segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Comentando Six Wives with Lucy Worsley (Docudrama, BBC, 2016)

A apresentadora cosplayer do programa.
O último programa que assisti em 2016 (*o derradeiro episódio vi esta semana passada, já no Rio*) foi o docudrama da BBC chamado Six Wives with Lucy Worsley exibido em dezembro de 2016. Eu decidi pegar esta série de três episódios por dois motivos, primeiro, por me interessar por biografias em geral, não raro aquelas deliciosas fofoquinhas que ajudam a dar cor e sabor às análises mais sérias; segundo, porque a proposta era ver as seis esposas de Henrique VIII (*que nem aparece no título*) a partir delas e, não, dele. Olha, só por essa proposta, eu já pagaria para ver, porque, bem, elas, as rainhas, só o foram por serem casadas com Henrique VIII, então, seria fantástico se os docudramas trouxessem algo mais. Foi uma decepção. 

Sempre abrindo com a frase "Divorced, beheaded, died. Divorced, beheaded, survived" (Divorciada, decapitada, morta.  Divorciada, decapitada, sobreviveu.), os três capítulos nos contam o dramáticos acontecimentos (*porque foram mesmo*) da vida das seis esposas do Rei Henrique VIII (1491-1547), um dos monarcas mais polêmicos que a Inglaterra já teve: Catarina de Aragão (1485-1536), Ana Bolena (1501/07-1536), Jane Seymour (1508-1537), Ana de Cleves (1515-1557), Catarina Howard (1523-1542) e Catarina Parr (1512-1548).  O objetivo da historiadora Lucy Worsley era desconstruir a imagem tradicional dessas mulheres, oferecendo um outro olhar que se contrapusesse, acredito eu, ao dos docudramas de David Starkey, seu rival, feitos em 2001.  Tendo assistido a ambas as séries, tenho que deixar registrado que a de Starkey é muito superior e não somente por ter mais um capítulo.

Seis esposas.

O primeiro problema com Six Wives with Lucy Worsley é que a série tem somente três capítulos.  Muito pouco, especialmente, se você concentra praticamente todo o episódio 1 em Catarina de Aragão.  Este episódio, aliás, é o melhor de todos, a começar por terem escalado uma atriz loura, , para o papel da princesa espanhola.  Um dos erros comuns – e esse foi cometido no docudrama de 2001 – é colocarem uma morena no papel de Catarina de Aragão.  É espanhola, é morena.  Em Ana dos Mil Dias, escalaram Maria Calas, a cantora de ópera grega, para o papel, por exemplo.  Só que todas as fontes sobre a princesa filha dos reis católicos – Isabel de Castela e Fernando de Aragão – a descrevem como loura. As casas reais casavam entre si, então esses estereótipos são totalmente furados. Morena mesmo, só Ana Bolena.

Parece que Worsley tem particular predileção por Catarina de Aragão.  OK, eu também gosto bastante dela.  Por conta disso, quis mostrá-la como ativa, uma rainha guerreira, e uma mulher que foi amada e amou, afastando-se da imagem de mulher amargurada que alguns querem colar nela.  Tudo bem, mas isso não é novidade para quem lê sobre os Tudor ou assiste documentários.  Será que o contraponto era com a série The Tudors?  Eu só assisti ao primeiro capítulo e um dos motivos que me afastou da série foi a forma grosseira como Henrique VIII tratou a esposa, contrariando o que as fontes diziam para a época, antes do caso com Ana Bolena.


Orgulhosa Catarina de Aragão.
Só que foi uma boa abordagem de Catarina, o problema mesmo foi a forma como Ana Bolena foi tratada.  Goste-se de Ana Bolena, ou não, ela foi uma mulher formidável.  Apostou tudo e perdeu tudo.  Recusou-se a ser amante e exigiu ser esposa.  Conseguiu levar o rei mais católico da Europa a romper com Roma.  Prometeu-lhe um herdeiro, não conseguiu cumprir a promessa.  Percebeu que o amor do rei era volúvel e que, como esposa, ela não deveria contrariá-lo, mas uma mulher como ela, de língua ferina e fortes ideias, isso era tarefa difícil.  Queria exclusividade, algo que teve quando era amante, mas ao tornar-se esposa, deveria se curvar “às necessidades” do marido, algo que Catarina de Aragão sempre fez.

