sábado, 23 de abril de 2016

Por que Hollywood não escala atores asiáticos?

Tilda Swinton como o Ancient One
Dias atrás, um post rendeu (*e ainda está rendendo*) montes de visitas ao blog.  Ele trata da notícia veiculada por um dos blogs da Globo falando que um ator caucasiano seria escalado para fazer o papel de um japonês em uma novela que trataria da imigração japonesa.  Muita gente comentou enfurecida, mas houve quem deu razão para a emissora, pois não há atores nipo-brasileiros o suficiente para uma novela, porque escalar atores e atrizes de origem asiática para fazer orientais em nossas novelas seria política de cotas.  Um comentário, o entanto, disse que o motivo era econômico, pois homens asiáticos não são vendáveis.  Era coisa mais que sabida aqui e em Hollywood.  Estou até agora esperando as fontes dele, mas apareceu uma matéria do New York Times que tocou exatamente nesse ponto.  Traduzi o artigo.  Vale a leitura. :)



Por que Hollywood não escala atores asiáticos?
por KEITH CHOW

Aqui está um eufemismo: Não é fácil ser um ator asiático-americano em Hollywood. Apesar de alguns progressos feitos na tela pequena - graças, "Fresh Off the Boat"! - A maioria dos papéis oferecidos aos asiáticos-americanos estão limitados a estereótipos que não pareceriam fora de lugar em uma comédia de John Hughes dos anos 80.

Este problema é ainda pior quando os papéis que originalmente eram asiáticos acabam indo para atores brancos. Infelizmente, estas decisões de escalação de elenco não são uma relíquia do passado de Hollywood, como o encarnação de Mickey Rooney para I. Y. Yunioshi em "Bonequinha de Luxo", mas continuam até o presente.

Mr. Yunioshi 
Na semana passada, a Disney e a Marvel Studios lançaram o trailer de "Doutor Estranho", uma adaptação dos quadrinhos Marvel. Depois de esgotar todos os estereótipos do "homem branco que encontra a iluminação no Oriente" em menos de dois minutos, o trailer apresenta Tilda Swinton como o Ancient One, um místico tibetano nos quadrinhos. Apesar de seu elenco não ser segredo, havia algo inquietante sobre a visão de cabeça barbeado de Swinton e suas "místicas" vestes asiáticas. Fez com que nos lembrasse as dissonantes memórias de David Carradine em "Kung Fu", a série de televisão dos anos 1970 que, por coincidência, era em si uma versão embraquecida de um conceito original de Bruce Lee.

Poucos dias depois, a DreamWorks e a Paramount forneceram um vislumbre de Scarlett Johansson como a ciborgue Motoko Kusanagi em sua adaptação do anime japonês clássico "Ghost in the Shell." A imagem coincidiu com relatos de que produtores consideravam o uso de ferramentas digitais para fazer Johansson parecer mais asiática - basicamente, yellowface para a era digital.

Scarlett Johansson será Motoko Kusanagi
Esta potente combinação de atores brancos interpretando personagens asiáticos mostrou quão invisíveis os asiático-americanos continuam a ser em Hollywood. (Não deve ser deixado de fora das notícias de embranquecimento que a Lionsgate também revelou as primeiras imagens de Elizabeth Banks como Rita Repulsa, outra personagem originalmente asiática, em seu corajoso reboot de "Power Rangers".)

Porque é que o apagamento de asiáticos ainda é uma prática aceitável em Hollywood? Não é que as pessoas não percebem: Bem no ano passado, Emma Stone interpretou um personagem mestiça de chinesa com havaiana chamada Allison Ng no criticamente ridicularizado "Aloha" de Cameron Crowe. Apesar do filme ter provocado semelhante ultraje (e lucros mornos de bilheteria), nenhuma discussão nacional de sobre a política racista de escalação de elenco ocorreu.

Emma Stone em Aloha
Obviamente, os asiático-americanos não são as únicas vítimas da propensão de embranquecimento continuada de Hollywood. Filmes como "Pan" e "The Lone Ranger" contaram com atores brancos interpretando nativos americanos, enquanto que "Deuses do Egito" e "Exodus: Deuses e Reis" continuaram a longa tradição dos caucasianos no papel de egípcios.

Em todos estes casos, os cineastas voltaram a cair nos mesmos argumentos batidos. Muitas vezes, eles insistem que os filmes com as minorias em papéis principais são apostas.   Durante uma coletiva de imprensa de "Exodus", o diretor Ridley Scott disse: "Eu não posso montar um filme deste orçamento" e anunciar que "o meu ator principal é Mohammad de tal e tal."

Exodus: Deuses e Reis
Quando o roteirista Max Landis usou o YouTube para explicar o elenco de "Ghost in the Shell", ele usou um argumento similar. "Não há uma lista de atrizes asiáticas classe A em um nível internacional", disse ele, advertindo os telespectadores de "não compreenderem como funciona a indústria."

