domingo, 19 de julho de 2020

Mulheres italianas, assim como as brasileiras, também foram proibidas de jogar futebol


De manhã, vi no Twitter uma matéria do Corriere Della Sera falando de um novo livro lançado na Itália chamado Giovinette, le calciatrici che sfidarono il Duce (Jovens Mulheres, as Jogadoras que Desafiaram o Duce) da jornalista Federica Seneghini.  Trata-se de uma um romance documental no qual a autora conta a história do primeiro time de futebol feminino da Itália, o GfC, Gruppo Femminile di Calcio de Milão.  O time foi criado por um grupo de adolescentes e jovens, fãs de futebol, em 1933 e chamou atenção da imprensa.
"Eu amo muito o jogo de futebol, um amor tenaz meu, não um fogo de palha. Minhas companheiras têm muita paixão e boa vontade: nunca iremos desaparecer.", prometeu Rosetta Boccalini, em 1933, entrevistada na revista Calcio Illustrato.  
Elas jogaram apenas um jogo oficial e todas as mulheres foram proibidas de praticar o esporte.  "O regime precisa de mães, não de jogadoras de futebol.", foi o que lhes disseram.  A história desse time, há muito esquecida, se tornou um romance, Giovinette (Solferino), escrito pela jornalista do Corriere Federica Seneghini, com base nos documentos da época, no testemunho da última sobrevivente e nas memórias de parentes das protagonistas. "Assim, finalmente, se fará justiça a um grupo de meninas cujos sonhos foram abruptamente interrompidos pelo regime e mostra uma das maneiras mais insidiosas pelas quais as ditaduras operam: não apenas a violência e a repressão política que todos temos em mente, mas uma mais ampla - e talvez duradouro - destruição das chances de vida das pessoas." No caso da Itália, somente em 1968 houve o primeiro campeonato não oficial de futebol feminino; uma Federação estruturada somente em 1986.


E pensar que Rosetta, em 1933 ainda adolescente, que estudava para ser professora, sua irmã Marta, costureira, sua amiga Losanna Strigaro, vendedora, conseguiram com grande desenvoltura obter o consentimento do presidente da Coni (Comitê Olímpico Nacional Italiano) e da FIGC (Federação Italiana de Futebol), Leandro Arpinati, fascista de primeira hora, que no passado liderara espancamentos e confrontos em Lodi, a cidade de origem das irmãs Boccalini, mas que também era um verdadeiro amante do esporte. Ele abriu o "experimento" do futebol feminino,  "embora reconhecesse que sua divulgação não era apropriada", como escreveu o Gazzetta dello Sport na época, e "concedeu autorização ao clube milanês para praticar futebol. No entanto, cada atividade deve ocorrer em privado, ou seja, em campos vedados e sem acesso público ".

A obrigação de não ser vista não era a única: as meninas foram forçadas a solicitar um atestado médico a Nicola Pende, diretora do Instituto de Biotipologia e Ortogênese de Gênova, um dos pontos de referência das teorias "científicas". da época em que os novos italianos queriam formar sob a égide do fascismo.


"Acredito que do lado médico nenhum dano possa chegar à linha estética do corpo, nem à estática dos órgãos abdominais femininos e sexuais em particular, em um jogo de futebol racionalizado e não orientado para o campeonato, que exige exagero dos movimentos musculares, sempre prejudicial ao organismo feminino", escreveu Pende. "Um jogo de futebol, portanto, sim, mas por puro prazer e com moderação!". Claro, porém, apenas para meninas entre 15 e 20 anos.

Giovanna, a terceira e mais velha irmã Boccalini, também uma fervorosa fã do Inter, que sempre apoiava e acompanhava as meninas, apesar de sua grande paixão, ela nem sequer tentou participar: era casada e tinha dois filhos, era impensável. "O terror dos médicos e autoridades civis era que o futebol poderia comprometer a fertilidade dos jogadores", diz Seneghini. "(...) as mulheres tinham que ser impedidas de jogar bolas nos órgãos reprodutivos. E, de qualquer forma, uma vez que se tornassem mães, o esporte deveria ser excluído".


