terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Mais alguns comentários sobre Salve Jorge



Esses dias a novela se animou um pouco, já que a protagonista, Morena (Nanda Costa), foi traficada. As cenas dos últimos capítulos – inclusive a repetitiva situação de uma mulher batendo na outra para atrair audiência – colocaram a novela em evidência. Só que, ao mesmo tempo, a meu ver, a trama principal de Salve Jorge chegou a um beco sem saída. Minha impressão é que a novela não consegue se sustentar centrada no tráfico de mulheres e como não há muito mais coisa acontecendo de verdade na trama, corre-se o risco da autora ter que inventar algumas bobagens ou desvios, e eu sei do que a imaginação de Glória Perez é capaz, para levar a trama.

Escrevo isso, porque, como pontuei no primeiro texto, é difícil segurar uma situação tão angustiante e terrível, sem que a audiência se desgaste. O que será da trama das traficadas? Morena e Jéssica (Carolina Dieckmann) tentam fugir e são recapturadas? Tomam um “corretivozinho” de Russo e tudo fica bem? As duas já aprontaram muito e, certamente, já estariam mortas. Alguém acha, por exemplo, que Morena será estuprada por Russo e os outros capangas ou que aparecerá se prostituindo de verdade? Acho que, não. Mas para levar uma situação dessas adiante, teriam, sim, que mostrar – ou sugerir de forma muito evidente – algo assim. Outra questão que não vai acontecer é os sujeitos viciarem as mulheres para melhor dominá-las. É o óbvio, mas não deve rolar.  E Carolina Dieckmann?  Morre, ou não morre?


O que é vendido como virada da trama, a mocinha ser mandada para a Turquia, pode representar um beco sem saída. Além de fonte para absurdos... Por exemplo, quem arriscaria todo um esquema enviando alguém como Morena para o leilão depois de tudo o que ela fez? Primeiro, iriam dobrá-la. Há cenas legais na novela, não falo disso. Eu comecei a gostar do vilão do interpretado pelo Murilo Rosa e Flávia Alessandra, que nunca me convenceu como atriz, está muito bem.

Continuo temendo que a excelente Nanda Costa seja queimada na fogueira. Aliás, a crítica não tem a ver com interpretação das atrizes, Nanda Costa, Carolina Dieckmann, Laryssa Dias (Waleska), ou de Adriano Garib (Russo), mas que o tráfico de mulheres é um tema muito pesado e que para ser explorado de verdade precisaria estar em uma obra mais curta. Minissérie ou filme, novela é algo longo demais... A novela choca, mas a situação precisa ser amenizada e já está se tornando repetitiva.


Para terminas, peço que dêem uma olhadinha no texto Rede de intrigas: a novela do tráfico de mulheres no Brasil e como pessoas que dizem defender os direitos das prostitutas tentam diminuir o peso do tráfico de mulheres. Por princípio, eu vejo a prostituição como uma degradação do seu humano, a transformação de mulheres em mercadoria e latrina. Para cada mulher que optou por se prostituir, há outras tantas que foram empurradas para essa vida pela violência, ou pela necessidade. Sou defensora dos direitos dessas mulheres que precisam ser protegidas e ter seus direitos trabalhistas, mas não que se coloque a prostituição – que tem atrelada a si vários estigmas e que está associada no imaginário ao feminino e a todas as mulheres – como uma profissão “como outra qualquer”. E que ninguém pense que estou falando pelas feministas, porque não há consenso. 

Há vozes femininas e feministas que defendem a prostituição, e não somente a prostituta como algo legítimo, desprovida de violência, e que precisa ser desmistificada. Para mim, a prostituição está a serviço da exploração capitalista e serve aos interesses dos consumidores. Como a maioria das prostituídas são mulheres e dos consumidores, homens, está ao serviço do patriarcado, e é uma violência que se pratica no próprio corpo das mulheres. Em situação de real liberdade e igualdade, ninguém precisaria pagar por sexo ou afeto.


GOSTOU?

5 pessoas comentaram:

acho esta novela de uma hipocrisia só. quer discutir um tema polêmico, mas não tem cacife nem roteiro nem coragem pra isso

Como eu pontuei, Débora, acho o tema muito pesado para uma novela de sete meses. Em uma minissérie, 11 da noite, se poderia, sim, fazer uma grande história.

Tráfico de bebês seria mais fácil de tocar. Mesmo que se tocasse em tráfico de órgãos. Já tráfico de mulheres com prostituição...

Valéria, eu tinha ensaiado escrever um comentário ao primeiro post sobre comentários de Salvo Jorge, mas ele estava ficando muito grande e eu desisti.

Concordo com quase tudo o que você escreveu, e vou um pouco além a respeito do núcleo de tráfico de mulheres: acho que nem toda a maquiagem colocada na trama vai conseguir sustentá-la por muito tempo e, além disso, a novela periga cair no nonsense total.

Perceba que praticamente não há homens nesse núcleo. Tem o Russo e seus capangas (que parecem mais meros carcereiros do que integrantes do esquema) e os clientes (cuja participação é esporádica e normalmente sem relevância), mas o comando do esquema e até mesmo inclusive as "frases de vilão", são todas das mulheres (Lívia, Wanda, Irina). Me passa a sensação de que os homens participam desse esquema de forma secundária, apenas como consumidores e nunca como organizadores - e que não haveria tráfico de mulheres se as mulheres não vendessem outras mulheres.

Além disso, tirando uma ou outra cena, o grupo das traficadas parece mais com uma turma de um colégio feminino de castigo por terem se comportado mal. Eu tenho dificuldade de engolir que elas passariam tanto tempo sem fazer nada, só dando despesa e dor de cabeça para os cafetões.

Por fim, tem me saltado aos olhos a estupidez coletiva que baixou nos algozes de Morena desde que ela foi raptada. Quer dizer, os cafetões têm deixado a guarda muito baixa (pra dizer o mínimo) quando estão próximos da novata que tem dado muitos problemas desde que chegou.

Na vida real, Morena estaria comendo grama pela raíz desde o primeiro tapa dado em Wanda, e isso se tivesse chegado tão longe... Jéssica por muito menos levou um tapa na cara e teve a blusa rasgada assim que chegou no exterior. Além disso, o argumento de Wanda para insistir no leilão de Morena foi ridículo, teria sido muito menos arriscado matá-la e importar outra.

Por fim, a novela como um todo tem merecido muita suspensão de descrença da minha parte pra ser levada minimamente a sério.

Por fim, uma brincadeira: o Théo é tão mimado e egocêntrico que eu consigo até imaginar uma cena em que ele vai a Istambul resgatar Morena... mas em seguida ele briga com ela quando vê que ela estava se prostituindo no exterior e volta ao Brasil pra chamar a "namorada de estimação" Érica para tomar uma água de coco na praia, risos.

Concordo com tudo que você escreveu. ^_^ A comparação com colégio feminino foi perfeita.

acho essa novela uma mer.. pq não rende a autora é muito repetitiva a coisa não anda pensa bem a morena e a jessica ja fizeram varias tentativas e nada da coisa andar tomar outro rumo e a livia nossa é imprecionante a imaginação da Gloria Perez a Livia é muito bem imformada sempre ta sabendo das coisas a facilidade q ela tem com os profissionais da policia eles contão tudo pra ela e de graça né como tem troxa nessa novela fala seria Gloria vc vive no mundinho fantastico de bob né vamos dar um jeito de mudar esse roteiro e fazer essa novela andar...

Related Posts with Thumbnails