domingo, 25 de junho de 2017

Novo Mangá de Ayumi Komura é, ao mesmo tempo, triste e divertido


Ayumi Komura gosta de gender bender, de brincar com essas coisas.  Enfim, seu maior sucesso foi Usotsuki Lily  (うそつきリリィ), que tem como ponto de partida a descoberta por parte da protagonista de que o garoto de seus sonhos tem como hobby se travestir.  Sua série atual, Kami-sama no Ekohiiki  (神様のえこひいき), começa com o protagonista, Yashiro, rezando em um templo para ter coragem de se declarar para a pessoa que ama.  

Cem dias de preces consecutivas atraem a atenção da divindade do templo.  quando o garoto parte para se declarar, o deus o segue com seu bichinho de estimação.  Como seria a garota?  Só que o rapaz se declara para o melhor amigo que, de forma muito madura e educada, o recusa, reafirma que continua seu amigo, mas que é hetero.  Abalado, o protagonista se desculpa e sai caminhando sem prestar atenção.  É atropelado e morre.


A divindade, compadecida, decide dar ao jovem uma segunda chance, a possibilidade de renascer (*com a mesma idade*) no corpo que quiser.  A divindade diz que é uma exceção, porque ele se mostrou tão devoto.  O garoto questiona o favoritismo do deus, ele faz isso com todo mundo?  O nome do mangá se remete exatamente a isso, é algo como 'o favorito do deus'.  Depois de alguma ponderação, Yashiro pede para voltar como uma garota, seria a forma de, finalmente, ter reconhecido o seu amor por Kenta.  

E, bem, o tom da série é comédia.  Trata com temas pesados, que poderiam ter uma abordagem mais densa, só que o humor, aquele bobinho, típico da autora, se impõe.  Yashiro pede para voltar como uma adolescente voluptuosa, mas que pudesse ser vista como kawaii.  Fosse um mangá shounen, teríamos a peituda da turma, mas é um mangá shoujo da Margaret, então, temos uma personagem até bem curvilínea, mas nada shounen-like.  E o capítulo 1 termina com o reencontro de Yashiro (*ainda não sabemos seu nome feminino*) e Kenta.  Será que ele vai notá-la?  Como será adaptação de Yashiro como menina?  E, obviamente, a divindade e seu pet (*que é bem explosivo, chora, se compadece, bate em Yashiro quando ele pede um corpo feminino, enfim*) irão segui-lo.  E eles são meio malas, por assim dizer.


Até o momento, Kami-sama no Ekohiiki só tem um capítulo traduzido.  O original está na página da Margaret aberto para leitura.  Com a chegada do primeiro tomo às lojas vai mostrar se a aceitação do mangá está sendo boa.  Vai entrar no top 10?  Enfim, achei bem interessante a reação do amigo à confissão apaixonada, não houve piada, era uma situação crível, ainda que eu imagine que no mundo real seria muito mais difícil de ser digerida por adolescentes.  Agora, a virada gender bender, ainda que esperada, mostrou uma dificuldade de lidar com a questão da homossexualidade pela autora.  Não espero nada profundo, mas, de repente, essa história ainda pode surpreender de alguma forma. Se for um sucesso, e como o tema gender bender normalmente atrai atenção, talvez venha um anime... Talvez.


P.S.: Este post estava aberto, aqui, desde sexta-feira.  Estou sem tempo e capacidade de concentração.  Um monte de trabalhos para corrigir, notas para fechar, Júlia para cuidar, coisas para resolver ainda decorrentes do assalto do meu marido etc.  Minha gastrite está atacada e se eu encostar em algum lugar apago.  Sexta-feira perdi a aula de hidroginástica, proque fui deitar por uma meia hora. Acordei duas horas depois e achando que já era o dia seguinte e tinha que ir pegar Júlia na escola.  Foi por pouco... É a última semana de trabalho antes do recesso escolar.  Vamos ver se as coisas melhoram nos próximos dias.

GOSTOU?

0 pessoas comentaram:

Related Posts with Thumbnails