sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Todas as resenhas de 2012 – Parte 3 – Seriados, Novelas e Livros



Em 2012, fiz várias resenhas de seriados ingleses e de novelas. Queria ter escrito mais sobre seriados e menos sobre novelas, mas o fato é que acompanhei mais novelas que a média da última década no a no passado. Por conta de alguns problemas, como a falta de paciência e as angustias que me acompanharam em 2012, estou com uma série de pendências em seriados. Comecei a assistir The Last Enemy (BBC, 2008) várias vezes e ainda não consegui chegar ao final do primeiro episódio... Não é ruim, mas eu estava muito cansada nesse final de ano. Outra pendência é The Scarlet Pimpernel. Depois que a gente se acostuma que o elenco é dez anos mais velho do que nos livros, é bem legal de assistir. A S3 de Downton Abbey e a S2 de The Borgias estão quase terminadas, mas vão entrar como 2013. Downton Abbey foi uma das melhores coisas que vi em 2012, e estava enrolando faz tempo, apesar da sugestão da Natania. Mas confesso que Hugh Bonneville... Por isso, recomendo Daniel Deronda. :) E é espantoso o quanto Elizabeth McGovern parece mais jovem em Downton Abbey do que em The Scarlet Pimpernel... Incrível mesmo! Fora Maggie Smith que dispensa comentários. :D

Eu assisto episódios de séries americanas, claro, The Big Bang Theory, principalmente, mas não sinto vontade de comentar. Só coloco no blog o material inglês mesmo, ou algo que me mobilize de alguma forma, tipo o (*ruinzinho*) Elementary. Vi um episódio só, não quis seguir em frente. Se querem fazer um seriado policial comum, favor não tentar usar o nome de Sherlock Holmes em vão e transformá-lo em filhinho de papai drogado. Acho que deveria comentar O Mentalista, que fui olhar graças à Lina, e acho divertidíssimo. Em 2012 consegui finalmente assistir Mansfield Park (1983). Acreditem, é a primeira adaptação este livro que consigo assistir até o fim. Já o Persuasion dos anos 1970, comecei e parei. Tenho que terminar quando voltar para casa.

Seriados

Mansfield Park (BBC, 1983) 
Scarlet Pimpernel (BBC, 1999) – episódio 1 – 
Scarlet Pimpernel (BBC, 1999) – episódio 2 – 
Robin Hood (BBC, 2006-2007, 2009) 
Murder is Easy (ITV, 2008) 
Small Island (BBC, 2009) 
Downton Abbey (ITV, 2010) – 1ª Temporada – 
Downton Abbey (ITV, 2011) – 2ª Temporada e Especial de Natal – 
A Scandal in Belgravia (Sherlock, BBC, 2012) 
Parade’s End #1 e #2 (BBC, 2012) 
Parade’s End #3 (BBC, 2012) 
Parade’s End #4 (BBC, 2012) 
Parade’s End #5 (BBC, 2012) 
Elementary (CBS, 2012) – Episódio 1 – 


