sexta-feira, 19 de julho de 2019

Atualização da tragédia da KyoAni e outras considerações


Ontem, aconteceu uma tragédia nos estúdios da Kyoto Animation (Kyoani).  Um homem de 41 anos entrou no prédio da empresa com cerca de 20 litros de gasolina, espalhou o combustível no primeiro andar e ateou fogo.  Havia 76 pessoas trabalhando naquele momento.  O incêndio começou às 10h30.  No momento, temos dezessete pessoas hospitalizadas, inclusive o criminoso.  Dezoito vítimas foram para casa, somente sete pessoas não se feriram.  Foram trinta e três mortos ao todo, vinte mulheres, doze homens e uma pessoa ainda não tinha sido identificada.  O Sora News informou que dezenove cadáveres foram encontrados na escada de emergência tentando chegar ao telhado do prédio.

Segundo o SN, Hideaki Hatta, presidente do estúdio, já havia comentado que a Kyoani recebia ameaças fazia anos.  Por conta disso, eles tinham um sistema de segurança com cartões que funcionava muito bem, porém, no dia do atentado, a empresa iria receber visitas e o sistema de identificação estava desligado.  O assassino certamente estava ciente disso.  A tragédia aconteceu.  Com 69 feridos, o incidente está sendo considerado a pior tragédia envolvendo fogo desde 1989, quando um incêndio em Shinjuku matou 44 pessoas.  Só não sei se foi um incêndio provocado.


Para quem quer saber a desculpa do assassino, e deixei por último, porque, bem, não há justificativa para que alguém faça o que ele fez, eu darei as informações que eu tenho. Segundo testemunhas, e os próprios bombeiros foram os primeiros a relatar, o homem teria gritado que a Kyoani tinha roubado (*pakuri/plágio*) o seu livro, as ideias do livro, suponho.  Muitos animes são derivados de novels (*romances curtos*), isso é muito comum em nossos dias.  E você não precisa ser um especialista no tema para saber que muitas histórias têm pontos em comum, ideias que se repetem.  Aliás, há profissionais em Hollywood especializados em provar que acusações de plágio são vãs, porque as ideias já estavam em obras anteriores, ou mitos antigos, ou o que seja.  

Não quero me estender nisso, mas vou citar um exemplo.  Muita gente acusa Rebecca, de Daphne Du Maurier, publicado em 1938, de ser um plágio de A Sucessora da brasileira Carolina Nabuco, escrito quatro anos antes.  Nabuco tinha enviado o livro para ser avaliado por editoras estrangeiras.  A história central é basicamente a mesma, uma jovem de classe social modesta conhece um viúvo rico, mais velho e charmoso e termina se casando com ele.  Ao chegar em sua nova casa, a governanta sinistra faz questão de deixar claro que a nova senhora nunca conseguirá ocupar o lugar de sua falecida patroa, uma mulher perfeita.  Posteriormente, descobrimos que a falecida não era essa flor toda, mas, enfim.  
Durante muito tempo, acreditei que era plágio, hoje, conhecendo Encarnação, livro de 1893 de José de Alencar, que basicamente segue a mesma história, mudei de ideia.  Eu poderia tranquilamente dizer que A Sucessora é um plágio.  Mas é?  Acredito que não.  Simplesmente, trata-se de uma ideia simples, já utilizada e o que importa realmente é como a história é contada.  Entendem o meu ponto?  Quantas histórias isekai (*com o protagonista transferido para outro mundo*) ou de meca (*robôs gigantes*) saem todos os anos?  O cara pode achar que teve uma ideia brilhante, quando, na verdade, está fazendo mais do mesmo.  A própria Kyoani tem um selo de publicação de novels, o KA Esuma Bunko, e oferece premiações para novels e autores, porque, bem, a empresa tem interesse nesse tipo de produção.


Enfim, é isso.  Uma grande tragédia aconteceu.  Um dos desdobramentos para as produções de empresa foi a interrupção da produção do movie de Free! (*há quem diga que somente o trailer, que seria lançado hoje, foi suspenso*).  Isso, claro, é irrelevante diante da tragédia humana.  As perdas materiais existem, também, e, claro, não foram ainda contabilizadas.  Segundo consta, o assassino nunca foi funcionário da Kyoani, que é um dos estúdios japoneses que oferece das melhores condições de trabalho e remuneração aos seus funcionários.  

GOSTOU?

3 pessoas comentaram:

O que mais me incomodou nessa tragédia foi a falta de empatia da indústria. Amazon e Netflix nem mandaram condolências nos seus twitters, não vi nenhum outro estúdio postando solidariedade. Fansubs e sites piratas que dizem ser fãs de animes nem colocaram tarja preta ou fizeram posts de homenagens.
Os únicos exemplos de solidariedade foram a HiDive e da Sentai que fez uma vaquinha pra ajudar,a crunchyroll USA e a funimation pelo menos emitiram notas e vão mandar mensagens de fãs pras famílias.
Faltou gratidão com as vítimas que tanto nos alegraram, que apresentaram os animes a muita gente, solidariedade para com as famílias e amigos deles.

Segundo tudo que já se "investigou" até agora sobre as motivações do assassino a motivação seria muito mais ridícula. Vale nem a pena comentar, comentar pra que, só para sentir mais raiva...

Pra mim o estúdio acabou, não ficaria surpreso de fechasse.
Se o presidente insistir em continuar será praticamente outro estúdio.

@Mister
As empresas não se manifestaram, mas os indivíduos sim.
O dono daquele site "Sakugabooru" que acompanha inúmeras contas da indústria teve que sair do tuíter por um tempo por causa do estresse de ver as reações naquelas contas todas.

Related Posts with Thumbnails