sábado, 28 de dezembro de 2019

Mangá-ka inova ao lançar um mangá simultaneamente no Japão, Coreia e China


O mangá de ficção científica Artemis & Diana (ディアーナ&アルテミス) recebeu atenção do jornal japonês The Mainichi por ser o primeiro projeto de lançamento simultâneo de um mangá no Japão, Coreia do Sul e China.  Bem, há lançamentos simultâneos anteriores e eu poderia listar, mas acredito que o inédito é o fato do autor ter pensado seu mangá como um material multimídia, multiplataforma e  para vários países.

"Até agora, se um trabalho não fosse um sucesso no Japão, não poderíamos levá-lo para o exterior. Mas se o lançarmos em vários países ao mesmo tempo, ele poderia se tornar popular no exterior, criando mais chances para os autores de mangás. ", argumenta o autor, Yasuo Otagaki.  Segundo o The Mainichi, o mangá foi lançado nas três línguas e, no caso da Coreia, em formato próprio para celular, algo muito popular no país.  Esse foi o caso de Gisou Furin (偽装不倫), de Akiko Higashimura, mas o mangá saia antes em coreano e em formato para celular, só, depois, no Japão.


Diana & Artemis, que são o nome romano e grego da mesma divindade, conta a história de duas investigadoras que trabalham em uma cidade localizada na superfície da Lua.  Elas investigam crimes ligados ao roubo das reservas de água, um recurso importante para a cidade.  Segundo a matéria, Otagaki, que já fez mangás de Gundam, é um especialista em ficção científica, mas decidiu inovar criando suas primeiras mulheres protagonistas.  E elas são adultas, o que é interessante.  

No Japão, o mangá é publicado na revista Manga Action, a mesma que publicou Orange (オレンジ), e em uma plataforma on line chamada Mecha Comic, a Xinmanhua publica a série na China e Peanutoon é a editora na Coreia, com direito ao formato tirinha para celular.  O mangá está disponível em quatro línguas: japonês, coreano, chinês tradicional (Taiwan) e chinês simplificado.  E ele usa texto horizontal e, não, o tradicional vertical japonês, ou seja, ele é pensado para além das fronteiras nipônicas.  Outra característica interessante é que, no Japão, ele sai em preto & branco, mas no formato digital, ele é colorido.


O texto fala de questões que já discutimos aqui, que é a crise das antologias de papel e o aumento de vendas de material digital, seja pensado, ou não, para esse formato.  Mais adiante, o mangá-ka pontua o seguinte: "O senso comum que se aplicava ao mangá japonês até agora, assim como a minha abordagem tradicional, não se aplica mais, quero continuar avançando com a sensação de que um recém-chegado teria".  Não sei se ele está certo, mas o fato é que é uma nova forma de encarar o mercado de mangá e lidar de forma positiva com novos desafios.

GOSTOU?

0 pessoas comentaram:

Related Posts with Thumbnails