Como comentei lá em cima, falei mais de novela do que deveria. Comecei com Escrava Isaura, um clássico, apesar do tratamento ruim que a Globo deu... Ainda assim, se lançassem O Direito de Amar, compraria correndo.  Até acho que tinha que ter produzido um texto a mais sobre Gabriela. Se vocês perceberam, não escrevi sobre os últimos capítulos. Mesmo achando fofo o casal Gerusa e Mundinho, a trama tola da moça no convento tão forçada e cansativa, encheção de lingüiça de novela mesmo, e o fato de Malvina não ter ido embora sozinha de Ilhéus. É excelente o capítulo do livro “Da Virgem no Rochedo” e este trecho aqui sintetiza bem o que deveria ter acontecido na novela: 
“Dava-se conta Malvina do erro cometido: para sair dali só vira um caminho, apoiada no braço de um homem, marido ou amante. Por que? Não era ainda Ilhéus agindo sobre ela, levando-a a não confiar em si própria? Por que partir pela mão de alguém, presa a um compromisso, a dívida tão grande? Por que não partir com seus pés, sozinha, um mundo a conquistar? Assim sairia. Não pela porta da morte, queria viver e ardentemente, livre como o mar sem limites. Segurou os sapatos, desceu dos rochedos, começou a esboçar um plano.”
Agora, a graça toda é que o texto do blog que mais me gerou aborrecimento este ano foi um de Lado a Lado. Alguém, e não foi por mal, postou o link em um fórum de novelas. Baixou gente no blog para me acusar de machista e defender personagem de novela como se fosse parente. Eu quero deixar claro, que posso até gostar de um material, mas não vou deixar de apontar os anacronismos e os absurdos de um material. Meu feminismo não me obriga a jogar fora o que eu sei de História e achar que era “normal” uma mulher pedir o divórcio em 1906 ou vestir combinação na rua acreditando que se todo mundo tinha que achar lindo e maravilhoso e, não, um escândalo. E isso nada tem a ver com defender que as mulheres não sejam senhoras e donas de seu corpo, mas esperar um material mais verossímil e que levante discussões sobre direitos das mulheres de forma mais madura e, não, com as personagens agindo de forma absurda. Em situação normal, Laura já teria sido internada pela família.

Novela 

Escrava Isaura – 1 – 
Escrava Isaura – 2 – 
Rei Davi – 1 – 
Rei Davi – 2 – 
Rei Davi – 3 – 
Gabriela – 1 – 
Gabriela – 2 – 
Gabriela – 3 – 
Carrossel – Capítulo 1 – 
Carrossel - Outros textos: 1 e 2
Lado a Lado – 1 – 
Lado a Lado – 2 – 
Lado a Lado – 3 – 
Salve Jorge – 1 – 
Salve Jorge – 2 – 
Salve Jorge – 3 – 

Estou com os livros de True Blood parados. Preciso retomar tudo e terminar os volumes 11 (*Parte 1*) e 12. Estou meio que parada com Parade’s End. Se fosse resenhar livro a livro, já teria resenhado Some Do Not ... (1924) e No More Parades (1925). Só que queria fazer tudo junto e estou travada em A Man Could Stand Up — (1926). Quando terminá-lo, irei resenhar mesmo sem ler o último livro, Last Post (1928), que não entrou na minissérie. Parade’s End não é chato como um todo, muito pelo contrário, mas tem momento em que o livro não anda e eu travei nele.  


Um livro que fui quase até o fim, mas não fechei, nem resenhei, foi o último volume da trilogia do The MacKinloch Clan de Michelle Willingham, Tempted by the Highland Warrior. Nem sei se vou resenhar, mesmo sendo um livro razoável. Foram os únicos Harlequin novos que li este ano. Como sempre faço, reli os livros dos Irmãos De Burgh da Debora Simmons. Deveria resenhá-los aqui. Não concluí Gabriela, Cravo e Canela. Comecei e parei, mas fui fazendo aquela leitura subversiva, fora de ordem mesmo. Devo tentar retomar. E há mil outras coisas que li pedaços, como What Matters in Jane Austen?: Twenty Crucial Puzzles Solved. E há coisas que não entram no Shoujo Café mesmo.  Quem pediu livros de História na pesquisa, desculpe, só se eu puder fazer a ponte com cultura pop ou algo do gênero.  Todo ano leio partes de Jane Eyre e Orgulho & Preconceito, por exemplo. E, bem, o melhor que li este ano foi a trilogia The Hunger Games. O que mais me divertiu foi o primeiro livro de The Scarlet Pimpernel. Preciso terminar Parade’s End e partir para o livo três da série.

Livros 

The Scarlet Pimpernel 2 – I Will Repay 
Catching Fire – 1 – 
Catching Fire – 2 – 
Mockingjay – 1 – 
Mockingjay – 2 – 
Desejo nas Terras Altas (The MacKinloch Clan #1 - Claimed by de Highland Warrior) 

GOSTOU?

1 pessoas comentaram:

Valéria, porque vc não faz uma página só com links de todas as resenhas que vc fez até agora. sei que dá um trabalhinho, mas acho que facilita na hora das pessoas pesquisarem material mais antigo

Related Posts with Thumbnails