A Ana Bolena de Worsley fica espremida entre uma Catarina de Aragão muito forte e uma Jane Seymour pintada como capacho.  Não tem um capítulo próprio e aparece pouco no episódio 1. Não é possível avaliar bem as contradições de sua personalidade riquíssima, a abordagem é muito suoerficial, enfim. A novidade, pelo menos para mim, é a consulta à coleção de cartas de amor de Henrique e Ana Bolena da Biblioteca do Vaticano. Ninguém sabe como elas chegaram lá e era a primeira vez que um equipe de TV tinha acesso ao material.  De resto, nada é aprofundado sobre a questão religiosa, os rogos para que Catarina de Aragão abraçasse a vida religiosa e salvasse a igreja da Inglaterra do cisma, ou o papel de Ana Bolena como defensora das ideias reformadas. 


Ana Bolena melancólica.
A Ana Bolena trouxe livros e ideias para a Inglaterra, ela tinha um volume da Bíblia em inglês, discutia teologia com o rei, nada disso apareceu de forma clara.  A querela pela anulação do casamento com Catarina de Aragão foi tratada com uma superficialidade absurda.  Falar de Henrique VIII e suas esposas e não falar da Reforma Protestante não faz sentido.  Os docudramas não precisavam reduzir as esposas do rei à joguete das facções católica e protestante, mas tinham que explicar as coisas. A Ana Bolena do seriado, , faz cara de coitada o tempo inteiro.  As fontes sobre Bolena falam que ela não era particularmente bonita, mas sabia seduzir com os olhos, a boca, sua figura elegante, sua inteligência. A do docudrama parece tímida e acabrunhada, não uma mulher brilhante.

Quando chegamos em Jane Seymour (), a terceira esposa, a que dá o filho homem ao rei, sua história já se mistura com a de Ana Bolena com a narradora/apresentadora associando o início do seu caso com ele ao último aborto sofrido pela segunda esposa de Henrique VIII.   A partir daí, a narração da queda da mãe da futura Rainha Elizabeth é rápida.  Nem dão detalhes sobre a sua execução, como o fato do rei ter mandado buscar um carrasco na França, do uso da espada ao invés do machado, e de ter sido uma execução privada.  Já Jane Seymour é quase uma massa inerte, nem o jogo de parecer casta para merecer ser esposa é abordade.


Morreu sendo mãe, a esposa perfeita.
Jane Seymour é descrita como católica, mas sem aprofundarem as discussões religiosas, essa informação passa batida.  Não se dá nem o detalhe de que, para Roma, o casamento com Seymour era legítimo, afinal, Henrique estava viúvo de Catarina de Aragão.  O episódio 2 fala por alto da Peregrinação da Graça, a maior revolta contra Henrique e promovida por católicos.  Só que é tão por alto que nem dá para saber do que se trata realmente.  Há aquela clássica cena da intervenção de Jane pedindo que Henrique não dissolva um determinado mosteiro (*no docudrama são todos*) e o rei dizendo “Lembre-se da outra rainha”, para que a esposa entenda o seu devido lugar.  Quem não recuaria?

Morta Jane Seymour, a única a cumprir com seu decer, o capítulo final corre para apresentar as três últimas esposas de Henrique.  Apesar dos três anos de viuvez do monarca, da depressão que parece ter se avatido sobre ele, o episódio diz que ele correu para se casar de novo.  Não se toca nas pressões do conselho, de Thomas Cromwell, de nada.  Entra em cena Ana de Cleves e escolhem uma atriz belíssima, , para o papel.  A proposta de Worsley é se opor à idéia de que a nobre alemã era feia e defender que a dissolução do casamento foi fruto da impotência de Henrique, que ele inventou várias desculpas para se livrar dela.


