domingo, 11 de novembro de 2018

Lembrando os 100 Anos do Fim do conflito: A Primeira Guerra nos Animes e Mangás, Seriados e Cinema


PAZ: Armistício Assinado e a Guerra Mundial
está terminada: Wilson (presidente americano)
suspende o alistamento.  Termos da trégua
apresentados ao Congresso.
Hoje é centenário do fim da 1ª Guerra Mundial (19154-18), o dia do Armísticio, e estava tentando lembrar de animes que retratem este conflito especificamente.  O envolvimento do Japão foi limitado, a guerra foi basicamente uma guerra europeia.  O único mangá e anime que me vem na cabeça é Candy♡Candy (キャンディ♡キャンディ).  Sim, deve haver outros, talvez até com uma abordagem mais realista do conflito, os japoneses nãos e furtariam de escrever e desenhar um evento tão importante.  A diferença é que Candy♡Candy se passava nos EUA e na Inglaterra, estava no eixo da Grande Guerra, por assim dizer.

Candy, a protagonista, se
tornou enfermeira.
Comecei a escrever e não nomeei os países principais envolvidos na Guerra, não foi?  Precedendo o conflito, que iniciou-se em 1914, havia uma série de tensões acumuladas entre as potencias europeias e foram montadas alianças.  De um lado, os Impérios Russo e Britânico mais a República da França.  Do outro lado, os Impérios Alemão e Austro-Húngaro junto com o Reino da Itália.  Cada um desses países tinha outras redes de alianças, assim, se um país fosse agredido, os outros teriam que entrar no conflito.  Assassinaram o herdeiro do trono austríaco em Sarajevo, capital da Bósnia-Hezergovina.  Os austríacos acusaram os sérvios pelo crime e atacaram o país.  A Sérvia era aliada da Rússia.  A Alemanha até tentou acalmar os ânimos, ainda que estivesse se preparando para uma guerra fazia tempo, mas não foi possível.  Os ânimos estavam exaltados e todo mundo, ou quase, parecia disposto a pegar em armas.

A morte de Stear.
Voltando para Candy♡Candy, se vocês pegarem a lista dos episódios do anime, o mangá é muito mais curto e a abordagem do conflito foi bem mais resumida, verão o quanto de tensão foi colocado na discussão dos antecedentes, do conflito e do pós-guerra.  Os protagonistas eram todos jovens. Candy, nossa heroína loura, assim como seus colegas, é obrigada a voltar do colégio interno na Inglaterra para os EUA.  Mesmo algumas amigas britânicas vem se abrigar na América.



A morte de Stear no mangá.
A heroína abandona os estudos formais para receber instrução em enfermagem, ela quer ir para a guerra quando as tropas americanas - que entraram tardiamente no conflito - partirem.  Ela não chega a ir, mas atende soldados que voltam para Chicago feridos e traumatizados pelo conflito.  Candy ajudará alguns a lidarem com as lembranças das trincheiras e ela viverá o luto, porque um dos seus melhores amigos, Alistair "Stear" Cornwell, morre no conflito, no capítulo 113 do anime.  A série teve 115 episódios.  Stear era aviador e se oferece para voar com os ingleses ou franceses, nem sei se o anime deixa isso claro, antes mesmo dos norte-americanos entrarem no conflito, em 1917.  Vários estrangeiros, brasileiros, inclusive, lutaram em ambos os lados como voluntários.

Catedral de Ypres devastada pelos alemães.
Foi a única representação da Primeira Guerra Mundial que encontrei.  Este conflito, diferente da Segunda Guerra Mundial, não deixa muito espaço para que se elejam vilões.  Ainda que os alemães tenham cometidos atrocidades na Bélgica e na França, não havia um direcionamento genocida como veremos com o nazismo.  Fora isso, as vidas dos soldados era queimada sem que mesmo os seus próprios comandantes se preocupassem muito com seu bem estar.  A Primeira Guerra foi muito mais mortal para as tropas alemães, britânicas e francesas do que a Segunda.  A Grande Guerra, como foi chamada na época, "a guerra para colocar fim a todas as guerras" cobriu de sangue os campos da França e da Bélgica, as papoulas, flor símbolo da guerra, pareciam representar esse desperdício de juventude e de esperanças de futuro.  

