com uma boa moça, foi seduzida por Alfredo, ou de entregou a ele, foi abandonada por ele (*grávida, ainda que ele não soubesse*) e terminou casada com Lúcio.  Procurem videos dessa versão e vejam os comentários que deixam xingando Carmencita.  Vi uma cena da novela de 1977 de Carmencita reclamando que Carlos dava atenção demais para a mãe viúva.  Enfim, uma mulher fútil, com problemas de autoestima e pouco solidária com outras mulheres.  Tomara que seja uma personagem melhor e, de novo, que alguma discussão sobre racismo seja feita através dela.

Espero que a nova Inês tenha uma trajetória diferente da
Carmencita, especialmente, na forma como ela se
relaciona com Carlos.  Mas eu, realmente, não acredito muito nisso.
Fechando este texto enorme, antes que ele não entre no Dia da Consciência Negra, não acho que Ângela Chavez esteja fazendo algo de realmente novo em relação às personagens negras em Éramos Seis.  Temos muito mais representatividade e, ainda assim, é como se a cor de pele em uma sociedade racista não fosse nada e todas as portas se abrissem igualmente para negros e brancos.  Só para reforçar, hoje foi publicado um relato de Daiane dos Santos, a maior ginasta que nosso país já produziu, sobre os obstáculos que enfrentou: "No primeiro clube que entrei, tinham ali mães de meninas e as próprias meninas que não queriam ficar perto de mim. Não queriam lavar as mãos no mesmo banheiro, frequentar o mesmo ambiente. De alguma forma queriam me mostrar que aquele não era o meu lugar. E tinham treinadores que não queriam me treinar.".  

Retornando, representatividade é importante, mas se Éramos Seis for colocar personagens negras para não discutir seus problemas e possibilidades em uma sociedade racista, elas serão esquecíveis.  É como a novela Boogie Oogie, que se passava durante a Ditadura Civil Militar (1964-85), mas que fugia de qualquer discussão sobre o tema, mesmo se passando no momento da Anistia.  o que quero dizer?  Éramos Seis 2019 será lembrada, mas suas personagens negras, se continuarmos evitando discutir questões incontornáveis, não serão, mesmo que estejam presentes em quantidade muito maior que nas versões anteriores da trama.

GOSTOU?

0 pessoas comentaram:

Related Posts with Thumbnails