segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

Sucessão somente masculina ao trono japonês volta à discussão no país

O Japão é uma monarquia aparentemente estável, mas que corre sério risco de mergulhar em uma crise a qualquer momento.  Motivo?  A Lei da Casa Imperial de 1947, buscou eliminar a nobreza do país e estabeleceu que a sucessão se faria exclusivamente por linha paterna e masculina.  Qualquer princesa da Casa Imperial que se case, deixa de fazer parte da família.  Somente meninos nascidos da linhagem paterna podem ocupar o trono.  Eu sempre interpreto isso como uma forma de estrangulamento da monarquia e, no caso do Japão, isso fica muito evidente neste exato momento.

Antes de comentar a matéria do jornal Mainichi, uma explicação.  Existem várias possibilidades de herdar um trono, normalmente, a predominante é a da hereditariedade com precedência masculina, isto é, qualquer menino nascido do casal real/imperial passa a frente das irmãs.  As mulheres reinam, se não tiverem irmãos.  Há monarquias que excluem as mulheres totalmente, mas isso é burrice e acredito que Felipe V da França se arrependeu muito de ter forjado a Lei Sálica para tomar o trono da sobrinha.  

No caso da monarquia russa, desde o  filho de Catarina, a Grande, que devia odiar a mãe, a lei passou a ser semi-Sálica, as mulheres assumiriam o trono se não houvesse nenhum homem restando.  Por exemplo, as filhas de Nicolau II (Olga, Tatiana, Maria e Anastácia) só se sentariam no trono russo se não houvesse nenhum irmão, tio, ou primo.  Suas possibilidades eram, portanto, muito remotas.  Hoje, na Europa, a tendência das monarquias modernas é alterar suas leis de sucessão e adotar a primogenitura absoluta, o mais velho herda, sendo menino, ou menina.  Por isso, a princesa Charlotte foi celebrada como a primeira menina da família real inglesa a ter precedência em relação a um irmão caçula.  A ordem atual de ascensão ao trono da Inglaterra é Charles - William - George - Charlotte - Louis.

E a situação do Japão?  Até o nascimento do príncipe Hisahito, de 14 anos, sobrinho do imperador atual, foram mais de 30 anos sem que nenhum homem nascesse na casa imperial.  Hisahito tem duas irmãs mais velhas, o imperador tem somente uma filha, Aiko (foto abaixo), de 19 anos.  Até o nascimento do garoto, a Dieta, o Parlamento japonês, estava discutindo a possibilidade de mudanças na lei, mas os velhos políticos tinham grande resistência a permitir a ascensão de uma mulher ao trono do Crisântemo, como se isso nunca tivesse acontecido.  Houve infelizes que propuseram inclusive a possibilidade do imperador voltar a ter concubinas para garantir a sucessão.  Sim, isso no século XXI.

E a população japonesa?  Bem, as pesquisas recentes apontam que boa pare dos japoneses e japonesas é favorável à mudança na legislação para permitir a ascensão de mulheres ao trono.  E, segundo o Mainichi, o Primeiro-Ministro se pronunciou publicamente dizendo que a discussão é uma prioridade. Encontrei um artigo no Japan Times que argumenta que a inclusão seria inconstitucional mesmo, já que a carta magna do país afirmaria a igualdade entre homens e mulheres.  Vamos esperar pelas cenas dos próximos capítulos.

GOSTOU?

1 pessoas comentaram:

impressão minha ou a Casa Imperial quer a república no Japão...?
(algo de forma bem sutil)

Related Posts with Thumbnails