Ana de Cleves era feia?
Bem, bem, neste caso, eu chamaria as fontes e Antonia Fraser, além dos docudramas de David Starkey.   Ana de Cleves não é descrita como feia nas fontes de época, mas não é apresentada como bonita, também.  Henrique era um sujeito peculiar, ele só se casara com mulheres que ele tinha visto.  Ele, mal ou bem, se apaixonava primeiro, casava depois.  Por isso mesmo, enviou seu melhor retratista, Holbein, para pintar a moça.  Há quem acredite que ele a embelezou.  Na verdade, o casamento com Ana de Cleves, a aliança protestante proposta por Thomas Cromwell, era seu primeiro casamento político, por assim dizer. E isso era coisa muito estranha para a época.  Mas o que não era estranho em relação à Henrique VIII?

E ele não gostou da noiva que recebeu, uma moça que não falava sua língua, que não tinha sido criada em uma corte renascentista, sem grande instrução (*Henrique era muito culto*), que não entendeu a peça que o rei queria lhe pregar (*nem o reconheceu*) e que não se vestia segundo a moda da Inglaterra.  Foi um fiasco que custou a vida de Thomas Cromwell, o homem que fora ameaçado por Ana Bolena e conseguiu destruí-la (*nada disso é dito no docudrama*), um dos líderes da reforma dentro do governo e que queria que ela avançasse.  De resto, Ana de Cleves até que se saiu bem, foi compensada com propriedades e dinheiro por Henrique, sobreviveu, mas não pode voltar para casa.


Catarina Howard, criança abusada?
A quinta esposa, Catarina Howard (), era prima de Ana Bolena, oriunda do poderoso clã Howard, que puxava o partido católico, e uma adolescente quando casou com o cinquentão Henrique.   Lucy Worsley deseja transformá-la em uma mártir utilizando-se da sensibilidades modernas, como a questão da pedofilia.  Para ela, Catarina Howard poderia ter até quinze anos quando se casou com o rei. Ela era adolescente, mas improvável que fosse tão jovem.  A narradora a trata como “criança abusada”, que foi seduzida (*e violentada*) por homens adultos e (*provavelmente*) chantageada pelo seu último (*suposto*) amante, que conhecia seu passado. 

Explicando, Catarina Howard foi acusada de adultério e provas foram encontradas de que ela se encontrava com um nobre chamado Thomas Culpepper. Para Worsley, Culpepper chantageou a rainha e a carta encontrada, a maior prova contra ela, era não uma carta de amor, mas uma confirmação de que estava sendo chantageada e constrangida pelo sujeito.  Worsley apresenta Culpepper como um sedutor e estuprador, mas, enfim, nada do seu currículo o tornaria algo assim no século XVI, tampouco a jovem Catarina seria visto como criança naquele período. 


Catarina Parr, mãe adotiva dos filhos do rei.
Agora, é fato que ela não tinha preparação para ser rainha.  Muito jovem, e apesar de nobre, ela tinha poucos recursos, e fora enviada para a casa da duquesa viúva de Norfolk.  Sua avó emprestada, por assim dizer.  Deveria lá ter uma educação adequada e ser preparada para um casamento vantajoso.  Nada disso recebeu e foi exposta à predadores sexuais.  O caso era sabido pela duquesa que afastou os sedutores, mas o estrago estava feito.  Levada para a corte pelo tio, o duque de Norfolk, líder do partido católico, ela atraiu a atenção do rei, o já doente Henrique VIII, que caiu de amores por ela.  Catarina o rejuvenesceu, ele a cobriu de jóias, mas ela não tinha preparo para jogar aquele jogo e foi aniquilada sem dó pelo partido protestante, na figura do Arcebispo de Canterbury, Thomas Cranmer. 