O argumento de Landis segue de perto uma declaração do roteirista Aaron Sorkin. Em uma troca de e-mail vazado com chefes de estúdio, ele se queixou sobre a dificuldade de se adaptar "Flash Boys," O livro de Michael Lewis sobre o Wall Street executivo Bradley Katsuyama, porque "não há qualquer estrela de cinema que seja asiática."

O verdadeiro Bradley Katsuyama
Mas eles estão errados. Se as minorias representam riscos de bilheteria, o que contribui para o sucesso do "Velozes e Furiosos" franquia, que apresentou uma equipe amplamente diversificada, atrás e na frente da câmera? Mais de sete filmes que já arrecadou quase US $ 4 bilhões no mundo. Na verdade, um estudo recente da Ralph J. Bunche Centro de Estudos Afro-Americanos da Universidade da Califórnia, Los Angeles, descobriu que filmes com protagonistas multirraciais não só resultaram em números de bilheteria mais elevados, mas os retornos também mais elevados de investimento para os estúdios e produtores.

E o argumento de Hollywood é circular: Se asiático-americanos - e outros atores minoritários de forma mais ampla - nem sequer são autorizados a estar em um filme, como eles podem construir a influência de bilheteria necessária, em primeiro lugar? Para piorar a situação, em vez de tentar usar as suas posições elevadas na indústria para impulsionar a mudança, os figurões de Hollywood, como Landis e Sorkin tomar o caminho fácil e cínico.

Harold e Kumar
Mesmo um sucesso modesto como a trilogia "Harold e Kumar", estrelado por John Cho e Kal Penn, foi capaz de quadruplicar seu orçamento de produção depois das vendas da bilheteria e de home media.  Enquanto isso, os filmes com estrelas brancas fracassam nas bilheterias o tempo todo. Chris Hemsworth, que protagoniza sequência "O Caçador e a Rainha do Gelo" neste fim de semana, teve muito mais fracassos de bilheteria do que sucessos, mas ele é considerado uma estrela de cinema rentável.

Tais fatos revelam pequeno segredo sujo de Hollywood. Economia não tem nada a ver com as políticas racistas de escalação de elenco. Filmes em que os protagonistas foram embranquecidos fracassaram poderosamente nas bilheterias. Inserir protagonistas brancos não teve nenhum efeito demonstrável sobre os números. Então, por que o pensamento convencional segue tão firme em Hollywood?

Durante anos, as audiências têm essencialmente boicotado esses filmes, mas os estúdios continuam a fazê-los. Vamos ter esperança de que Hollywood finalmente escute.

Keith Chow é o fundador do site de cultura pop The Nerds of Color e um editor das antologias quadrinhos asiático-americanos " Secret Identities " e "Shattered".

P.S.: Utilizei embranquecimento como tradução para whitewashing, termo que se repete ao longo do texto.

GOSTOU?

7 pessoas comentaram:

o ideal é ignorar Hollywood! Pra ver se toma vergonha na cara!
Fico feliz que as produções asiáticas tem crescido! Ou seja os asiáticos fazendo produções pra eles mesmos! Lembremos dos grandes polos da Ásia: Japão, Hong Kong (especialmente filmes de ação de kung fu), Coreia do Sul, Índia, Iran....
Bruce Lee resolveu fazer filmes em HK porque viu se converteria num "charlie chan" da vida lá.
Bom.. que falar da bem sucedida industrial cultural japonesa (HQ, animações, filmes etc.)? cresceu tanto que bate testa na "rival" yankee...

http://www.theguardian.com/artanddesign/2002/jun/01/artsfeatures.features
The other superpower
For the first time in decades, American style and culture are facing serious competition - from the land that gave us Godzilla and Hello Kitty. Douglas McGray visits the new Japan

