sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Nova versão de Rebecca: a mulher Inesquecível já tem seus protagonistas


Dia desses comecei a rever Rebecca, um filme que gosto muito, mas acabei interrompendo. A película de 1940, baseada no livro Rebecca: a Mulher Inesquecível (1938), Daphne du Maurier, foi estrelada por Joan Fontaine  e Laurence Olivier, indicada a 11 prêmios Oscars vencendo melhor filme e fotografia.  Rebecca foi, também, a estréia de Alfred Hitchcock em Hollywood.

A história gira em torno de uma jovem norte americana ingênua que conhece um viúvo inglês enquanto está à serviço de uma rica senhora em Monte Carlo.  Eles se apaixonam e se casam, mas a jovem - que não tem nome - é atormentada pela imagem glamourosa da primeira esposa do marido, Rebecca, e sua memória mantida pela governanta, Mrs. Danvers (Judith Anderson).  É um excelente filme, ainda que tenham envelhecido Olivier para o papel, Maximilian "Maxim" de Winter tinha 42 anos e o ator estava com 32 ou 33 quando das filmagens.  

Não vejo esses dois como boas escalações.
OK, ontem a conversa do dia foi a revelação de que  Lily James será a protagonista e Armie Hammer fará o viúvo em uma nova versão do livro de 1938.  Não gostei de nenhum dos dois.  Ele só tem 32 anos.  Vão envelhecer o ator como fizeram com Olivier?  Não havia um ator inglês mais adequado para o papel?  Posso fazer uma lista de uns 10 em menos de 40 segundos.  Já Lily James é muito competente, mas tem quase 30 anos, ou seja, muito mais do que a protagonista do livro deveria ter, e sua presença insistente em vários e vários filmes está me cansando.  Parece que seu nome agora está associado às produções de época, tal e qual Keira Knightley alguns anos atrás.  Custa procurar outras atrizes?  

A roteirista, Jane Goldman, tem um excelente currículo, agora, o filme depende de uma escalação em especial.  Quem fará Mrs. Danvers?  Há duas linhas possíveis para conduzir a personagem.  A primeira é a de que ela queria ser Rebecca, a patroa morta, e a idolatrava.  Esta é a abordagem utilizada na novela A Sucessora, por exemplo, que bebe muito em Rebecca, ou no seu similar nacional que lhe deu o nome. [1] A segunda, a de que Danvers era, na verdade, apaixonada por Rebecca.  Provavelmente, é o encaminhamento que muita gente deseja ver nas telas ano que vem.  Mrs. Danvers tem grande destaque no documentário The Celluloid Closet (1995), que trata da representação dos LGBTs no cinema hollywoodiano.   Estou curiosa?  Sim, mas não estou muito empolgada, não.

A governanta atormenta a nova Mrs. de Winter.


[1] Du Maurier é acusada por alguns de ter plagiado o livro da brasileira Carolina Nabuco. Tendo lido alguma coisa sobre o caso e observado o quão extensa é a carreira de Daphne du Maurier sinto-me inclinada a ver uma coincidência, uma história comum, previsível até, e já utilizada antes, inclusive no romance Encarnação de José de Alencar.

GOSTOU?

1 pessoas comentaram:

Há um musical alemão sobre Rebecca (se chama mismo assim) que acho uma boa adaptação. Aqui as atrizes com o papel de Mrs. Danvers tens também a opção "mae", quer dizer ela via Rebecca como uma filha. Se encontra na YouTube com sub inglês, pode dar uma olhadina.

Related Posts with Thumbnails