quinta-feira, 24 de maio de 2018

Globo passa uma rasteira no SBT e Éramos Seis não Poderá ser Reexibida pelo canal


Talvez, você seja muito jovem e não se lembre da famosa Coleção Vaga-Lume, da Editora Ática.  Ela reunia romances nacionais juvenis e, alguns, até discutindo temas mais adultos (*para nossos tempos limitados*).  Era leitura obrigatória na maioria das escolas nos anos 1970 até o início dos anos 1990.  Meu irmão adorava, eu, odiava.  Preferia ler clássicos internacionais recontados da Ediouro, a querida Coleção Elefante, ou a coleção Veredas, da Editora Moderna, que tinha histórias mais atuais, como as aventuras dos Karas.

Pois bem, um dos livros mais amados da Coleção Vaga-Lume era Éramos Seis, de Maria José Dupré,  de 1943.  O livro narra a história de Dona Lola, a protagonista, seu marido, Júlio, e seus filhos, Carlos, Alfredo, Julinho e Isabel.  Eu nunca quis ler o livro, meu irmão leu e releu.  A história começava nos anos 1920, com as durezas enfrentadas pelas famílias pobres urbanas da época.  O patriarca morria.  Dona Lola seguia sacrificando-se para criar os filhos.  Carlos era esforçado, responsável, estudioso, o apoio da mãe e teve que abrir mão de seu sonho (*ele queria estudar medicina, mas só havia cursos privados e muito caros*) pelo bem da família.  Alfredo era o moleque danado, depois jovem rebelde, que termina seguindo com os Pracinhas para a Itália.  Julinho, o caçula e favorito da mãe, Isabel, a queridinha do pai, ambos abandonam Dona Lola, viram-lhe as costas por um motivo, ou outro.  Por exemplo, Isabel apaixona-se por um homem separado.  Prefere seguir com ele.

O livro da coleção Vaga-Lume, você 
encontra muito barato em sebos.  
A edição nova é esta aqui.
O livro já foi adaptado várias vezes.  Para o cinema, em um filme argentino de 1945.  A partir daí, tivemos quatro telenovelas baseadas em Éramos Seis: 1958, 1967, 1977 e 1994.  Daí, vocês tiram a importância da obra.  Compare com outros grandes sucessos de público,  como livros como Orgulho & Preconceito, ou Jane Eyre, ou, no campo das telenovelas, a importância de Coração Selvagem entre nossos vizinhos latinos.  Não falo de qualidade, embora desafio alguém a atacar Éramos Seis dentro daquilo que o livro se propõe, mas aceitação e certeza do sucesso.

Eu só assisti a versão do SBT, a de 1994.  A versão da emissora utilizou o roteiro de Sílvio de Abreu e Rubens Edwald Filho, o mesmo de 1977.  Comprou os direitos e executou a melhor telenovela da editora.  Sucesso de público e de crítica, fez uma reconstituição de época em termos de costumes e figurinos, além de fazer uma abordagem da História do Brasil, a partir do olhar dos paulistas, que fique claro, quase impecável.  Até o núcleo rural da trama, puxado por Osmar Prado e Denise Fraga, funcionava bem.  

A família de 1977, na primeira fase.
Nunca vi representação de uma família patriarcal pobre tão bem feita como a de Éramos Seis.  Algumas sequências ficaram grudadas no fundo da minha mente.  E a novela não fez concessões às sensibilidades modernas.  Exemplos?  O pai batia nos filhos.  O pai exigia submissão da esposa e era autoritário.  O romance da filha com um homem desquitado não foi tratada como coisa de menor importância.  Era uma novela realista, ainda que com humor e crianças (*na primeira fase*).  Foi nessa novela que vi Tarcísio Filho (Alfredo) mostrando o talento que, na Globo, não conseguia exibir.

Enfim, os direitos do roteiro expiraram e, segundo o jornalista Nilson Xavier, a Globo comprou seus direitos.  Haverá uma outra adaptação em breve com base nesse roteiro.  Só que a Globo comprou, também, os direitos do livro.  Resultado?  O SBT está impedido, provavelmente, para sempre de reexibir sua novela mais elogiada.  Sabia-se que Sílvio Santos colocaria a novela no ar, ela só tinha sido exibida em 2001, como parte de um marketing agressivo contra a nova produção da Globo, então...

Reconhecem o Caio Blat e o
Wagner Santisteban entre as crianças?
Foi tudo dentro da lei.  Tudo.  Só que é triste que uma obra de tanta qualidade seja condenada ao limbo.  É uma grande perda, grande mesmo.  E não acho que a Globo vá "estragar" coisa alguma, só acredito que o realismo do original - livro e roteiro - será sacrificado em prol das tais "sensibilidades modernas".  Aliás, todo mundo parece estar se curvando a elas, basta comparar as versões de Sinhá Moça de 1986 e 2006 (*estou devendo um texto, eu sei*), ou a forma como a Record foge de temas espinhosos em suas adaptações bíblicas.  Também, não me preocupo com sexo, os/as puritanos/as de plantão parecem, como dizia Dona Bela, "só pensarem naquilo" e, claro, não tem noção dos limites impostos às tramas das seis.  Bem, é isso.  Eu espero que essas atitudes agressivas não virem moda... Ainda se o livro fosse domínio público... 

Pensei em Candy Candy  (キャンディ・キャンディ), que por disputa judicial entre as autoras, está aí sem poder ser republicado e o anime reexibido.  Sim, achou que eu não seria capaz de fazer a ponte com shoujo mangá?  é possível, sim.  Disputas que se arrastam por anos e anos, podem prejudicar grandes obras e sua difusão.  Agora, no caso de Éramos Seis, a Globo cercou por todos os cantos, acho que foi xeque-mate mesmo.

GOSTOU?

1 pessoas comentaram:

que triste, eu nem saba disso tudo, muito menos q era adaptação de livro e tinha varias versões, só vi a 1994. E que novela maravilhosa, elenco maravilhoso, do tempo que o sbt fazia boas novelas, tirando as atuais infantis.

Related Posts with Thumbnails