Sobre a Scarlett Johanson em Ghost in The Shell, eu acho que as pessoas deveriam esperar um pouco mais para criticar a escolha, já que não sabemos se no filme, a personagem dela será japonesa, descente ou não. Me desculpem se eu estiver enganado, mas eu tenho a impressão de que o filme pegará a história do anime e adaptará para um ambiente americano. Seria estranho se os coranos, por exemplo, fossem fazer uma adaptação de um mangá japonês e tivessem que contratar um elenco japonês. E sobre os filmes asiáticos que deveriam ter elenco ocidental e tem elenco oriental? Os japoneses adoram colocar perucas e lentes em seus atores (além de usar sotaques ridículos) para fazerem papeis de ocidentais. Não estou vendo rebuliço na internet porque farão um filme de Fullmetal Alchemist com elenco japonês. E o de Attack on Titan?
Não estou querendo defender Hollywood. Sim, eles estão errados e sendo muito preconceituoso. Só estou querendo jogar uma luz diferente sobre o problema.
Hollywood está muito equivocada em achar que atores asiáticos (ou de outras etnias) espantariam o público dos filmes. Eu, por ser fã de cultura asiática, já fui várias vezes aos cinemas só porque algum ator asiático que eu gosto está no elenco do filme. Só assisti à RED 2 porque o Lee Byunghun estava no elenco, por exemplo. É sério que com o Choi Seunghyun, o Choi Siwon e a Im Jinah sendo considerados algumas das pessoas mais sexies e bonitas do mundo, as pessoas não iriam assistir a um filme só porque eles estão no elenco, por exemplo?
Agora, o preconceito não parte só da industria. Já cansei de ver gente torcer o nariz quando me vê assistindo alguma coisa que seja asiática. "Esse povo é tudo igual." "Essas pessoas são feias." "Essas meninas não tem nem peito nem bunda." "Eles tem a cara meio amassada, né?" "É um homem ou uma mulher?"
Eu, sinceramente, acho que esse tipo de preconceito é resultado da falta de contado. Se as pessoas dessem mais chances à cultura asiática, elas teriam uma visão diferente. Eu mesmo, quando comecei a assistir os meus primeiros dramas não sai achando tudo e todos normais e bonitos. Agora, as pessoas se fecham para a cultura asiática, fazer o que? Tem gente que sai assistindo tudo que é serie que encontra no Netflix, mas essas pessoas param para ver os doramas que tem lá? Não. As pessoas não param e pensam "Hum, estou cansado de ver as mesmas séries americanas. Acho que vou variar e tentar ver um dorama."

Victor, se a lógica é do embranquecimento, só de pensarem em "torná-la mais japonesa" já quebra qualquer argumento. Fora a fala sobre atrizes orientais, nenhuma delas se qualificaria para o papel. Na verdade, o que mais vemos é adaptações que escondem os traços étnicos não-causasianos - vide Hunger Games - e ninguém parece se importar muito na grande mídia ou estúdios, mas vai fazer o inverso, ou simplesmente colocar um não-branco em um papel de destaque em uma grande franquia, por exemplo, aí, é uma ofensa!

No caso dos japoneses, eles ainda pensam em seu próprio mercado. Hollywood pensa no mundo inteiro e faz seus produtos com essa lógica de universalidade de seus valores e representações a respeito do humano.

Eu imagino, no caso do Japão, a dificuldade em buscar elenco internacional para um produto de consumo interno deles que, eventualmente, pode sair do país. Fansuber, que não é algo oficial, eu não conto. É cosia de fã apra fãs. Quantos filmes e séries derivadas de anime e mangá têm lançamento oficial na Europa ou EUA. Brasil não conta, estou falando de grandes mercados ocidentais. Citar 1 caso é falar de exceção. Quero saber se existe regra. Acredito que não existe, não.

"No caso dos japoneses, eles ainda pensam em seu próprio mercado."
Apesar disso há inumeras pessoas no mundo todo que adoram produções japonesas!
A cultura japonesa é singular!

Em Ghost in the Shell, eu não vi pq não escalar uma atriz asiática. Sinceramente, eu gosto da Scarlet, mas estou começando achar a escalação dela tão batida quanto essa desculpa de Hollywood. Mas parece que ela se tornou uma estrela de filmes de ação, como a Angelina foi.
Estou vendo que vai ser mais uma versão americana do que um live-action mas quiseram manter a imagem da personagem ainda. Aliás, conecto o visual mais ao OVA do que a do filme.

Espero que os atores asiáticos consigam o status que os atores indianos conseguiram. Protagonizando ou recebendo importantes papéis na indústria cinematográfica ocidental.
O hype foi tão grande no excelente Dev Patel (Quem quer ser um milionário) que mudaram a referência étnica do povo da nação do fogo, apesar da influência chinesa continuar na cenografia e figurino para não perder um dos ícones visuais da série.
Bem, o filme foi mal, mas todos sabemos do roteiro problemático e do fraquíssimo trio principal, com sua cota de embranquecimento inútil inclusive. Ator secundário da Saga Crepúsculo para atrair platéia. Sério?!
O Irrfan Khan eram um dos poucos atores indianos com presença nos filmes de Hollywood.
Ainda temos uma nova geração de indianos protagonizando filmes grandes como o Suraj Sharma de A Vida de PI e agora o pequeno Neel Sethi que faz o Mogli. Ainda não assisti, mas o trailer me deixou arrepiada.
Parece que o projeto da Disney de fazer o live-action de Mulan segue em frente. Pode ser o divisor de águas dessa desculpa recorrente? Ou talvez vai ser só um caso a parte onde um filme ocidental protagonizado por orientais vai ser um campeão de bilheteria? Vamos ver. O filme pede um elenco de 100% asiático. Torcendo muito pela coerência desse projeto de live-actions da Disney continuar.

Related Posts with Thumbnails