sábado, 5 de dezembro de 2015

Barbra Streisand vai dirigir filme sobre Catarina, a Grande


Quando vi o nome de Barbra Streisand nesta notícia associada a um filme sobre a mega-super-fantástica Catarina, a Grande, quase soltei uns gritinhos aqui.  Amo Barbra Streisand, a cantora, a atriz (*que tem Oscar, viu?  Empatou com a fenomenal Catharine Hepburn*) e diretora.  Já falei de Yentl aqui, não uma resenha completa, mas um post depois de ler o livro e concluir que Barba pegou uma história misógina e fez um filme FEMINISTA!  Yesss!!!!!!  E, bem, Catarina, a Grande é tão fantástica como personagem que, sim, sim, se alguém pegar a pessoa certa para fazer o papel (*Carey Mulligan?  Emma Watson?*), a atriz certa para fazer a velha imperatriz Elizabeth (*Meryl Streep você topa???*), e que ninguém queira abraçar o mundo com as pernas, pode ser muito, muito, muito legal.

Eu já fiz um post rápido sobre Catarina II, a Grande, que reinou de 1762 até 1796, nasceu em um obscuro principado alemão e foi escolhida, como era quase uma regra, exatamente por ter sangue real, ser pobre (*essas princesas alemães eram baratas... pense no que era tentar casar com uma princesa francesa, Orleã, Bourbon, ou uma Habsburgo...*) e com fama de fertilidade.  A moça de 15 anos, que teve que abrir mão de seu nome, Sophie Friederike Auguste, tinha grande interesse por filosofia, era estudiosa, mas possuía,  também, uma natureza muito sensual.  A adolescente caiu de para-quedas em uma corte opressiva, cheia de maquinações, com uma sogra dominadora e um marido abusivo.  Só que Catarina não era Maria Antonieta, sua contemporânea, e mesmo contra todas as expectativas, virou a mesa e, bem, chegou ao poder.

A jovem Catarina, na época de seu casamento.
Parece que é esta parte da vida de Catarina, sua chegada ao poder, que será enfocada no filme.  Outra informação que temos é que a produção é de Gil Netter, que tem alguns filmes muito importantes no currículo, e o roteiro é de Kristina Lauren Anderson.  Detalhe importante sobre esse roteiro, ele liderou o ranking - a lista negra, segundo as matérias - dos melhores roteiros não filmados de 2014.  Um... Nem sabia que isso existia, e é o décimo ano da tal lista, mas é outro bom sinal, ao que parece.  Direção e roteiro de mulheres em um filme sobre uma mulher.  Pode dar errado, claro, mas tem tudo para ser um filme muito bom.

De resto, Barbra Streisand foi preterida por Hollywood como diretora.  Lembro bem de uma matéria de 1991/92 que dizia que, pela primeira vez, Hollywood iria ter que indicar ou uma mulher, ou um negro (*Spike Lee por Malcolm X*) para diretor.  Nem uma mulher, nem um homem negro, recebeu a indicação.  :P  O Príncipe das Marés recebeu sete indicações.  O último filme dirigido por Streisand, O Espelho tem Duas Faces é de 1996.  Na época, me agradou muito, mas nunca revi e já li reviews que detonavam o filme, o acusavam de ser um produto pouco feminista, por assim dizer. 

Catarina em 1794, idosa e acompanhando
a última moda.  Amo esse quadro.
Enfim, uma das coisas que mais me aborreceram nas cerimônias do Oscar foi quando convidaram a grande Barra Streisand - uma liberal, feminista  - para entregar o Oscar à  Kathryn Bigelow de melhor diretora por Guerra ao Terror, uma das piores peças de propaganda da "guerra" que os norte americanos fizeram no Iraque e que não tinha praticamente nenhuma mulher na tela... Mas não quero falar de Bigelow, quero sonhar com esse filme sobre Catarina, a Grande.  

GOSTOU?

0 pessoas comentaram:

Related Posts with Thumbnails