Papoulas, a flor símbolo da Primeira Guerra Mundial.
Enfim, a teia de interesses e motivações que arrastaram todas as potências europeias da época para o conflito não se resumia aos interesses imperialistas fora do continente, a explicação marxista clássica, havia velhos ódios, revanches, e nacionalismos alimentados por décadas e que só podiam ser colocados em prática nos campos de batalha.  Os jovens se lançaram ao alistamento, mesmo sem precisarem.  Havia a esperança de uma guerra rápida, afinal, todos acreditavam que suas tropas eram as melhores, os meninos eram educados nas escolas para acreditarem nisso.  

Líderes Mundiais lembram o Armísticio na França.
A Primeira Guerra foi democrática em muitos aspectos, porque dizimou do operário e do camponês, obrigados a se alistas, ou voluntários, até os jovens das cidades e os moços da nobreza.  Foi, também, a guerra que destruiu impérios.  Quantos entraram?  Quantos saíram?  Impérios Alemão, Austro-Húngaro, Russo, Otomano não viram o fim da Guerra, ou se viram, estavam com seus dias contados.  O Império Britânico sobreviveu, verdade, mas nunca mais seria o mesmo.  É justo que hoje estejamos lembrando dessa tragédia, a mais importante, sim, eu defendo isso em sala de aula, guerra do século XX, ainda que possa ser compreendida como uma primeira fase da Segunda Guerra.  Esta é uma tese historiográfica válida, também.

Testament of the Youth mostra
 o Dia do Armistício.
E o que eu recomendo para vocês de filmes e resenhas que eu tenha feito aqui no blog?  Testament of Youth, Juventudes Roubadas, aqui, no Brasil, é uma boa recomendação.  Porque a guerra, seja justa, ou injusta, rouba vidas, normalmente, a dos jovens.  E mesmo quando escapam, muitos carregarão marcas visíveis e invisíveis pelo resto da vida.  O filme é baseado no relato de uma mulher que perdeu o único irmão, o noivo e todos os amigos na Primeira Guerra.  Ela serviu como enfermeira e teve que lidar com os traumas sendo a única sobrevivente de um grupo de jovens promissores.

Downton Abbey trata da Primeira Guerra
 em sua segunda temporada.
Outra recomendação, essa um tanto mais complicada de assistir, é a segunda temporada de Downton Abbey que é toda centrada na Primeira Guerra Mundial, mostrando quem ficou em casa e quem partiu, dos tipos de engajamento no conflito, de como ele mudou a vida das pessoas e as relações sociais.  Dá para assistir sem ver a primeira?  Dá, sim, mas, claro, seria mais interessante ver a partir da primeira temporada.

Parade's End, o livro é melhor que o seriado,
mas ambos são muito bons.
E, claro, meu xodó por um bom tempo, Parade's End, com Bennedict Cumberbatch.  Christopher Tietjens, protagonista, um sujeito que podia se furtar de ir para os campos de batalha pela idade e por ser um funcionário necessário para o esforço de guerra no próprio país, se alista e aprende a ser uma pessoa melhor, porque, sim, ele era altamente problemático, muito mais no livro, mas a guerra fez bem para ele.  A minissérie, claro, não trata somente disso e a melhor personagem da história nem é o protagonista, mas a terrível esposa dele, Sylvia, nunca vi um homem sofrer tanto em filme, minissérie, livro whatever.  E o sujeito, humilhado pela esposa, apaixonasse por uma jovem sufragista e morre de culpa, porque é um homem direito e cumpridor de seus deveres. Todas as resenhas estão no blog.  Recomendo muito essa série, muito mesmo.

Se a guerra fez bem para alguém foi para o "Chris".
É isso!  Queria ter feito um post melhor, mas não consegui lembrar de animes e mangás sobre a Primeira Guerra.  Antes do conflito, sim, depois do conflito, também, mas da Guerra em si... E, por favor, antes de sugerir algum título, não confundam a Guerra Russo-Japonesa (1904-05) com a Primeira Guerra, porque neste último caso, estava todo mundo do mesmo lado.  Não confundam, também, com a tentativa japonesa de tomar territórios da Rússia durante a Guerra Civil (1918-1921) que se seguiu à Revolução Russa (1917), porque temos muito mangá/anime sobre isso.

RESENHAS:

GOSTOU?

0 pessoas comentaram:

Related Posts with Thumbnails