domingo, 14 de fevereiro de 2021

Qual a importância de um sobrenome? As artistas perdidas para a História, porque se casaram (Artigo Traduzido)

Apareceu para mim no Facebook, um artigo do The Guardian chamado What’s in a surname? The female artists lost to history because they got married, algo como "Qual a importância de um sobrenome?  As artistas perdidas para a História, porque se casaram".  Não entendeu?  Ao se casarem, a maioria das mulheres durante pelo menos dois séculos costumavam mudar de nome.  Ao adotarem o sobrenome do marido, algumas delas simplesmente desapareciam, passavam a ser uma extensão do cônjuge, sem uma história pregressa.  Comentei o caso de uma japonesa que foi à Justiça para poder continuar usando seu nome de solteira, afinal, era o seu nome profissional, e foi obrigada pela corte a mudar de nome mesmo contra sua vontade.  Se se divorciavam, casavam novamente, caso da artista que é o ponto de partida do artigo, era como se sua obra fosse resetada e tivesse que começar novamente.  Alguém pode dizer "Mas por qual motivo mulheres mudam de nome?"  

Em alguns casos, a lei do país obriga.  Em outros, a pressão do parceiro, ou da família, é tão grande que é melhor ceder.  Eu me casei em 2001 e fui pressionada a alterar meus documentos por alguns parentes e ignorei, mas eu podia ignorar, eu era adulta e pagava minhas contas e já tinha refletido sobre o tema muitas vezes, além disso, meu então futuro marido não se importava com a questão.  Não é tão simples assim e mesmo quando mantemos nosso nome, ele é sempre o nome de algum homem, o de nosso pai, o do pai de nossa mãe, o do avô, enfim... O patriarcado determina essas coisas mesmo quando tentamos fugir dele.  De qualquer forma, o que o  texto discute é que essas mudanças de nome podem fazer com que o rastreamento da obra de uma artista se torna mais difícil, já um homem, bem, ele sempre será dono do seu nome e nunca passará por esse problema. Segue o artigo traduzido.

Qual a importância de um sobrenome?  As artistas perdidas para a História, porque se casaram

Uma nova biografia da pintora Isabel Rawsthorne destaca como mulheres talentosas muitas vezes perderam o reconhecimento que mereciam.

Gerações de mulheres artistas, compositoras e escritoras se perderam na história porque seus nomes mudaram após o casamento. De acordo com o crescente consenso acadêmico, a troca convencional de sobrenomes no altar apagou um legado cultural importante. E a história da pintora e designer Isabel Rawsthorne, contada em uma nova biografia, é uma das primeiras a apresentar esse argumento poderoso.

Uma estrela da cena artística de Londres no final dos anos 1940 e 50, Rawsthorne foi apontado como um dos cinco principais artistas a serem observados ao lado de Francis Bacon e Lucian Freud. No entanto, suas pinturas impressionantes agora estão sendo associadas, aos poucos, aos três outros nomes que ela usou. Como resultado, ela aparece simplesmente como uma série de notas de rodapé, mais conhecida como a musa de seus famosos amantes, os escultores Jacob Epstein e Alberto Giacometti.

A Dra. Carol Jacobi, autora do novo estudo sobre Rawsthorne, Out of the Cage, publicado pela Thames & Hudson, acredita que agora é a hora de retirar artistas femininas significativas “das sombras”.  “O poder realmente reside em um nome”, disse Jacobi, curadora da Tate Britain. “Quando Rawsthorne morreu, ninguém a ligou à artista conhecida como Isabel Lambert, que criou tantos desenhos durante o Festival da Grã-Bretanha, nem à musa boémia Isabel Delmer, e certamente não à promissora artista Isabel Nicholas, que expôs em Londres na década de 1930 ”.

Jacobi acredita que muitos legados artísticos foram perdidos dessa forma. Uma criança prodígio como Emma Jones, disse Jacobi, tem reconhecimento limitado agora apenas porque seu marido, Alexis Soyer, garantiu que seu trabalho fosse creditado quando ela morreu no parto, aos 28 anos, em 1842. Outras artistas ainda não recuperadas da marginalidade inclui a modernista americana Helen Torr, cuja carreira, apesar da aclamação inicial na década de 1920 em Nova York, foi ofuscada por seu marido, o artista abstrato Arthur Dove.

