terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Comendando e recomendando a série Malory Towers

Descobri uma série no Globoplay chamada Malory Towers e comecei a assistir com a Júlia.  É baseada em uma série de livros de mesmo nome da romancista  Enid Blyton.  O nome da série deriva do nome do colégio interno feminino central para a ação.  Os livros já foram adaptados outras vezes antes, mas eu não conhecia a série, não.

No original, os livros, que são seis, equivalendo, imagino, ao período dos 11 aos 16 anos de educação.  A protagonista, que tem 12 anos, se chama Darrell Rivers, é uma espécie de tomboy um tanto esquentada, mas que deseja se reformar, por assim dizer, e se tornar uma aluna exemplar.  Obviamente, as coisas não parecem acontecer do jeito que ela gostaria.  Na série, não acredito que nos livros, Darrell foi expulsa de sua antiga escola e não quer que ninguém saiba, porque teme ser rejeitada.

Há uma vilãzinha muito irritante que torna a vida da protagonista muito difícil, mas que deve se tornar amiga antes do fim da série.  Imagino.  Gwendoline Mary Lacey se acha mais do que realmente é e estar em um colégio interno e, não, sendo mimada em casa a deixa desesperada por atenção.  Ela acaba se tornando alvo das brincadeiras e pequenos trotes de outra garota, Alicia Johns.  Até o momento, nada do que fizeram Gwen passar foi imerecido.   

Gwendoline repete uma série de bobagens machistas sempre começando com "Minha mãe me disse que...".  E é bem interessante isso para marcar que as mulheres são fundamentais para a reprodução de uma sociedade patriarcal, por outro lado, no caso da protagonista, o pai é a referência positiva nos estudos e na vida.  Ela sempre começa com "Meu pai me disse...", o que pode criar uma falsa ideia de que os homens seriam aliados das mulheres em sua luta por direitos e escolhas no mundo.  Vamos ver como isso se desenrola.

Malory Towers foi feita pela BBC, foi filmada em 2019 e estreou ano passado com 13 episódios.  Infelizmente, e eu parei para conversar com Júlia sobre isso, Malory Towers padece desse impulso atual de, em nome da diversidade, apagar o fato de que a sociedade já foi muito racista e excludente.  A história dos livros começa durante a 2ª guerra, no seriado, jogaram a ação imediatamente para depois do conflito.  E temos muitas alunas negras, indianas, professores negras, também.   vilãzinha, que é tão cheia de preconceitos, não é racista.  Aliás, ninguém é.  Que mundo perfeito, não?  Agora, o que é realmente interessante é que uma das meninas do grupo de protagonistas tem uma grande cicatriz de queimadura no rosto.  Não é algo bonito de se ver, mas a menina está tão integrada na história como todas as outras.  Eu achei algo bem legal mesmo.

Vou tentar assistir dois episódios por dia com a Júlia.  É bom ter uma série protagonizada por meninas e eu gosto dessas histórias de internato que são focadas na amizade e superação de problemas e, não, em abuso e coisas do gênero.  O chato, pelo menos para mim, é que não parece haver versão legendada no Globoplay, ou eu não aprendi a mudar.  Só que para assistir com Júlia tem que ser dublado mesmo.  E, claro, são as vozes de sempre, interpretando do mesmo jeito.

GOSTOU?

2 pessoas comentaram:

Tem sim a opção do áudio original, mas geralmente no Globoplay só tem a opção de legenda em português (*naquela barrinha do lado*)

Curiosidade: a outra série que Blyton escreveu sobre um internato para garotas (St Clare's) virou anime nos anos 90 https://www.animenewsnetwork.com/encyclopedia/anime.php?id=4493 Chegou a passar em Portugal.

Related Posts with Thumbnails