segunda-feira, 28 de abril de 2014

NewPop vai lançar Loveless no Brasil


Houve tempo, lá atrás, quando eu acreditava que o mercado brasileiro de mangás teria um futuro promissor, que eu apostava que Loveless (ラブレス), de Yun Kouga, logo seria lançado no Brasil.  Os anos passaram e nada!  Mas, enfim, se até Sailor Moon (美少女戦士セーラームーン), um fenômeno cultural (*sim, é desta forma que esta série shoujo infanto-juvenil precisa ser vista*), demorou mais de duas décadas para chegar aqui, imagina Loveless!  Mas eis que a NewPop anunciou a série para JUNHO.  Frisei o mês, porque a editora costuma lançar o que promete, mas não é muito fiel nas datas.

Loveless, série que ainda está sendo lançada no Japão e passou por vários hiatos, teve anime, foi lançada em vários países, faz sucesso nos EUA, tanto que foi re-licenciada depois que a Tokyopop quebrou, tem muitos atrativos.  Um deles é o traço de Yun Kouga.  Outro, é seu caráter BL (*e há yuri na série, também, aviso*).  Sim, é inegável que Loveless é um BL e que lentamente, sem grande alarde, essa vertente dos mangás femininos vai ganhando algum espaço no Brasil.  Mas é tudo muito discreto, sem que nenhuma editora queira "sair do armário" e anunciar a coisa com letras garrafais.  Sabe, uma das coisas que parecem certas para os editores é que o público brasileiro médio é conservador e só aceita algo yaoi disfarçado dentro dos shounen arrasa-quarteirão.  Pelo menos, estão tentando.  De resto, Loveless junto com Sailor Moon já é o anúncio shoujo mais importante do ano.


Desejo sucesso para o lançamento, sei que muita gente gosta da série, mas eu, particularmente, não consigo simpatizar com Loveless.  Há um flerte com a pedofilia que não me desce.  Gosto muito de Earthian (アーシアン), que também é da autora e teve animação, acho uma série com momentos muito ternos, comoventes e delicados.  É trata-se de outro BL.  Agora, Loveless carece da elegância de Earthian.  A começar com a grosseria de dizer que o duplo par de orelhas significa que a personagem é virgem.  O protagonista, por exemplo, se preocupa no primeiro volume com a reação da mãe caso chegue em casa sem seu par de orelhas extra... Assim, eu ri, mas de constrangimento.  Mas isso sou eu.  O único porém de verdade é o fato do mangá estar em andamento.  São 12 volumes, mas a série já foi interrompida várias vezes.  Não acho que a NewPop alcance a edição japonesa tão cedo, mas uma série fechada ou que seja publicada de forma realmente regular no Japão é algo mais tranquilizador.

De resto, não sabia que a Panini tinha lançado um BL este ano, Full Moon ni Sasayaite  (向滿月微笑), de Sanami Matou. O nome por aqui foi FullMoon: Sussurros. Estou realmente por fora das coisas.  Não vi o volume nas bancas de Brasília, no entanto, não iria procurar por não estar a par do lançamento.  "Mea culpa!  Mea culpa! ..."  E, segundo o Gyabo, a Panini vai lançar a continuação da série!  Os dois volumes de @Full Moon (アットフルムーン), que sairá por aqui com o nome de Full Moon – Contos da Lua Cheia.  Curioso é que o primeiro volume é de 1998 e os dois novos saíram em 2008.  Não sei o que motivou o lançamento, se uma tentativa de contemplar os fãs de BL ou o fato da história ter vampiros e lobisomens.  De repente, as duas coisas... 

GOSTOU?

3 pessoas comentaram:

Como alguém que coleciona a edição americana (antes pela Tokyopop, agora pela ViZ), estou bem feliz em saber que teremos o mangá por aqui. É como você diz, aos poucos as editoras brasileiras estão abrindo espaço para esse gênero.

Eu conheci Loveless pelo anime e parti para o mangá em seguida, seduzida pelo traço da Yun Kouga. O mangá, se tirarmos as terríveis partes iniciais com insinuações sobre a virgindade de meninos de 12 anos, se desenvolve numa trama de abusos psicológicos e abandono afetivo que incomoda do jeito certo, fazendo com que torçamos para que as vítimas recebam o apoio de que precisam e para que os abusadores sejam punidos. O flerte com pedofilia/shotacon é a mácula de um mangá que poderia ser excelente.

Quanto ao Full Moon Ni Sasayaite, estou torcendo muito para que chegue aqui em Manaus. Eu adoro a Sanami Matou por causa de outro mangá BL: Fake. Será que se Full Moon fizer sucesso, a Panini o publicará também? Cruzando os dedos aqui!

Já tem uma semana que eu soube da novidade, mas ainda não decidi se vou comprar ou não. Eu conheci o mangá e o anime em um momento meio conturbado de minha vida e o tom depressivo da história (principalmente o anime) me incomodou bastante na época. Apesar disso, até hoje tenho lembranças das batalhas que tinham no anime, elas eram muito boas. Li o mangá por scans até uma parte mais decisiva da história e ficava babando com o traço da autora, mas fiquei assustado ao notar que a qualidade do traço CAIU DEMAIS! Parecia que os desenhos foram feitos às pressas, de qualquer jeito. Não sei qual é o problema da Yun Kouga, mas eu sinto que ela anda negligenciando Loveless há pelo menos uns 5 anos e mesmo assim ela não termina o mangá! De qualquer forma, desejo sucesso à publicação do mangá no Brasil e até lá decido se vou comprar ou não hehehehe.

Sou fã de Loveless e estou sem conseguir pensar! Muito animada!

De fato essa margem para a pedofilia é a pior coisa do mangá. Sem dúvida, o mangá iria crescer muito se não fosse por isso.
O mangá é infinitamente, de verdade, melhor que o Anime. O anime é RUIM. O mangá é muito bom!

Sucesso ao Loveless!!

Related Posts with Thumbnails