Que o futebol era considerado um empreendimento não respeitável e nem feminino é evidente a partir dos comentários e artigos dos jornais da época, relatados fielmente no livro, que definia a empresa da GFC como "antiesportiva" e "antipática do tipo americano", não futebol. Eles se preocuparam com o que as atletas fariam durante o "período lunar" e observaram que "a Itália fascista precisava de boas mães, não jogadores de futebol masculinizadas". "Comecei a trabalhar no livro durante a Copa do Mundo Feminina e me surpreendeu", diz Seneghini, "ouvir mais ou menos as mesmas objeções, quase noventa anos depois".

Em 11 de junho de 1933, Rosetta, Marta, Lausanne e as outras conseguiram organizar o primeiro jogo de futebol feminino da Itália. Com uma grande audiência, porque nesse meio tempo as jogadoras se tornaram tão famosas e discutidas atraindo fãs e pessoas curiosas. Foi o único.  Enquanto isso, Achille Starace, um dos líderes do regime fascista, chegara à frente do Coni: "Ao contrário de Arpinati, ele não era um homem de esportes e sabia muito menos sobre mulheres", diz Marco Giani, historiador do esporte que trouxe à tona a história das vicissitudes do GFC e autor do ensaio publicado no apêndice de Giovinette. "Ele argumentou apenas com critérios políticos: o esporte tinha que servir para criar campeões e campeões que prestavam prestígio ao fascismo".


Starace impôs o fechamento do grupo de futebol feminino e enviou as autoridades do CONI para dissolver as equipes existentes e encontrar garotas para serem transformadas em atletas de outros esportes: os olímpicos ou aqueles que, de qualquer forma, incluíam torneios internacionais nos quais a Itália poderia se afirmar.  As páginas finais do livro entrelaçam a tentativa de organizar o primeiro jogo entre cidades, com uma equipe de Alexandria que se inspirou o GFC, apesar da repressão do regime, com a história da família Boccalini, acusada de antifascismo (Giuseppe, marido de Giovanni , acabou em preso).

Não é coincidência: foi preciso muita inconsciência e ao mesmo tempo liberdade - acima de tudo mental - para fazer o que ninguém podia imaginar na época. O "jogo" muito sério do futebol nada mais é do que um exercício do que também é necessário para ser livre: força, determinação, coragem para perseguir seus objetivos. "Foi o que imediatamente me impressionou sobre Rosetta, Marta, Lausanne e todas as outras garotas: elas foram pioneiras", diz Seneghini. "É por isso que eu gostaria que Milão lembrasse delas, dando seu nome a alguma estrada ou campo esportivo". Seria bom se o prefeito Beppe Sala aceitasse o apelo.
"Amo muito o futebol, com um amor tenaz meu, não um fogo de palha. Minhas companheiras têm muita paixão e boa vontade: nunca iremos desaparecer." Rosetta Boccalini, ATTACCANTE, 1933

Por qual motivo disse que ocorreu o mesmo no Brasil?  O governo Vargas proibiu em 1941 que as mulheres praticassem vários esportes, dentre eles, o futebol.  Segue um trecho da lei: "Às mulheres não se permitirá a prática de desportos incompatíveis com as condições de sua natureza, devendo, para este efeito, o Conselho Nacional de Desportos baixar as necessárias instruções às entidades desportivas do país.” (decreto-lei 3.199 de 14 de abril de 1941). O artigo, criado durante a Era Vargas, foi válido até 1983. É como a autora do livro italiano pontuou, uma ditadura rouba os sonhos das pessoas, das suas oportunidades, só que, quando essas pessoas são mulheres, elas podem continuar tendo seus direitos cerceados sem grande problema em uma democracia.  E, bem, ainda assim, podem ser culpadas por não desenvolverem as suas competências.  Negam-lhes as oportunidades para, mais tarde, acusá-las de incapacidade.  

Enfim, é isso.  Eu não traduzi palavra a palavra o artigo italiano.  Cortei coisas, modifiquei algumas linhas, mas é essencialmente o texto original.  Não me surpreendeu que Mussolini tivesse feito antes o que o governo Vargas fez aqui.  Só não iria ao extremo de dizer que nosso governo copiou a legislação fascista, porque não tenho leituras profundas sobre o assunto.

GOSTOU?

0 pessoas comentaram:

Related Posts with Thumbnails