terça-feira, 13 de setembro de 2016

Mais um post sobre Mangás Harlequin...


Volta e meia alguém me pede scans dos mangás da Família De Burgh.  São mangás Harlequin, isto é, adaptações dos romances de banca de jornal feitas no Japão.  A editora Ohzora publica uma série de revistas especializadas nesse tipo de mangá.  uma vez, escrevi uma matéria grande para a Neo Tokyo sobre eles e ela pode ser lida aqui.  Enfim, eu tinha feito alguns scans desses mangás faz alguns anos, mas, bem, não faço mais idéia de onde estão e se ainda estiverem no meu computador de mesa, só depois que ressuscitá-lo poderei tentar descobrir onde estão.  


Em alguns momentos a anatomia das
personagens desenhadas por Nanao Hidaka é constrangedora. 
Semana atrasada, passando pelo Amazon, descobri que alguns dos mangás baseados na série escrita pela Deborah Simmons estão saindo em inglês.  Infelizmente, alguém cismou de começar por My Lord De Burgh (Um lorde para Amar/Majo ni Sasageru Chikai/魔女に捧げる誓い) e, não, pela sequência normal dos livros: O Lobo Domado (Taming the Wolf - Ookami wo Aishita Himegimi), O Anel de Noivado (The De Burgh Bride - Masei no Hanayome) e Coração de Guerreira (Robber Bride - Kishi to Onna Touzoku).  Bem, por mera coincidência, eu tinha tido um surto e tinha relido vários dos livros da série no fim de semana... Daí, decidi comprar um dos mangás traduzidos e escolhi The Unexpected Guest (Uma Visita Inesperada/Shiawase no Yakusoku/幸せの約束).  


Vale aqui, também.  E os cenários
praticamente não existem.
The Unexpected Guest é um romance curto publicado na antologia The Brides of Christmas.  A história mostra como o Conde Campion, pai dos moços que povoam a série, conhece e se apaixona por uma jovem viúva que aparece às portas do seu castelo durante uma terrível nevasca.  Retida por conta do clima, a moça, que fugia de um tio que queria obrigá-la a se casar de novo por conveniência política, decide seduzir o Conde e conhecer os prazeres do sexo.  Sim, ela é uma viúva virgem, mas ele não sabe disso e a coisa toda só se revela no final... quer dizer, não no mangá, porque a adaptadora/artista adianta a informação para a audiência.  Ela, no entanto, não pretendia casar com o sujeito e abdicar de sua liberdade, só que o Conde, que já era duas vezes viúvo e se achava velho demais para essas coisas, não é dado a essas folias... 


E ela consegue o que quer.
É um livro divertido, leitura rápida e com alguns toques picantes.  Eu tenho toda a série (*isso, porque eu tenho praticamente certeza de que não saiu ainda The Last De Burgh pela Ohzora*) em japonês aqui em casa.  O chato, muito chato mesmo, é que Nanao Hidaka, a artista que adaptou a série dos De Burgh não pode ser nem chamada nem de mediana, ela é ruim mesmo.  Com um material com muito potencial nas mãos, ela consegue matar parte do charme, afinal, ainda há o texto original, com sua arte horrorosa.  Sim, é isso mesmo.  Mas houve outra coisa chata na leitura, quem traduziu o mangá não deveria ter intimidade com a série em inglês e o nome do filho mais velho do Conde, Dustan, é colocado como Duston... Uma atrocidade.  Coloquei uns scans no post para vocês terem uma idéia...



Enfim, mas eis que a Amazon oferecia um volume de amostras grátis de mangá Harlequin.  A idéia é muito boa, aliás, você começa a ler e, se gostar, compra o volume inteiro.  Na coletânea, havia outro romance de Deborah Simmons, outro bem curtinho e que eu não havia lido, The Notorious Duke (Furyou Koushaku no Kake/不良公爵の賭), Temporada do Amor, aqui no Brasil.  Ah, que diferença!  A desenhista, Rin Ogata, é tão competente, tem um traço tão simpático e domina bem os recursos visuais comuns nos mangás.  O texto de Simmons, que é cheio de humor, tem uma artista que consegue traduzi-lo de forma muito competente.  Separei alguns scans para vocês compare com o que a Nanao Hidaka e se choquem.



A historinha de The Notorious Duke se passa no período regencial britânico – o mesmo dos romances de Jane Austen – e tem dois protagonistas com nomes ridículos.  A protagonista, Scholastica Hornsby, é uma moça excêntrica e que, com o apoio de sua família, faz campanha em favor da educação das meninas.  Ela é uma proto-feminista e quase apanha na rua por causa disso.  Já o tal Duque se chama Pagan (*há uma explicação na história, enfim...*) e aposta com um amigo que poderia seduzir qualquer mulher, o amigo escolhe Scholastica e ele acaba apaixonado por ela.  O mangá foi divertido e pretendo ler o livro.


Bem, é isso.  Há muito mangá Harlequin em formato digital disponível para compra.  Segundo o anúncio que encontrei, já são mais de 1000 títulos disponíveis em inglês e há em francês, também.  Recomendo que o pessoal interessado dê uma olhadinha no Amazon ou no site da editora ou distribuidora, não sei.  Acredito que em formato padrão não exista mais nada, salvo os que saíram anos atrás, então é vasculhar sites de usados como o Alibris, AbeBooks ou o próprio Amazon.  Para quem me perguntou onde comprar os mangás baseados em Jane Austen, recomendo o CD Japan para importação e a Fonomag, de São Paulo, para encomendas.

GOSTOU?

1 pessoas comentaram:

Muito legal! E você conhece algum título em português e como adquirir?

Related Posts with Thumbnails