Não discordo que Catarina Howard era uma coitada, mas não era inocente aos olhos da época dos erros que cometeu.  Uma leitura feminista, e esta, presumo eu, era a proposta dos docudramas, deveria ter questionado a sociedade e as leis que possibilitaram uma Catarina Howard, assim como possibilitariam anos depois uma Jane Grey.  Adolescentes executadas por questões políticas sem sequer terem poder algum para definir seus destinos.  De resto, foi fácil para Henrique se desfazer das suas esposas por serem suas súditas. E como, sem poder se livrar de uma delas, Catarina de Aragão, a atormentou porque ela resistiu. 


O velho Henrique cortejando Catarina Howard.
Por fim, o docudrama traz para a tela Catarina Parr (), a mais protestante das esposas de Henrique, a mais madura, também. Duas vezes viúva, culta, e que aproveitou para aprender ainda mais depois de casada, já que assistia as aulas dos filhos do rei com os melhores mestres, o objetivo de Worsley é romper com a imagem da enfermeira (*sei lá  o que ensinam nas escolas inglesas*) e mostrar o quão ativa e amante da vida e de suas boas coisas ela era.  Não se fala profundamente da amizade dela com a princesa Maria, filha de Catarina de Aragão, apesar das questões religiosas que as separavam, mas, de novo, pouco se falou de questões religiosas de fato.  Não se dá o devido valorao fato dela ter sido a única mãe que o futuro Eduardo VI teve, mas a relação com Eluzabeth, a filha de Ana Bolena, é bem desenhada. 

O docudrama supervaloriza os livros escritos por Parr, como se nenhuma mulher inglesa tivesse escrito nada antes, quando o maior choque deveria ser uma mulher escrevendo sobre teologia em um momento tão turbulento.  Como o tratamento da questão religiosa é muito superficial, a própria situação da quase morte de Catarina Parr é confusa.  Ela era ativa promotora da Reforma, suas ideias eram tidas como radicais, Henrique, já debilitado, não era um ardoroso defensor das novas ideias e só queria mandar na sua igreja e viver o resto de seus dias em paz.  De resto, ele não queria uma mulher tentando lhe ensinar religião.  Catarina quase perdeu a cabeça, mas, inteligente como era, virou a mesa e sobreviveu ao perigo e ao rei.


Não sei se há fotos melhores desse jovem Henrique, mas ele é muito bonito.
Enfim, ne sei por qual motivo fiz essa resenha.  Talvez, a vontade de escrever.  O impulso mesmo.  Eu realmente não recomendo esse docudrama para ninguém.  É meio perda de tempo, pois há materiais melhores.  O livro de Antonia Fraser, e o docudrama de David Starkey.  Sim, eu sei, Starkey é um racista misógino que está queimadíssimo na Inglaterra, mas na sua série de documentários oferece muito mais material para reflexão e discussão.  Quando dava aula de História do Cristianismo, exibia os documentários para minhas turmas e as legendas em português para esta série foram traduzidas por mim. Estão no Opensubtitles.  Para quem gosta do período Tudor, vale comparar as duas séries,  claro.

Ah, sim!  Gostei do figurino, mas não sou especialista no assunto como as moças do Frock Flicks. Achei a mudança dos Henriques, o primeiro (Scott Arthur) era muito bonitão, para o velhinho obeso (Richard Ridings) muito abrupta, especialmente, por darem a entender que de Jane Seymour para Ana de Cleves foi um pulo.  Ficou parecendo que ele se estragou da noite para o dia e não foi bem assim, não... De resto, as  intervenções da narradora foram mais irritantes do que enriquecedoras, especialmente, quando ela aparecia vestida em roupas de época e inserida nas cenas. 

GOSTOU?

0 pessoas comentaram:

Related Posts with Thumbnails