quarta-feira, 4 de maio de 2016

Campanha no Twitter pede que Elsa seja a primeira "princesa" gay da Disney


Elsa, de Frozen é um ícone LGBT e "Let it go" é visto por muita gente como uma metáfora da saída do armário.  Até aí, OK, mas uma hashtag bombou no Twitter #GiveElsaAGirlfriend (Dê a Elsa uma namorada) esta semana.  Na verdade, há muita gente mobilizada para que a Disney tome posição e estabeleça canonicamente que a Rainha - porque Elsa não é princesa, coisa nenhuma - seja a primeira protagonista homossexual de uma animação do estúdio norte americano.

Não acredito que vá rolar, não, mas é interessante ver a demanda por mais diversidade no cinema e na animação.  Esses dias - e vocês nem imaginam o quão atrasada em notícias e textos eu estou - li uma matéria em um jornal italiano criticando Sailor Moon (美少女戦士セーラームーン) , a nova temporada, por ser abertamente lésbica e expôr a questão da orientação sexual para as crianças.   O jornal se posiciona contra e os comentários acompanham, traçando um paralelo com a série dos anos 1990.  Sei, não, mas acho que esse pessoal viu uma versão censurada... Enfim, anime não é necessariamente um produto infantil e os japoneses se mostram bem menos encucados com a representação midiática da diversidade sexual (*o que nada tem a ver com a aceitação da diversidade no social*) mesmo nos materiais que não são declaradamente adultos, isso é fato.  

Beijo entre Urano e Sailor Moon que deixou o jornal italiano possesso.
No caso da Disney, trata-se de um produto que é prioritariamente infantil e, ainda que muitos adultos amem os desenhos do Estúdio, somos nós que nos apropriamos de produtos que não nos são direcionados.  Não sei se eles arriscariam um ataque dos fundamentalistas e outros segmentos que veriam o novo Frozen 2 - e no anterior por tabela - um produto de propaganda dos direitos dos homossexuais.  No site do Jornal O Dia, há gente dizendo que queimaria todos os produtos da série que sua filha tem... Enfim, para uma grande empresa que lucra horrores com a linha princesa seria um passo muito perigoso.  É esperar para ver.

De qualquer forma, acredito que a discussão permita a inserção de personagens secundárias LGBT para equilibrar as coisas em próximas produções da Disney, "preservando" a "neutralidade" das protagonistas.  Ainda assim, se me perguntassem, acho que fecharia com o protagonista da série Fudanshi Koukou Seikatsu  (腐男子高校生活), imaginar um casal e shippá-lo é mais divertido do que vê-lo materializado nas telas em alguns casos... 
Um dos fanarts que circulou na campanha.

Não tenho opinião fechada sobre o caso, não.  No entanto, acredito, aliás, que seria mais interessante criar uma princesa ou príncipe que tivesse uma história definida desta forma desde o início.  E digo mais, seria tão revolucionário quanto ter uma princesa lésbica termos uma princesa que não precisasse de um amor para ser alguém, que fosse uma pessoa que valesse por si mesma e, não, por ter um homem ou mulher a seu lado.  Quero Elsa rainha e poderosa, se continuar desse jeito, está ótimo para mim.

GOSTOU?

7 pessoas comentaram:

nao tenho nada contra ninguem mais eu sou contra seria estranhi ter a elsa assim

Olá, Valéria! Eu vi a notícia no Papelpop e achei bem interessante o pedido dos fãs. Tbm não tenho uma opinião fechada sobre, até lembrei de Sailor Moon, mas algumas coisinhas diversas eu queria pincelar. Primeiro, sou hétero, mas enquanto feminista tento ficar de olho nas demandas de outras minorias. Me incomoda o rótulo 'gay' em mulheres quando elas deveriam ser nominadas como lésbicas. É recente, e só lendo a reivindicação de lésbicas que se sentem invisibilizadas no Mov.LGBTT e mesmo no feminismo que eu passei a refletir sobre os rótulos: gay e/ou lésbica. Muita gente quer uma "princesa gay", mas Elsa não seria gay, seria lésbica, é necessário reivindicar a palavra.
Segundo: birra antiga, diabos, a Elsa é rainha não princesa!
Terceiro: os raivosos que usam a desculpa "mas no filme ela não tem nenhum interesse romântico, portanto não foi sugerido nada,querem inventar" ou coisa do tipo. Aí a gente vê a heterossexualidade compulsória ganhando forma. É fácil dizer que criança é inocente e não pensa nessas coisas e ao mesmo tempo não achar nada demais dezenas de filmes infantis onde a princesa encontra um cara e se apaixona. Quer dizer, isso não fere a inocência de ninguém, não desperta curiosidades precoces, não "influencia". É normativo, não ofende.
Agora sugerir que meninas amam meninas é o mesmo que colocar no filme perversões,é falta de respeito com a infância, a inocência, aí é viajar na maionese, querem influenciar a cabeça das crianças, é temática adulta, elas não irão entender, mimimi.
Eu esperava esse discurso de conservadores, mas vi muita gente anti preconceitos repetindo furiosamente essas coisas. Infelizmente a ideia de ser gay ou lésbica ainda está relacionada a perversão, imoralidade.
Acho que uma saída é sugerir, tipo a Xena e a loirinha :)

Eu concordo com vc Valéria, ela ser uma personagem lésbica seria revolucionário, para os padrões Disney, mas acho que isso deveria ter sido sugerido no primeiro filme, que enfoca o amor entre as irmãs, fora o fato que o filme tem um direcionamento, como vc comentou, pra mim eu tbm acho que seria mais interessante ela voltar mais forte e decidida sem a necessidade de ter um companheiro/a. Fazendo com que todas as meninas notassem que elas são fortes por si só, sem esse história toda de principe. Confesso que essa coisa de princesas da Disney nunca me interessou, apesar de eu ter lido todos esses contos de fadas, e me encantado com histórias de princesas na minha infância, mas eu li as histórias, nunca pude ter acesso à esses filmes os unicos que vi foi Mulan, e Pocahontas na escola, eu vivi numa época diferente, sem internet, mas eu tenho uma sobrinha que adora Frozen e eu me preocupo em como esses filmes podem impactar as cabecinhas dessas meninas que estão em formação, e em como lidar com essa onda enorme em ser só princesa.

Engraçado que em Frozen, as meninas ainda são educadas a absorver a personagem como uma princesa com um lindo vestido. Por isso, continua sendo interessante coloca-la forte e corajosa por si. Quanto a relacionamento, isso é tão secundário na saga da personagem que colocar um interessante amoroso, ainda soa como um fanservice.
Viu a Lenda de Korra, Valéria?! A última temporada teve uma certa polêmica, dividindo opiniões.

Concordo com vc. Se for pra ter uma princesa (ou príncipe) homossexual prefiro que seja assim desde o começo. O que eu gosto na Elsa é a representação da mulher independente, que é feliz assim e que não precisa de um homem (ou mulher) para se sentir bem e realizada. É algo com que eu me identifico e que eu sinto.

Outro dia uma amiga postou uma foto no instragram comemorando o noivado e em um dos comentários uma outra menina postou: "Parabéns! Agora você será uma mulher completa". Quer dizer que se eu não casar (não vou dizer que isso nunca vai acontecer pq não se sabe o amanhã, mas é algo que eu não pretendo fazer) eu nunca vou ser uma mulher completa? Acho que a Elsa representa essa parcela das mulheres que, como eu, se sentem bem sozinhas e que são bem completas assim.

Juliana, quando eu estava no doutorado, a gente chegou a fazer essa discussão sobre rótulos. Historicamente, "gay" se aplica a homens e mulheres homossexuais. Simplesmente, só se trata de invisibilização - e aí reside o problema - se eu usar para apagar a presença das mulheres, é, aliás, o que ocorre com a Parada do Orgulho Gay. Gay torna-se sinônimo de homem homossexual, daí, a necessidade de reforçar o lésbica/lesbiana. Neste caso, no meu texto, tal crítica não cabe.

Nossa pra quê? Sério, até agora a Elsa foi a única que não teve nenhum par romântico. Além do mais para quer ficar possesso com o beijo da sailor Urano e a Usagi?? Eu acho lindo a haruka e a michiru juntas gente.
Tem gente que põe lenha na fogueira sem motivo.

Related Posts with Thumbnails