Na Escócia, Margaret Macdonald, esposa de Charles Rennie Mackintosh, está gradualmente sendo reconhecida fora dos círculos acadêmicos. Ela criou muitos do recursos do trabalho popular de seu marido, moldando o "Estilo de Glasgow" da década de 1890, como ele reconheceu, escrevendo: "Margaret tem gênio, eu só tenho talento."

O problema está disseminado por toda a cultura, de acordo com a acadêmica Anna Beer, autora de Sounds and Sweet Airs: the Forgotten Women of Classical Music. “O problema realmente começou no século 19, quando a ideia de uma esposa como propriedade se firmou”, disse ela. “Antes disso, nos 200 anos anteriores, as mulheres artistas e músicas muitas vezes se apegavam a um nome de família se isso as posicionasse de maneira útil como parte de uma dinastia criativa.”

Beer também acredita que uma nódoa imoral no esforço artístico da era vitoriana impediu que as mulheres exibissem seus talentos. Escrever para consumo público era visto como algo semelhante à prostituição. “Assim, você pode ver por que as mulheres optaram por publicar anonimamente ou adotaram nomes masculinos”, disse ela.

A vida extraordinária de Rawsthorne começou em 1912 quando ela nasceu em uma família de classe média chamada Nicholas. Como uma criança crescendo em Wirral, sua aptidão para a arte era clara. Aos 16, ela encontrou uma maneira de experimentar o desenho vivo, o que era proibido, alugando uma sala onde colegas da escola de artes pudessem modelar.

Ao chegar à Royal Academy of Art em 1931, com uma rara bolsa de estudos para uma jovem, seus estudos foram interrompidos quando seu pai morreu. Mas a essa altura ela já havia encenado seus próprios shows e conhecido Epstein e sua esposa, Margaret, eventualmente indo morar com eles como um conveniente modelo vivo.  Quando engravidou de Epstein, decidiu entregar o bebê ao casal.

Mudando-se para Paris, seu estilo de pintura se desenvolveu e ela se casou com o jornalista britânico e gênio da “propaganda negra” anti-nazista Sefton Delmer, tomando seu nome como forma de proteção durante viagens na Espanha devastada pela guerra civil, onde foram brevemente capturados por rebeldes. Ela usou deinteligência e trabalhou por um período no gabinete de propaganda secreta em Aspley Guise, perto de Bletchley Park, administrado por seu marido.  Conforme sua arte mudou do surrealismo para o estudo de animais e figuras humanas, ela voltou a Paris e conheceu Giacometti, cujo trabalho se acredita ter sido fortemente influenciado por sua forma esguia e longa.

De volta a Londres e divorciada de Delmer, ela foi objeto de uma série de exposições e começou um relacionamento com seu segundo marido, o célebre compositor Constant Lambert, um homem inicialmente também comprometido com a primeira bailarina Margot Fonteyn.  Agora, "Mrs. Lambert", ela trabalhou nos designs para o balé Tiresias, notoriamente picante do Festival of Britain, apresentado na Grã-Bretanha em apenas uma produção em Sadler’s Wells. Seguiu-se uma exposição na prestigiosa Hanover Gallery em Londres e ela foi mais uma vez aclamada como um talento.

Após a morte de Lambert, ela se mudou para o interior de Essex e se casou com seu terceiro marido, o compositor Alan Rawsthorne. “Esse era o sobrenome de Isabel quando ela morreu, mas, é claro, ninguém ligou isso a suas vidas anteriores”, disse Jacobi, acrescentando que nenhum desses casamentos trouxe a ela a posição ou segurança que outros poderiam ter procurado. “Em vez disso, Isabel teve que começar de novo pelo menos duas vezes por causa de sua nova identidade de casada.”

Uma pesquisa do YouGov de 2016 descobriu que mais da metade das mulheres solteiras britânicas ainda planejavam mudar seu nome no casamento, embora isso representasse uma queda de 30% na taxa atual. Pesquisas separadas também notaram uma tendência crescente de se adotar um sobrenome duplo comum no casamento.

O que há em um nome, como a Julieta de Shakespeare perguntou? Bem, de acordo com Beer, é uma marca forte para qualquer artista e, no caso de um gênio masculino como Shakespeare, várias grafias diferentes de seu sobrenome, juntamente com as escassas evidências de arquivo, não impediram a construção de um legado. “Os acadêmicos podem encontrar uma maneira de contornar isso, se quiserem”, disse ela.

GOSTOU?

2 pessoas comentaram:

Foram divulgadas as primeiras imagens daquela série com uma Anna Bolena negra

Related Posts with Thumbnails