quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Post 3: Semana da Consciência Negra


Ainda hoje, a participação das mulheres na política brasileira é muito limitada.  Somos 51% da população do país, mas nossa representatividade no Executivo e no Legislativo é muito pequena e as eleições deste ano não ajudaram em nada.  Por conta disso, é importante lembrar hoje de Antonieta de Barros (1901-1952), primeira mulher negra a ser eleita para um cargo legislativo no Brasil e primeira mulher eleita deputada estadual em Santa Catarina.


Filha de uma ex-escrava, órfã de pai muito cedo, Antonieta, formou-se professora graças ao esforço da mãe.  Ela foi professora de Português e Literatura, e diretora do atual Instituto de Educação, em uma e´poca na qual a maioria dos diretores de escola, especialmente grandes e importantes, eram homens, ou, no máximo, mulheres brancas.  Dirigiu também o jornal A Semana entre 1922 e 1927.  Além de ativa na sociedade, era uma mulher negra ativa na política em uma época na qual mulheres e negros (*alguns fingindo desesperadamente não ser*) não eram comuns nesses meios.  E, hoje, eles são?


Antonieta foi eleita para a legislatura de (1935-1937) e assumiu como suplente entre 1947-1951.  Uma das suas bandeiras era a valorização do magistério, mas sua presença na sociedade e na política ajudou, também, a defender os direitos dos negros e mulheres de exercerem cargos políticos.   Ser pobre que chegou lá, por assim dizer, não a fez esquecer dos pobres, ou de suas origens, afinal, suas crônicas falavam dos direitos das mulheres e criticavam a discriminação racial.  Em 2015, foi lançado um documentário sobre Antonieta, mas ainda não pude assistir.

GOSTOU?

0 pessoas comentaram:

Related Posts with Thumbnails